A PERSEGUIÇÃO DA IGREJA


Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
IPB de Vila Gerti, S.C.Sul / SP
EBD 26.05.13


INTRODUÇÃO
A perseguição ao Evangelho é antiga, desde os primórdios da Igreja há relatos que comprovam isso. A perseguição não é somente física, mas também psicológica, emocional e espiritual. Os crentes que se dispõe ao evangelismo sofrem todo tipo de perseguição, não só nos países perseguidos, mas nos países livres também. Obviamente no ocidente há liberdade religiosa, e portanto NÃO SABEMOS o que é ser perseguidos por amor a Cristo como acontece em outros países. Mas, devemos sempre estar atentos à repressão da mensagem bíblica, que acontece frontalmente aqui também, muito mais tênue e subjetiva, porém plenamente real, haja visto o grande número e crentes que não evangelizam, ou que sequer carregam a Bíblia. A vergonha é sinônimo de covardia, portanto muito cuidado! Não deixemos que a perseguição nos acovarde.

A PERSEGUIÇÃO NA IGREJA PRIMITIVA

1 – Atos 4:1-3 contra o ensino e a manifestação do poder de Deus.
Deus fez um milagre que abriu as portas para a pregação (Atos 3). Essa oportunidade trouxe consigo o primeiro relato de perseguição na Igreja Primitiva. Fica muito claro aqui qual é o motivo de tantas perseguições:

•    A manifestação do poder de Deus. Deus curou aquele homem, mas o poder de Deus se manifesta de muitas outras maneiras. Quando alguém se converte a Cristo e assume um compromisso verdadeiro com Ele, é também manifestação desse poder. E quando isso ocorre logo surgem as primeiras perseguições, seja por zombaria (bulling?), palavras agressivas, isolamento, a perda de amigos, namorado (a), problemas na família, no emprego, etc.

•    Ensino e pregação (anúncio) de Jesus (evangelismo) e de sua ressurreição (vs.2). Fale de qualquer coisa e está tudo bem. Fale de Cristo e terá problemas. É assim em qualquer lugar. Em alguns contextos é até proibido falar de Deus. Notem bem, não se trata de pregar “Igreja”, mas pregar a mensagem de Cristo.

Essa realidade ocorre nos países perseguidos de uma forma muito drástica e violenta, chegando-se ao ponto da prática de prisões, espancamentos, torturas, campos de concentração, e morte. Podemos dizer que aqui no Brasil estamos “no Céu”, porque naqueles países aprende-se a morrer pelo Reino de Deus. No entanto, essa liberdade que temos pode ser prejudicial se não aproveitarmos as oportunidades. Parece que o diabo propõe um acordo no silêncio da nossa alma: “Não mexa comigo, que eu não mexo com você. Não fale de Deus e eu deixo você ter amigos e viver uma vida normal. Se você começar a falar de Deus eu vou te prejudicar, vou fazer com que você fique isolado, não tenha amigos, seja motivo de piadas, ouça palavrões, etc.” Fato é que a vergonha e o medo de assumir uma postura cristã, tem dominado muitos irmãos, colocando-os em uma verdadeira crise de identidade. É necessário poder de Deus para assumir de fato que somos filhos de Deus, e que estamos dispostos a sofrer por Ele, se for necessário.

Não se trata de “forçar a barra” sendo inconvenientes, falando nos momentos errados, ou tentando fazer as pessoas se converterem “na marra”. Trata-se de ter sabedoria para falar, não ficar calado sempre, mas aproveitas as oportunidades, com entendimento e simpatia. Trata-se de não se envolver em situações, costumes e práticas que prejudiquem a evangelização.

2 – Atos 4:14-22 mais ameaças contra o ensino e a pregação do Evangelho; a resolução firme dos servos de Deus.
O Sinédrio era um tribunal judaico onde as questões de cunho religioso eram tratadas. Os servos de Deus foram presos foram levados ao Sinédrio por causa da manifestação do poder de Deus (At 4:22), e da pregação do Evangelho; eles foram arguidos, interrogados e pressionados como se fossem criminosos. Enquanto isso o número de convertidos chegava a cerca de 5.000 almas (4:4). Diante de tudo isso as autoridades do templo, escribas, anciãos e o sumo-sacerdote resolveram ameaçar Pedro e João (vs.17), e ordenaram que eles não falassem nem ensinassem o nome de Jesus (vs.18). Notemos que homens investidos de autoridade usam essa autoridade para tentar reprimir a pregação e o ensino do nome de Jesus e de Sua Palavra. No entanto, os servos de Deus não se intimidaram, tomaram uma firme resolução e disseram essas palavras que ecoam pelos séculos, como testemunho de obediência e temor a Deus:

"Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus; pois nós não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos." Atos 4:19-20.

Essa deve ser também a nossa resolução pessoal: somente temer a Deus, e não aos homens; e jamais deixar de falar da mensagem do Evangelho.

3 – Atos 5:17-20 perseguição e cárcere para tentar deter o Evangelho; Deus trazendo livramento.
Deus continuava realizando a Sua obra convertendo muitas pessoas, curando e libertando tantas outras; o Evangelho crescendo a cada dia.

1.    Atos 7:54-8:1 perseguição e morte por causa da pregação do Evangelho; Estevão o primeiro mártir e o consentimento de Saulo.
2.    Atos 12:2 a morte de Tiago e a dispersão da Igreja de Jerusalém.

JESUS NOS ALERTOU

1.    Mateus 5:10-12 ser perseguido é uma bem-aventurança.
2.    Mateus 5:44 a estratégia dos perseguidos, uma ordem de Deus, nossa arma é o amor.
3.    Lucas 21:12-19 perseguição é sinal do fim dos tempos.
4.    João 15:18-27 a perseguição provém do diabo por ódio a Cristo.
5.    João 16:33 o conforto de Jesus aos perseguidos.

OS PERSEGUIDOS NO CÉU - Apocalipse 6:9-11.

SOLI DEO GLORIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT