JESUS, O CORDEIRO VENCEDOR

Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
3ª IPB de Barretos / SP
Culto de Ano Novo 31.12.11


TEXTO BÁSICO

APOCALIPSE 1
 
“E eu, quando vi, caí a Seus pés como morto; e Ele pôs sobre mim a Sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu Sou o primeiro e o último; e o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno.” Ap 1:17-18.

INTRODUÇÃO
Mais um ano se passou, está se findando, e o Ano Novo está às portas. Tivemos nesse mês de dezembro, mês do Natal, a oportunidade de refletir com a Igreja acerca da pessoa e da obra de Jesus Cristo (O Cordeiro Prometido, Maravilhoso e Humilde). Hoje, finalizando essa série de sermões e reflexões, estaremos enfocando a vitória de JESUS, O CORDEIRO VENCEDOR.

Creio ser de grande valia buscarmos durante esse tempo:
- fortalecer nossas convicções acerca da vitória do Senhor Jesus;
- pensarmos sobre as implicações em nossa espiritualidade;
- fazendo assim uma reflexão quanto ao ano que se finda, e traçar metas para o ano vindouro.

EXPLICAÇÃO
O Livro Apocalipse de João é por vezes mal interpretado e até temido, talvez devido ao seu tema, conforme 1:1 “Revelação”, do grego “apokalupsis”, que significa literalmente “tirar o véu”, ou seja, nesse livro Deus nos revela coisas que hão de acontecer nos tempos do fim. Mas o medo que muitos sentem ao ler este livro e os mistérios aqui revelados, têm também uma segunda explicação: Apocalipse é um livro que ensina através de símbolos. É isso que revela o termo “notificou” (1:1), do grego “semainõ”, que significa “indicar, ensinar por símbolos”. Portanto, ao ler este livro é um grave erro procurar entende-lo literalmente em sua totalidade, uma vez que grande parte de sua mensagem nos é apresentada através de símbolos.

Exemplo claro disso está aqui mesmo no primeiro capítulo, onde João apresenta-nos uma descrição de Jesus Cristo glorificado (1:12-20). E é o próprio Senhor Jesus quem dá algumas explicações (vs.20) acerca dos sete candeeiros e das sete estrelas.

ARGUMENTAÇÃO
Jesus Cristo é o Cordeiro Vencedor! Por que podemos afirmar isso com tamanha convicção?

1 – PORQUE ELE É DEUS (vs.17b)
“Eu Sou o primeiro e o último”
Aqui é Jesus Cristo, perfeitamente Deus, falando!

Essa expressão aponta para a eternidade de Deus. Segundo a Bíblia de Genebra é essencialmente o mesmo que “Alfa e Ômega”, título dado a Deus (vs.8). “Alfa e Ômega” = a primeira e a última letra do alfabeto grego. Deus é o Alfa (Criador) e Ômega (aquEle que faz novos Céus e nova Terra). Ele é Senhor de todos (no passado, presente e futuro), como sugerido pela expressão “que é, que era, e que há de vir” (vs.4). BEG.

Aqui Cristo se outorga o mesmo título ao dizer “Eu Sou o primeiro e o último”, porque Ele é o Deus Filho. Jesus é o Cordeiro Vencedor, porque Ele é Deus! Ao nascer, encarnando-Se, Ele Se fez homem, mas antes mesmo de Se encarnar, Ele já reinava eternamente.

A eternidade de Deus nos fala da Sua divindade. O Ser eterno de Deus é imortal, não tem começo nem fim, é o princípio de tudo, o Criador de todas as coisas, existe antes de tudo (e sempre existirá), é o mantenedor de tudo que há, e sem Ele nada do que foi feito se fez.

Conforme a CFW (capítulo 2, item 1), Deus é “vivo e verdadeiro, o qual é infinito em seu ser e perfeições. Ele é um Espírito puríssimo, invisível, sem corpo, membros ou paixões; é imutável, imenso, eterno, incompreensível, onipotente, onisciente, (e onipresente), santíssimo, completamente livre e absoluto, fazendo tudo para a Sua própria glória e segundo o conselho da Sua própria vontade, que é reta e imutável. É cheio de amor, é gracioso, misericordioso, longânimo, muito bondoso e verdadeiro remunerador dos que O buscam e, contudo, justíssimo e terrível em Seus juízos, pois odeia todo o pecado; de modo algum terá por inocente o culpado.”

2 – VENCEU A MORTE (vs.18a)
“AquEle que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos” - Aqui é Jesus Cristo, perfeitamente homem, falando!

Jesus é o Cordeiro Vencedor porque Ele venceu a morte! Precisamos compreender que ao Se encarnar, Jesus “esvaziou-Se a Si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-Se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem” (Fp 2:7-8b). Ele, sendo Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus (Fp 2:6), mas abriu mão de toda a Sua glória e Se fez homem, nasceu de Maria por obra do Espírito Santo (Lc 1:30-35). Tudo isso fazia parte do glorioso plano eterno de Deus para nos redimir de nossos pecados. E porque todo homem é pecador, a única maneira aceitável para nos redimir, era que o Senhor Jesus viesse a esse mundo pecador e morresse em nosso lugar. Ele fez isso!!! (João 3:16). Mas a morte não pôde detê-Lo, e Ele ressuscitou, está vivo, reina e em breve voltará. Crês nisso?

A ressurreição de Cristo é o ponto básico da fé cristã. Se Ele não tivesse ressuscitado, tudo isso seria em vão, Ele não seria Deus, mas um impostor. Daí o grande esforço que o mundo faz para contrariar a divindade de Cristo, e a essencialidade da fé nEle, RESSURRETO, para que se possa obter a salvação e a vida eterna (1 Coríntios 15:12-21).

"Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens." 1Coríntios 15:19.

Para quem não crê na ressurreição de Jesus, tudo isso é em vão. A Bíblia não é a Palavra de Deus, mas um livro de mitos, contos e fábulas. Dizem os incrédulos que “o papel aceita tudo”. Sim! Isso é verdade, o papel aceita tudo, inclusive a Palavra de Deus! É preciso acreditar que o que está contido na Bíblia é a Verdade, porque Ela é a Palavra de Deus, e é Ela quem nos afirma que Jesus Cristo ressuscitou. Não crer na ressurreição de Cristo é pecado mortal, gravíssimo, e a penalidade para quem não crê é a morte eterna. Jesus é o Cordeiro Vencedor, porque venceu a morte.

“Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória?”
1 Coríntios 15:55. 


3 – REINA SOBERANAMENTE (vs.18b)
“E tenho as chaves da morte e do inferno”
Jesus é o Cordeiro Vencedor porque reina soberanamente sobre todas as coisas.

A expressão “as chaves” denota a autoridade de Cristo. Ao Se encarnar Ele não deixou de Ser Deus, muito pelo contrário, a Sua divindade e o Seu eterno poder se manifestaram durante todo o Seu ministério terreno. Mas ao Se despojar de Si mesmo para Se encarnar, de certo modo Cristo Se fragilizou, e como homem, dependia essencialmente do poder do Pai. Por isso que Ele orou, jejuou e se santificou em tudo que fez, e jamais pecou.

Ele sendo Deus, e havendo ressuscitado, confirmou assim a Sua divindade, e tem todo domínio e poder sobre todas as coisas.

3.1 – Autoridade sobre a morte. Ele já venceu a morte, e tem toda autoridade e poder sobre ela. Ele não somente operou os milagres de ressurreição, como Se deixou levar pela morte, entregando-Se para morrer na Cruz. Ele foi sepultado, mas ao terceiro dia ressuscitou, concretizando o que os profetas já haviam pregado (Sl 49:15; Ez 37:12; Os 13:14); e que Ele mesmo predisse (Mt 12:39-40; 16:4).

3.2 – Autoridade sobre o inferno. O NT considera o inferno como o lugar de habitação final dos condenados à punição eterna, no Juízo Final, preparado inicialmente para “o diabo e seus anjos” (Mt 25:41-46; Ap 20:11-15). É descrito como lugar de “fogo” e “trevas” (Jd 7,13); de “choro e ranger de dentes” (Mt 8:12; 13:42,50; 22:13; 24:51; 25:30); de “destruição” (2 Ts 1:7-9; 2 Pe 3:7; 1 Ts 5:3); de “tormento” (Ap 20:10; Lc 16:23). A visão bíblica nos persuade a crer que embora o Céu seja indescritivelmente melhor do que podemos sonhar, o inferno será terrivelmente pior do que se possa imaginar. E essa será uma das conseqüências eternas que os ímpios terão que enfrentar eternamente. O inferno não é tanto a ausência de Deus, mas a conseqüência de Sua ira e indignação. (BEG).

Jesus é o Cordeiro Vencedor porque é soberano sobre todas as coisas. Isso significa que tanto a morte como o diabo, estão sob o Seu poder e domínio. Portanto não há razão para o crente temer esses inimigos que já foram vencidos por nosso Senhor e Salvador, JESUS CRISTO!!! 


CONCLUSÃO
Jesus Cristo é o Cordeiro Vencedor! Esse não pode ser apenas uma frase de efeito, mas precisa ser uma realidade que influencia nossa existência como cristãos. Não podemos viver como derrotados. Se Cristo Vencedor, nós devemos buscar viver à sombra dEle, desfrutando dos benefícios obtidos por Ele, e da segurança que Ele nos dá. Isso implica em atitudes concretas da nossa parte.

Diante de tamanha expressão de força e poder, João caiu as pés do Senhor como morto. Mas Jesus disse a João, e Ele também diz a nós: “NÃO TEMAS”! Não devemos temer o mal. O futuro que nos aguarda, as circunstâncias que virão, tudo está sob o comando e a soberania dEle.

Uma boa reflexão para o final de cada ano, é avaliarmos como foi o ano que se finda, e fazer planos, traçar metas, para o Ano Novo. Convido você a juntos orarmos a Deus nesse instante, confessando a Ele nossos pecados, e consagrando a Ele o Ano de 2012, que seja um ano de muitas realizações e vitórias, não somente na vida familiar, financeira, profissional, estudantil, mas principalmente em nossa vida espiritual, que se revela tanto em nosso dia a dia, como na nossa vida eclesiástica e de comunhão.

Como temos nos portado para com Deus em Sua obra? Quantas almas ganhamos em 2011? Quantas orações fizemos? Quantas pessoas evangelizamos? A quantas Reuniões de Oração e Estudos Bíblicos participamos? Como nos saímos em 2011? Vitoriosos ou derrotados?

Busquemos em oração as bênçãos decorrentes da vitória de Cristo. Ele é o Cordeiro Vencedor, e o Seu desejo é que sejamos também vencedores em sua causa. Um feliz 2012 a todos!!!

Material de apoio:
ABA – A Bíblia Anotada;
ABVN – A Bíblia Vida Nova;
BEG – Bíblia de Estudo de Genebra.

SOLI DEO GLORIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

IPB EM FOCO - SIMONTON E AS BASES DO PRESBITERIANISMO NO BRASIL