A ENTREGA VOLUNTÁRIA DE CRISTO

Por: Rev. Paulo Sergio da Silva

3ª IPB de Barretos
Culto Vespertino 26.09.10


TEXTO BÁSICO: JOÃO 18:1-11
18.1   Tendo Jesus dito estas palavras, saiu juntamente com seus discípulos para o outro lado do ribeiro Cedrom, onde havia um jardim; e aí entrou com eles.  18.2   E Judas, o traidor, também conhecia aquele lugar, porque Jesus ali estivera muitas vezes com seus discípulos.  18.3   Tendo, pois, Judas recebido a escolta e, dos principais sacerdotes e dos fariseus, alguns guardas, chegou a este lugar com lanternas, tochas e armas.  18.4   Sabendo, pois, Jesus todas as coisas que sobre ele haviam de vir, adiantou-se e perguntou-lhes: A quem buscais?  18.5   Responderam-lhe: A Jesus, o Nazareno. Então, Jesus lhes disse: Sou eu. Ora, Judas, o traidor, estava também com eles.  18.6   Quando, pois, Jesus lhes disse: Sou eu, recuaram e caíram por terra.  18.7   Jesus, de novo, lhes perguntou: A quem buscais? Responderam: A Jesus, o Nazareno.  18.8   Então, lhes disse Jesus: Já vos declarei que sou eu; se é a mim, pois, que buscais, deixai ir estes;  18.9   para se cumprir a palavra que dissera: Não perdi nenhum dos que me deste.  18.10   Então, Simão Pedro puxou da espada que trazia e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita; e o nome do servo era Malco.  18.11   Mas Jesus disse a Pedro: Mete a espada na bainha; não beberei, porventura, o cálice que o Pai me deu?

INTRODUÇÃO
Dentre tantos adjetivos que temos acerca do nosso Mestre, um se destaca: a Sua voluntariedade em Se entregar para morrer por nós.  Pessoalmente me impressiona o fato dEle ter se disposto a fazer toda a Sua obra redentora. Ele não precisava fazer isso. Ele não foi forçado a fazer isso. Mas Ele o fez! E fez de um modo perfeito, completo, majestoso, vitorioso e inigualável. A Sua voluntariedade é expressão prática de Seu grande e santo amor. Um amor sem interesses próprios, amor ágape.
Certamente em nossa carreira cristã, a voluntariedade precisa ser real também. Não se faz a obra de Deus a pulso, não se pode forçar as pessoas a servirem a Deus. Voluntariedade é uma das características do cristão verdadeiro e amadurecido.

EXPLICAÇÃO
Voluntariedade é a qualidade do voluntário. Voluntário é aquele é espontâneo, ou seja, que age sem coação, de vontade própria, espontaneamente (Dicionário Aurélio). Se existe uma característica primordial na obra vicária de Cristo, é a sua entrega voluntária. Qual rei abandonaria o seu trono para tornar-se réu de crimes que não houvera cometido? Nenhum! Exceto Cristo.

1 – ENCARNAÇÃO – Fp 2:5-8
O primeiro aspecto acerca da entrega voluntária de Cristo foi a Sua encarnação. Para realizar a Sua obra, Cristo deveria encarnar-se. O ato de encarnar-se é em si só um ato de humilhação, pois Ele é Deus e se fez homem. Em Filipenses 2:5-8 a Bíblia nos manda termos o mesmo sentimento que houve também em Cristo.
 

Filipenses 2:5-8
5  De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
6  Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,
7  Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;
8  E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.


Isso é voluntariedade! Para se encarnar Ele teve que Se esvaziar. O que é isso? Para se encarnar Ele deixou toda a Sua glória celestial, toda a Sua perfeição, e foi gerado pelo Espírito Santo no ventre de Maria, uma mulher imperfeita e pecadora. Quando nasceu não havia lugar para ele entre os homens, foi em uma estrebaria que ele veio a nascer, ali no curral, entre os animais, um lugar em que os animais defecam e urinam. Um local inapropriado para servir de maternidade. Ele veio assim em semelhança de homens. Você já se perguntou por que Ele fez isso? Foi uma brincadeirinha? Foi um teatrinho? NÃO!!! Isso é coisa séria, o assunto mais sério e delicado de todo o universo! Ele se encarnou para morrer em nosso lugar na cruz (Fp 2:8) em uma obra substitutiva que chamamos de expiação. Ele fez a expiação dos nossos pecados naquela rude, amarga e humilhante cruz.
Essa expressão da humildade e amor de Cristo por cada um de nós foi voluntária, ninguém O forçou, foi por amor! Ele te ama, saiba disso, creia nisso, viva por essa verdade! Se você deixar de crer nessa realidade, você esmorecerá e se enfraquecerá na fé. Por que será que as pessoas deixam de crer no amor de Cristo? Será que são os problemas da vida? As dificuldades? As lutas? As enfermidades? Olhe para Cristo! Ele sofreu tudo isso em proporção infinitamente maior do que qualquer coisa que nós pudéssemos suportar. Jamais duvide do amor de Cristo por você!
 

Mas a Bíblia nos manda termos o mesmo sentimento de humildade e voluntariedade que Cristo demonstrou. Certamente aqui está a vitalidade de uma Igreja viva e abundante. Sem humildade o nosso orgulho toma conta de tudo, sem voluntariedade não se demonstra sequer amor pela obra. Cristo é o nosso exemplo máximo, vamos segui-Lo?


2 – TRAIÇÃO
Um segundo aspecto da entrega voluntária de Cristo foi a Sua traição. Para que Jesus fosse preso, Judas O traiu. Jesus sabia exatamente o que estava para acontecer, a Sua traição não foi um “acidente de percurso”, tanto que foi Ele mesmo quem escolheu Judas para ser um de seus discípulos e conviveu durante três anos com ele.  Durante todo esse tempo a Bíblia não fala nada acerca de Judas ter a intenção de trair Jesus, pessoalmente creio que ele não tinha planejado tudo desde o início. Mas Jesus em Sua onisciência sabia perfeitamente quem era Judas. Em João 13:2, durante a última ceia de Jesus com os seus discípulos quando Ele lavou os pés dos deles, aparece a citação de que o diabo já havia colocado no coração dele o desejo de trair Jesus. Mas ele não tinha traído ainda. No vs. 27 a Bíblia diz que satanás entrou em Judas, e Jesus diz para ele:
“O que pretendes fazer, faze-o depressa” (João 13:27b). E Judas foi e traiu Jesus.

Judas decidiu trair Jesus durante um momento tão sagrado e sublime que não dá para imaginar como isso pôde acontecer. Mas pode acontecer com qualquer um de nós, que permitir que o inimigo coloque os seus desígnios em nossos corações.

Então fica muito claro na Sua traição Jesus demonstrou voluntariedade e desejo em ir até a Cruz morrer por nós. Ele não foi pego de surpresa como muitos pensam. Não foi um plano que não deu certo, pelo contrário, o plano dEle saiu perfeitamente conforme planejado.
 

QUANTO CRISTO VALE PARA VOCÊ?
E qual foi o preço de Jesus? Em quanto Ele foi avaliado pelos sacerdotes? 30 moedas de prata foi o valor que Judas recebeu para trair Jesus (Mt 26:15). Segundo alguns estudiosos, se Jesus fosse traído hoje, em reais, o valor seria entre 40 e 50 mil reais (http://mundoestranho.abril.com.br/religiao/pergunta_286902.shtml). O preço de um terreno aqui em Barretos. A Bíblia nos relata que após ver o que havia feito, caindo em si, Judas devolveu as 30 moedas de prata e foi se enforcar. Com aquele valor os sacerdotes compraram um terreno e fizeram dele um cemitério (Mt 27:3-7). Uma coisa terrível de se notar é que Judas nem barganhou esse valor, ele simplesmente aceitou o que lhe deram. Transmite a clara impressão de que Jesus não tinha valor nenhum para ele, e que o que ele queria mesmo era que Jesus fosse preso. Judas se vendeu ao trair Jesus, o valor que ele recebeu pode ter sido o valor que Jesus tinha para ele, mas na verdade era o valor dele próprio. Judas não valia mais que isso porque o valor de uma pessoa está em sua dignidade e em seu temor a Deus. É aí que está o nosso valor, e esse valor é inestimável, não tem preço. Mas aqueles que trocam Jesus por qualquer outra coisa estão demonstrando o valor que Cristo tem para eles, ou o valor deles próprios. São semelhantes a Judas, traidores que abrem mão de sua aliança com Deus por nada. Quando lemos o livro do profeta Zacarias, escrito no ano 487 a.C., nos deparamos com os vs. 11 e 12 onde Deus revelara esse valor através de seu profeta (ver também Jr 27:9,10). A pergunta perturbadora é: quanto Jesus vale para nós? Você estaria disposto a trair Jesus por quanto? Qual é o seu preço? Se 30 moedas de prata era um valor relativamente pequeno, quando dinheiro seria necessário para fazer de você um (a) Judas? Ou o prazer carnal? Bens materiais? Na verdade Judas vendeu foi a sua própria alma ao diabo por uma miséria. Ele é um daqueles tipos que tem a grande chance nas mãos e a desperdiça. E você, vai trair Jesus também? Vai ser um seguidor de Judas?

3 - ENTREGA
O terceiro aspecto que muito nos chama a atenção acerca da voluntariedade de Cristo, foi a sua entrega final no Getsêmani, para ser preso. Jesus estava com os discípulos no Jardim do Getsêmani (Mt 26:36) quando vem Judas e um pelotão de soldados para O prenderem. Ele vêm com tochas e armas, como se Jesus fosse alguém perigoso, ou temendo que os discípulos tentassem impedir que Ele fosse levado. O Evangelho de João 18:4-9 traz um relato impressionante da conversa de Jesus com aqueles homens:

18.4   Sabendo, pois, Jesus todas as coisas que sobre ele haviam de vir, adiantou-se e perguntou-lhes: A quem buscais?  18.5   Responderam-lhe: A Jesus, o Nazareno. Então, Jesus lhes disse: Sou eu. Ora, Judas, o traidor, estava também com eles.  18.6   Quando, pois, Jesus lhes disse: Sou eu, recuaram e caíram por terra.  18.7   Jesus, de novo, lhes perguntou: A quem buscais? Responderam: A Jesus, o Nazareno.  18.8   Então, lhes disse Jesus: Já vos declarei que sou eu; se é a mim, pois, que buscais, deixai ir estes;  18.9   para se cumprir a palavra que dissera: Não perdi nenhum dos que me deste.

Quando Jesus diz “Sou Eu”, diante de Seu poder, glória e majestade, os soldados recuaram e caíram por terra (vs. 6). No vs. 7 Jesus pergunta novamente “a quem buscais?” E se entrega nas mãos de seus inimigos. Nota-se que os soldados tiveram dificuldade se aproximar de Jesus, mas Jesus insistiu em entregar-se. Isso devido ao Seu poder, à Sua divindade. Mas mesmo tendo uma confrontação dessas com o poder de Deus aqueles soldados não desistiram de seu intento maligno. Há pessoas que têm tanta maldade nos corações que parecem não desistir de seu pecado mesmo diante da grandeza de Deus. Basta olhar para a natureza, o nascer do sol, a lua e as estrelas, uma flor, o sorriso de uma criança, para constatarmos a maravilhosa criação de Deus. Mas muitos O negam, semelhantes àqueles homens, mesmo diante de Suas obras.

JESUS AINDA CUROU O SOLDADO MALCO
Algo interessante demais aconteceu ali, conforme nos relatam os vs. 10 e 11.
18.10   Então, Simão Pedro puxou da espada que trazia e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita; e o nome do servo era Malco. 18.11   Mas Jesus disse a Pedro: Mete a espada na bainha; não beberei, porventura, o cálice que o Pai me deu?

Em um momento de bravura inusitada, Pedro decepou a orelha de um servo do sumo sacerdote chamado Malco. Jesus repreende a Pedro e cura o homem, colando a sua orelha do lugar novamente (Lc 22:50,51). O amor do Senhor é tão grande que até nessa hora ele curou um de seus opositores. Também não vemos esse Malco tomando uma posição por Jesus. Ele foi curado por Jesus e ainda assim O levou preso. Como pode o ser humano ter o seu coração tão endurecido pelo pecado?

Mas e Pedro? É o mesmo Pedro que horas depois negou Jesus três vezes (Mc 14:66-72). Graças a Deus Pedro arrependeu-se (vs.72b) e foi transformado, e quando procurado pelo próprio Senhor Jesus não hesitou em declarar o seu amor (Jo 21:15-19).

E até na hora de ser preso ele ainda defendeu os seus seguidores (vs.8b,9).

Jesus tanto amou que até na cruz intercedeu por seus inimigos quando disse:
“Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem.” Lucas 23:34.

CONCLUSÃO
É necessário que você ouça a voz de Deus em seu coração e atenda. De que lado você está? Nessa história linda, dramática e vitoriosa, qual é o seu personagem pessoal? A quem você se compara?

Judas? Há muitos que estão nos bancos das Igrejas e são verdadeiros Judas lá fora. Estão sempre dispostos a trocar Jesus por qualquer coisa. Parece que não hesitariam em trocar a sua fé por qualquer valor. Se não se arrependerem, o fim deles é trágico.

Pedro antes? São sempre cheios de altos e baixos. Num dia estão dispostos a morrer por Jesus, no outro dia O negam tantas vezes quantas for necessário para se sentirem seguros e aceitos pelo grupo.

Pedro depois? Pedro foi transformado e aquele que negara o Mestre tornou-se um dos pais da Igreja Primitiva, um verdadeiro herói da fé, um exemplo para todos nós.

A espontaneidade da Igreja deve ser entendida como elementar. Quem ama a Cristo deve agir voluntariamente, espontaneamente, sem ser forçado. É lógico que há momentos em que necessitamos de uma palavra de exortação e encorajamento, e assim despertamos de nossa tribulação.

A entrega de Jesus foi totalmente voluntária, espontânea, totalmente por amor. Como povo seu precisamos aprender com Ele essas grandiosas qualidades. E que ao tomarmos a Santa Ceia estejamos conscientes de que Ele fez tudo por amor, sem ser forçado a nada, espontaneamente, e que nós também devemos servi-Lo assim, muito mais sendo do que fazendo. E que a vida cristã não deve ser algo ruim ou forçado mas que devemos vive-la com alegria e espontaneidade, fazendo sempre o nosso melhor por Ele que tudo fez para nos salvar.


SOLI DEO GLORIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT