NAS TREVAS SEJAMOS LUZ


1 TIMÓTEO 1

“Transbordou, porém, a graça de nosso Senhor com a fé e o amor que há em Cristo Jesus.” 1 Timóteo 1:14.


Ser luz nas trevas é uma ordem de Jesus, está em Mateus 5:14-16. Essa não é uma missão das mais simples, exige de nós esforço e determinação. A confiança constante na soberania de Deus não causará jamais a acomodação e o descompromisso; pelo contrário, a fé em Deus nos move a sermos como Ele quer que sejamos. Ser luz nas trevas é ter compromisso, é fazer diferença, dar bom testemunho, ser modelo, exemplo e padrão de vida e comportamento perante um mundo que jaz em trevas.

Em se tratando de liderança, o modo prático de ser luz nas trevas é imitando o estilo de liderança cristão na visão do Apóstolo Paulo. Todo cristão, e todo líder cristão deve observar esses pontos, se desejar de fato ser luz nas trevas. Observemos o que o Apóstolo Paulo destacou como sendo essencial na sua vida como servo de Deus e líder. Esses elementos podem ser encarados como fachos de luz nas trevas.


A.    1:1 – recebeu um mandato de Deus. Ser luz é compreender que a obra na qual o crente está inserido não é de moto próprio, mas provém de um chamado e de uma ordenança divina.

B.    1:2 – “filho na fé”, mais que amizade, responsabilidade. Ser luz é desenvolver relacionamentos cristãos firmados em responsabilidades mútuas, formando filhos na fé que seguirão avante rumo ao crescimento e frutificação espiritual.

C.    1:12 – ser fortalecido em Deus. Ser luz é compreender sua constante necessidade de ser fortalecido no Senhor e na força de Seu poder, é reconhecer que sem Ele nada se pode fazer de um modo que Lhe agrade.

D.    1:12-13 – passar por uma constante transformação (metanóia). Ser luz é entender que há processo de iluminação em nós e através de nós, pela ação misericordiosa de Deus que opera em nós transformações positivas e pontuais, através do arrependimento.

E.    1:14 – depender da graça de Deus. Ser luz é saber que “se fora o Senhor que esteve ao nosso lado...” (Sl 124:1), nó estaríamos mortos. “Porque dEle, por meio dEle, e para Ele são todas as coisas”, “a graça de Deus é melhor que a vida”! Ser luz em nossa própria força é impensável. A graça de Deus é que faz a Luz divina brilhar em nós, vasos de barro, pecadores, imperfeitos, porém servos do Altíssimo, que nos redimiu, nos comprou e lavou com o Sangue precioso de Jesus Cristo.

F.    1:15 – ser sempre humilde. Ser luz é reconhecer sempre quem somos, pois do contrário seremos facilmente cooptados por nosso orgulho interior, nossa sede de poder, nossa ganância e pecaminosidade. Paulo não era falso, mas o que ele disse reflete o reconhecimento de que tudo que ele havia feito no passado, apesar de perdoado, deixara terríveis marcas na vida da Igreja. Reflete também o desejo de alguém que quer ser luz nas trevas, servindo e fazendo-se sempre o menor de todos.

G.    1:16 – ser um modelo. Ser luz é ser modelo, exemplo, padrão, forma para a vida das pessoas, em seu procedimento, palavras, atitudes e pensamentos. É saber que sempre tem alguém olhando para nós e querendo se espelhar em nós. É crer que um dia prestaremos contas a Deus se formos pedra de tropeço na vida de outrem. É querer que as pessoas nos imitem porque não temos nada a temer e imitamos a Cristo (1 Co 11:1). Em 1 Tm 4:12 Paulo trabalha um pouco mais essa questão, orientando Timóteo em seis áreas em que ele deveria ser modelo, e nós também:

I.    Palavra – o que sai da boca é o que contamina o homem (Mt 15:11), e a boca fala do que está cheio o coração (Mt 12:34). O que temos falado? E como temos falado? Você possui vícios de linguagem? Diz palavrões (Ef 4:29) e usa palavras de duplo sentido (Ef 5:4) como tantos o fazem? Mente (Ex 20:16; Jo 8:44b) e faz fofoca (Cl 3:8)? Cuidado! De toda palavra frívola daremos contas a Deus (Mt 12:36). E Deus abomina quem semeia contendas entre os irmãos (Pv 6:16-19). Que saiam de nossa boa somente palavras que edificam e que transmitem a graça de Deus (Ef 4:29). Ser luz é ser um exemplo no falar.

II.    Procedimento – nossas ações devem ser coerentes com nossas palavras, do contrário serão apenas palavras ao vento. Como é o nosso procedimento em vista da nossa teologia e doutrina? Qual o mérito de alguém conhecer tanta teologia e defender o uso do tabaco e do álcool? Tal pessoa é pior que o incrédulo, pois os eu proceder não condiz com aquilo que ele diz. Então o que ele diz não vale nada para ele, e o conhecimento que ele tem de Deus é tão superficial e inócuo que não produz nele procedimento. Ser luz é ser exemplo de vida em suas ações.

III.    Amor – o amor é o dom supremo, só isso! Deus É amor! Precisa dizer mais alguma coisa? A Bíblia nos ensina acerca do Caminho do amor, o Caminho sobremodo excelente. E esse Caminho tem nome: Jesus Cristo. Ele É o Caminho, e é através dEle, de Seus ensinamentos, exemplo e sacrifício que aprendemos o que é o amor. Ser luz é viver no amor de Deus e nesse amor brilhar.

IV.    Fé – sem fé é impossível agradar a Deus. A fé é um dom de Deus, um presente imerecido da parte dEle. A fé não é estática, ela pode crescer, mas pode também diminuir ao ponto de morrer. Mas pode ser ressuscitada se isso acontecer, pois “Deus é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o Seu poder que opera em nós”. A fé precisa ser alimentada e cuidada através da Bíblia e da oração. Fé bem nutrida é fé saudável. Fé mau nutrida vida heresia. Fé é poder e pode fazer grandes obras, ao ponto de remover montanhas, e a fé sem obras é morta. A fé em Deus é o maior tesouro que alguém pode ter e conduz à vida eterna, e todos quantos a enterrarem darão contas a Deus e serão lançados nas trevas. Ser luz é viver pela fé, jamais negando-a, mas assumindo-a diante de Deus e dos homens. É buscar fluir o poder que dela emana para a glória de Deus.

V.    Pureza. Ser puro é ser santo, ser limpo, ser separado e consagrado para Deus. Em um tempo de total inversão de valores e invasão do liberalismo, com todo o seu mar de lama adentrando templos e denominações, mentes e corações, vidas e lares, falar de santidade e pureza é comprar uma briga. E muitas vezes os que lutam pela pureza são afastados de seus locais de trabalho por pura força política dos que querem ocultar os seus pecados. Eles também darão contas a Deus no Dia do Juízo, e o seu dia já está chegando. Ser luz é ser modelo de pureza na vida, ainda que isso custe caro, e que o preço amargo da rejeição seja a resposta de tantos que amamos e que queremos iluminar.

VI.    Ser um modelo é ser luz nas trevas. O mundo jaz (está morto) no maligno, as trevas permeiam a Terra, os homens são escravos desse sistema mortal. Ser luz é ser diferente de tudo isso que se vê em nossa volta, espelhando o caráter de Cristo, refletindo a glória que provém dEle no meio das trevas.

Recomendações ao líder Timóteo

1:18 – combata o bom combate da fé, seja agressivo contra as trevas. Não seria fácil. As dificuldades estariam sempre à sua volta e ele teria que lutar, não contra pessoas, mas contra seres espirituais e pensamentos contrários à Sagrada Escritura.

1:19 – tenha sempre uma boa consciência diante de Deus que tudo vê. A onisciência divina deveria incomodar Timóteo para que ele se mantivesse dentro de uma esfera de mente sã, sem falsidades ou hipocrisias.

Conclusão

“Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão!” Mt 6:23.

Todo cristão, e todo líder cristão deve observar esses princípios, pois deles emana a bênção de Deus em seus empreendimentos. Construa a base de sua liderança nesses princípios, e assim serás luz nas trevas! Caminhe sempre na graça e na misericórdia de Deus. Não permita que o mal seja uma obstrução em sua vida, mas que todo empecilho à luz seja retirado de sua vida para que a luz que há em ti seja uma luz verdadeira e brilhe trazendo muitos que estão nas trevas para a luz.

Pr. Paulo Sergio Visotcky da Silva
Encontro de líderes FEUPA - PPIR
IPB Jardim da Glória 11/03/17
Soli Deo Gloria!!!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT