ENTENDENDO E VENCENDO O DIVÓRCIO

Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
IPB de Vila Gerti, S.C.Sul / SP
Culto de Louvor 17.02.13


TEXTOS BÁSICOS

MALAQUIAS 2:16; MATEUS 19:6
“Eu odeio o divórcio, diz o Senhor, o Deus de Israel, e o homem que se cobre de violência como se cobre de roupas, diz o Senhor dos Exércitos. Por isso tenham bom senso; não sejam infiéis.” Malaquias 2:16 (NVI).
"De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem." Mateus 19:6.


INTRODUÇÃO
O que está acontecendo com a família brasileira? No final do ano passado foi divulgado que o número de divórcios em 2011 foi de 351.153, número 45,6 % maior do que o registrado em 2010. A célula base da sociedade, a família, está em crise! Isso é constatado facilmente pelos números apresentados. O casamento foi instituído por Deus, e é o meio pelo qual famílias surgem dentro desses princípios estabelecidos por Deus.

EXPLICAÇÃO
“Uma característica do Livro de Malaquias é a grande importância que é dada ao tema da aliança. Há textos que apontam diretamente: a aliança com Deus (1:2-5); a aliança de Levi (2:5-9); a aliança dos pais (2:10); a aliança do matrimônio (2:14); e o Anjo da aliança (3:1). Malaquias fala a um povo desiludido, desanimado e cheio de dúvidas, cuja experiência não harmonizava com seu conhecimento das promessas gloriosas que Deus havia feito. A infidelidade dos sacerdotes influenciou o povo à profanação do nome e da aliança do Senhor (1:12; 2:10); deslealdade no matrimônio (2:14-16); e nos relacionamentos sociais e econômicos (3:5); profanação das ofertas e dízimos do Senhor (3:8-9). A menos que eles se arrependessem (metanóia = transformação, mudança de atitudes), estariam sob a maldição de Deus (3:7-12; Lv 26:14-46; Dt 28:15-68).” (BEG).

O Livro de Malaquias não é apenas uma chamada à fidelidade nos dízimos, mas uma chamada à vida integral com Deus, em todas as áreas da nossa vida. Nessa mensagem vamos adentrar na questão do divórcio, que já existia naquele período, e semelhante ao nosso tempo estava sendo praticado abusivamente, sem critérios, sem temor a Deus (“Não há nada de novo debaixo do céu”).

ARGUMENTAÇÃO
Isso trouxe a maldição de Deus sobre o povo. Eles tinham conhecimento da Lei de Deus, e mesmo assim insistiam em profana-la, profanando assim o nome do Senhor. O texto é claro em dizer que o Senhor odeia o divórcio.

1 – POR QUE O SENHOR ODEIA O DIVÓRCIO?

Vamos focar em duas áreas básicas.
 

1.1 – Banalização da família. O divórcio banaliza e desvaloriza essa instituição tão sagrada, destrói a família, destrói vidas. O divórcio (e tudo que causa o divórcio) denuncia ausência de fé e temor, e a infidelidade a Deus. Somente insensatos e loucos intentam andar em caminhos que Deus odeia. Ele mesmo ordenou: “O que Deus uniu não separe o homem” (Mt 19:6b). Porém, milhares de casais não ligam para o que Deus ordenou. Por isso agem insensatamente, caindo em pecado e maldição.

1.2 – Obra do diabo. O diabo trabalha arduamente para destruir tudo que Deus criou; a família é a instituição básica criada por Deus para o bem estar do ser humano, individual e socialmente. Deus ensina a integridade, amor, tolerância, amizade, união, casamento; o inimigo prega a falsidade, ódio, desunião e divórcio.  A Palavra de Deus nos alerta que ele veio para roubar, matar e destruir (Jo 10:10); que ele anda em nosso derredor rugindo com o leão, procurando alguém que possa devorar, isto é, destruir (1 Pe 5:8); que ele é astuto, enganador e mentiroso (Jo 8:44; Ap 19:20; 20:10). A separação e o divórcio são estratégias poderosas que o diabo tem usado para destruir o ser humano. Ele sabe que destruindo casamentos e lares, causará destruição, morte, infelicidade, traumas e feridas que poderão permanecer pela vida inteira. A sociedade ficará enferma com milhares de vidas destruídas e infelizes, que devido aos traumas, desilusões, dores e feridas da alma, estarão mais aptos a se afundarem no pecado, prostituição, orgias, homossexualismo, bebedices e drogas. Não é exatamente esse o “raio x” da sociedade moderna? A multidão de filhos sem pais, crianças, adolescente e jovens, entregues a todo tipo de devassidão, provam que a separação e o divórcio estão na base de todo um processo que se arrasta por uma vida inteira. Como diz uma música cristã: “Os filhos são os que sofrem mais, com a separação dos pais”. Apesar de todos os alertas e avisos de Deus, apesar dos números e danos constatados, o divórcio é uma triste realidade. Em todos os lugares nota-se o crescimento das separações e lares desfeitos, inclusive entre casais crentes.

É lógico que o divórcio não é o único problema do ser humano e da sociedade, mas certamente está na base de dezenas de outros problemas graves, que surgem e crescem a cada dia, como desdobramentos e ramificações do divórcio.

2 – POR QUE HÁ TANTOS DIVÓRCIOS HOJE EM DIA?
Certamente há muitas explicações em cada caso. Não queremos cometer nenhuma injustiça diante da dor de uma separação. Mas podemos entende a razão desse mal, constatado inúmeras vezes, no intuito de salvar e preservar os lares.

2.1 – Incompatibilidade de gênios. Muitos casais separam-se por causa de desentendimentos e brigas, não conseguindo mais suportar-se um ao outro e conviver no mesmo espaço juntos; é a chamada “incompatibilidade de gênios”.

O casamento não alicerçado em Cristo e em Sua Palavra, poderá não resistir às pressões do cotidiano. Quando tais pressões se avolumam não é incomum acontecer o divórcio. Isso também é uma forma de “dureza de coração”, pois do contrário haveria mais amor, diálogo, respeito, consideração, oração, perdão, entendimento, humildade e vontade de ceder. Muitos problemas seriam sanados, casamentos seriam fortalecidos e lares seriam restaurados. Mas, infelizmente, não é o que se vê com frequência.

2.2 – Vida financeira irregular. Muitos casais estão se separando por causa de dinheiro, casa, comida, bens... Muitos homens não estão se representando no lar. Se hoje em dia é até necessário que a esposa trabalhe (e isso é uma realidade), percebe-se que muitos homens não buscam, não correm atrás, parece que perderam o sonho, se um dia tiveram. Existem esposas que trabalham para sustentar um cônjuge preguiçoso, ou que “torra” o pagamento no bar. Em contrapartida, a esposa precisa ser ajudadora de seu esposo, a exemplo da mulher virtuosa de Provérbios, também na administração das finanças e dos bens no lar. Se existem maridos que não tem noção de sua responsabilidade como marido, existem esposas que sequer sabem pregar um botão. O dinheiro não é a base de tudo, nem a fonte da felicidade, mas será feliz se viver passando necessidade. O dinheiro não pode ser maldição, e sim bênção. Não o problema, mas a solução!

2.3 – Infidelidade conjugal. Essa é a grande causa de muitos divórcios. E a infidelidade cresce devido ao abandono dos valores morais instituídos por Deus, valores esse que sustentam o casamento e a família. Em Mateus 19:8-9 Jesus “autorizou” o divórcio em casos de infidelidade, por causa da “dureza do coração”. Sempre será possível fugir desse pecado, basta lembrarmos o exemplo de José do Egito. Lembre-se que José “pagou o preço” de sua fidelidade a Deus. Se ser fiel a Deus tem um preço, qual é o preço que devemos pagar para não cairmos?

Uma das causa da infidelidade conjugal, é que muitos relacionamentos estão sendo construídos sobre a base frágil e superficial da paixão e da atração física. A palavra “paixão” é mal interpretada por muita gente que pensa que sabe o que ela significa. Segundo o Dicionário Michaelis: “1 Sentimento forte, como o amor, o ódio etc. 2 Movimento impetuoso da alma para o bem ou para o mal. 3 Mais comumente paixão designa amor, atração de um sexo pelo outro. 4 Gosto muito vivo, acentuada predileção por alguma coisa. 5 A coisa, o objeto dessa predileção. 6 Parcialidade, prevenção pró ou contra alguma coisa. 7 Desgosto, mágoa, sofrimento prolongado. 8 Os tormentos padecidos por Cristo ou pelos mártires.”

Se um casamento existir em função da paixão, ou do sexo, está fadado à ruína. O verdadeiro sentimento de amor é forte e duradouro, repleto de bons frutos (1 Co 13).

CONCLUSÃO - COMO VENCER ESSA ONDA DE SEPARAÇÕES E DIVÓRCIOS?

Deus precisa ser Quem une o casal e a família como um todo. Semelhante a uma "supercola" que une as partes, tornando-as uma só peça, Deus une os casais que a Ele se achegam, fortalecendo os laços de amor, e mantendo o casamento vivo e firme. Esse é o sentido de Mateus 19:6, pois se Deus uniu o casal, nada poderá separa-los, exceto o próprio Deus, quando recolher o seu servo, ou serva. Esse é o voto feito no altar: fidelidade tanto na saúde quanto na doença, na alegria e na tristeza, nos momentos bons e maus. Casamento feliz não é a dois, mas a três: marido, esposa, e Cristo unindo e ajudando-os a manter firme a aliança feita no altar.

Se o seu casamento está em crise, você precisa pedir a Deus que Ele seja a base do seu matrimônio. Deus tem o antídoto para que o seu casamento dê certo. Siga Seus conselhos e assim seu casamento não estará “em crise”, mas “em Cristo”! 





Material de apoio: BEG - Bíblia de Estudo de Genebra.

SOLI DEO GLORIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

JOSIAS, UM REFORMADOR EM SEU TEMPO