NÃO SE DETENHA!

Por: Rev. Nelson França

“Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.” Salmo 1:1. 


Um conhecido cantor, certa vez, fez a seguinte declaração: “quando eu morrer não quero ir para o Céu; quero ir para o inferno, lá é mais alegre”.

Penso que declarou isto, considerando somente o caminho, e não o destino. Pois, sem considerar o destino final, que é a perdição, morte eterna, este caminho é, de fato, o mais atraente, ao homem sem Deus.

O caminho dos pecadores é sem dúvida a opção da maioria. Nele o conselho dos ímpios, que promove “soluções fáceis para problemas difíceis” é aprovado. Jesus mesmo declarou que tal caminho é espaçoso (Mateus 7:13). Isto é, há folga, não há tantas placas de proibições, restrições, limites, e o ser humano gosta disto!

Estas coisas e muito mais, têm levado grande número de pessoas a se deterem nesse atraente caminho. Algumas delas alegam deter-se nele só para “observar”; outras, para experimentar, mas “só um pouquinho”.

Mas, um grupo dos que se detém nesse caminho, manifesta uma reação curiosa, pois aparentemente não quer permanecer nele, porém, além de deter-se para “só observar” ou “só experimentar um pouquinho”, também, procura de algum modo levar consigo, algumas das práticas, idéias e conceitos.

O fato, é que o caminho dos pecadores e seus transeuntes sempre atraíram a atenção dos justos (aqueles que crêem em Jesus). Alguns destes, ainda confusos, se perguntam: porque não aproveitar algumas “boas coisas” do velho caminho? O salmista Asafe, por exemplo, chegou a invejar os arrogantes (Sl 73:2-3). Nos dias do profeta Malaquias, o povo admirava os ímpios (Ml 3:15).

Enfim, o caminho dos pecadores, pode até, no momento presente, parecer mais atraente e alegre, mas, não se iluda ele conduz à perdição.

O Rev. Nelson é pastor da IPB de Praia Grande  / SP.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

JOSIAS, UM REFORMADOR EM SEU TEMPO