SOBRE CAMELOS E MOSCAS

Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
3ª IPB de Barretos / SP
Pastoral 16.01.11

“Guias cegos! Que coais o mosquito e engolis o camelo.”  Mateus 23:24.

A repreensão de Jesus é notória... Os escribas e fariseus tinham conhecimento da Lei de Deus, mas parece que tal conhecimento era, em grande parte apenas em teoria e não de coração. Por isso Jesus os repreendeu chamando-os de “guias cegos”. Como pode um cego guiar outro cego sem que ambos caiam numa cova? (Mt 15:14).

O vs.23 mostra que esses homens eram rigorosos em assuntos importantes da Lei, porém secundários, como o dízimo das mais pequeninas rendas (hortelã, endro e cominho), e omitiam o que havia de mais importante na Lei: a justiça, a misericórdia e a fé. Jesus usou a figura dos insetos, que além de anti-higiênicos, eram considerados imundos cerimonialmente, o que explica o fato dos judeus evitá-los. O ato de coar era usualmente feito com um pedaço de linho ou gaze. O camelo também era considerado imundo. Partindo desse fato foi que Jesus extraiu essa ilustração. O camelo era o maior animal imundo que os judeus conheciam, e o mosquito era o menor. “Engolir” ou “devorar” um camelo era uma hipérbole – figura que diminui ou engrandece exageradamente o sentido das coisas. Foi no sentido figurado, e não literal, que Jesus usou essa linguagem para ilustrar a realidade daquela situação. Uma curiosidade é que Jesus fez um trocadilho com as palavras "mosca" e "camelo", que em aramaico soam de modo semelhante.

Trazendo para o nosso contexto, fico a me perguntar quantas e quantas vezes nós agimos semelhantemente, ao condenarmos erros menores e admitirmos os maiores e mais avassaladores. Não precisamos ir muito longe, o próprio texto nos esclarece quais são os pontos mais importantes da Lei de Deus – justiça, misericórdia e fé. Aqui Jesus expôs o que está por dentro, no interior da Lei, o “espírito”, ou o sentido mais profundo e inerente da Lei de Deus. Esse sentido jamais passará, pois revela qual é a vontade e o caráter do próprio Senhor Deus.

Que possamos ter o discernimento necessário para “fazer essas coisas sem omitir aquelas” (vs.23b). Significa que devemos praticar toda a vontade de Deus, seja nas coisas grandes como nas pequenas. E não sejamos como guias cegos, que valorizam as coisas menores em detrimento das maiores, e se esquecem que o primordial na vida cristã é a prática da justiça, da misericórdia e da fé.

Material de apoio: “O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo”.

Comentários

  1. Assim deve ser pregada a Palavra expositivamente!

    Gosto de vir a esse blog por isso!

    ResponderExcluir
  2. Valeu irmão, seja bem-vindo sempre! E obrigado pela força. S.D.G.!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

FIQUE A VONTADE, DEIXE SEUS COMENTÁRIOS!!!

Obs: comentários serão bem-vindos se forem educados e não usarem termos ofensivos. Podemos discordar, mas vamos procurar manter o nível da educação e do respeito. Obs.: ao comentar identifique-se, pois não publicamos comentários anônimos.

Best regards in Christ, God bless you!!!

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

IPB EM FOCO - SIMONTON E AS BASES DO PRESBITERIANISMO NO BRASIL