CONTRASTES E SEMELHANÇAS

“E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito.” 
Efésios 5:18.

A plenitude do Espírito tem uma semelhança superficial com a embriaguez. Uma pessoa embriagada está sob o poder do álcool. Ela fala e age sob a influência da bebida, perde a inibição e se torna ousada quando cheia do álcool. Assim, o indivíduo cheio do Espírito Santo também fala e age sob a influência do Espírito. Ele é governado pelo Espírito.

Mas a plenitude do Espírito Santo tem um contraste profundo com a embriaguez. O álcool é um depressivo e não um estimulante. É um ladrão de cérebro. O álcool induz a uma vida dissoluta. O Espírito traz discernimento e santidade. Se uma pessoa bêbada perde o controle, o fruto do Espírito é o domínio próprio.

Paulo condenou a embriaguez e também a ausência da plenitude do Espírito Santo. Se não estivermos cheios do Espírito Santo estaremos cheios de nós mesmos ou até mesmo cheios de pecado. Não estar cheio do Espírito é pecar contra Ele, é entristecê-Lo, é apagá-Lo, é desobedecê-Lo.

Ore
Eterno Deus, sem a plenitude do Teu Espírito a Igreja pode ter dinheiro, ricos templos e larga influência política, mas não abalará as portas do inferno. Dá-nos, oh Pai celestial, a plenitude de Teu Santo Espírito! Em nome de Jesus, amém.

Cada Dia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

IPB EM FOCO - SIMONTON E AS BASES DO PRESBITERIANISMO NO BRASIL