A MORTE SUBSTITUTIVA DE CRISTO

Hoje, sexta-feira da Paixão, muitos cristãos, mundialmente recordam a entrega que Jesus fez, de Sua própria vida, na cruz do Calvário. Mas nem todos compreendem perfeitamente o que isso significa.  Afinal de contas, por quem Jesus morreu mesmo? 
Para entendermos melhor o aspecto substitutivo do sacrifício de Cristo, precisamos saber o que significa a palavra EXPIAÇÃO na Bíblia
Isso é essencial, pois o entendimento e a crença nessas verdades eternas há de produzir mudanças e transformações na vida de quem for possuidor dessa fé, como um sinal visivelmente lúcido. 
Em um tempo de tanta aridez espiritual, tanta religiosidade vazia, tanta idolatria e materialismo, esses sinais são os frutos determinantes e que distinguem os que verdadeiramente crêem nEle, daqueles que professam uma religião fria e vazia. Em um tempo em que ser cristão é tão comum e superficial, qual tem sido a nossa posição? Leia o artigo abaixo e reflita.

Expiação (por Brian M. Schwertley)


O aspecto central do sacrifício de Cristo é a expiação. Jesus se ofereceu sobre a cruz como um sacrifício para expiar ou remover a culpa dos nossos pecados. Quando João o batista viu Jesus se aproximando, ele proclamou: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (Jo 1.29). Paulo disse à Igreja de Éfeso que Cristo “se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave” (Ef 5.2). Começamos com a expiação porque todos os outros elementos (propiciação, reconciliação e redenção) da nossa salvação abrangente procedem logicamente do sacrifício expiatório de Cristo. “É pela expiação que a propiciação, reconciliação e resgate acontecem. Uma vez que o nosso pecado e culpa é removido, a ira e alienação de Deus, e nosso cativeiro à lei, pecado e Satanás são removidos”. [12] “A ideia da expiação é a remoção da dívida oriunda do pecado. O sacrifício é a provisão por meio da qual essa dívida é removida – é o suportar substitutivo da penalidade e a transferência da dívida do oferecedor para o sacrifício”. [13]

Para entender o aspecto expiatório do sacrifício de Cristo, devemos ter algum entendimento do sistema sacrificial do Antigo Testamento. Precisamos desse entendimento por várias razões. Primeiro, o sistema sacrificial do Antigo Testamento tipificava a obra redentiva de Cristo (Cl 2.17; Hb 9.23-24; 10.1). Os autores do Novo Testamento, escrevendo sob inspiração divina, aplicaram termos do sistema sacrificial do Antigo Testamento a Jesus Cristo. Segundo, as descrições detalhadas das ofertas levíticas podem lançar luz sobre a terminologia do Novo Testamento. Os autores do Novo Testamento com frequência não entraram em grande detalhe com respeito aos termos do sacrifício que aplicaram a Cristo porque assumiram o fundamento da revelação do Antigo Testamento. Portanto, à medida que examinarmos o sacrifício de Cristo, precisaremos usar tanto o Antigo como o Novo Testamento. A Escritura é o melhor intérprete de si mesma.
 
Notas:
[12] Robert A. Morey, Studies In The Atonement, pp. 44-45.
[13] John Murray, The Atonement, p. 13.

Fonte: The Atonement of Jesus Christ
Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto

Extraído de Monergismo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT