Porque Jesus Suportou a Cruz


“Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o Qual, em troca da alegria que Lhe estava proposta, suportou a Cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus.” Hebreus 12:2.

O caminho que conduz à alegria é árduo. É difícil para nós; mas foi muito mais difícil para Jesus. Custou-Lhe a Sua vida, e pode custar-nos o mesmo! “Em troca da alegria que estava proposta, Jesus suportou a Cruz”. Primeiro Ele sofreu a agonia da Cruz, para depois experimentar o êxtase do Céu. Não havia outro jeito. A alegria que estava diante dEle tinha diversos níveis. Era a alegria de Se reunir com o Pai: “Na Tua presença há plenitude de alegria, na Tua destra, delícias perpetuamente” (Sl 16:11). Era a alegria de triunfar sobre o pecado: “Depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-Se à direita da Majestade, nas alturas” (Hb 1:3). Era a alegria da restauração dos direitos divinos: “Jesus [...] está assentado à destra do trono de Deus” (Hb 12:2). Era a alegria de ser cercado de louvores de todas as pessoas pelas quais Ele morreu: “Haverá maior júbilo no Céu por um pecador que se arrepende” (Lc 15:7). O que dizer de milhões? E quanto a nós? Ele entrou em alegria e nos deixou a miséria? Não! Antes de morrer, Jesus fez a ligação entre Sua alegria e a nossa. Disse: “Tenho lhes dito estas coisas para que a Minha alegria esteja em vocês, e a Minha alegria seja completa.” (Jo 15:11 NAA). Ele sabia o que seria Sua alegria, e disse ainda: “Minha alegria estará em vocês”. Nós, que confiamos em Cristo, nos regozijaremos com tanta alegria de Jesus quanto criaturas finitas possam experimentar. Mas o caminho será difícil. Jesus avisou: “No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; Eu venci o mundo” (Jo 16:33). “O discípulo não está acima do seu Mestre, nem o servo está acima do seu Senhor. Basta ao discípulo ser como o seu Mestre, e ao servo ser como o seu Senhor. Se chamaram o Dono da casa de belzebu, quanto mais os membros da Sua casa!” (Mt 10:24-25 NAA). “Sereis entregues [...] e matarão alguns dentre vós. De todos sereis odiados por causa do Meu Nome.” (Lc 21:16-17). Foi esse o caminho que Jesus trilhou, essa é a estrada da verdadeira alegria, Sua alegria triunfal em nós, e nossa plena alegria. Da mesma forma como a esperança da alegria proposta deu a Jesus forças para suportar a Cruz, nossa esperança de alegria nos capacita a sofrer com Ele. Jesus nos preparou para isso quando disse: “Bem-aventurados sois quando, por Minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos Céus.” (Mt 5:11-12). Nossa recompensa será nos deleitarmos em Deus, com a alegria que o Filho de Deus tem em Seu Pai Eterno. Se Jesus não tivesse morrido voluntariamente, nem Ele nem nós poderíamos ser felizes para sempre. Ele teria sido desobediente. Nós teríamos perecido em nossos pecados. Sua alegria e a nossa foram comparadas na Cruz. Agora nós o seguimos no Caminho do amor. Consideramos “[...] que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós.” (Rm 8:18b). Agora sofremos com Ele a injúria, mas então haverá alegria sem limites. Qualquer risco requerido pelo amor nós suportaremos. Não com a força de heroísmo nosso, mas na força da esperança, “Porque a Sua ira dura só um momento, mas o Seu favor dura a vida inteira. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.” (Sl 30:5 NAA). 

Autor: John Piper (adaptado). NAA – Nova Almeida Atualizada.

Comentários