JESUS O CORDEIRO, REI SALVADOR


ISAÍAS 52:13-53:12

“Quem creu em nossa pregação? E a quem foi revelado o braço do SENHOR?” Isaías 53:1.

A Palavra de Deus nos apresenta de modo magistral, a vinda do Messias nesse texto sagrado do Profeta Isaías. Ele que viveu cerca de 700 anos antes do nascimento de Cristo, é considerado por muitos estudiosos e teólogos como o “evangelista do Antigo Testamento”, dada a quantidade de textos em que a vinda do Senhor Jesus e Sua obra são apresentados. Aqui mesmo, o sacrifício, morte e ressurreição do Senhor são descritos em detalhes, minuciosamente, e a obra da expiação, redenção e justificação são reveladas. O presente texto foi escrito 700 anos a.C., como a Palavra de Deus é maravilhosa, Deus Se revela através de Sua santa e bendita Palavra!

Aqui Jesus é apresentado como o Cordeiro de Deus, o Rei que Se sacrificou em nosso lugar. Abra o seu coração e verifique, constate a obra que Ele fez para te salvar e te conduzir aos Céu.

1 – Jesus Se humilhou, sofreu
“Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; Homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de Quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dEle não fizemos caso. ” Isaías 53:3.

O sofrimento a que Cristo Se submeteu é de magnitude inimaginável. O que Ele passou para nos trazer a redenção vai muito além de nossa capacidade de raciocínio e entendimento, pois Ele estava cumprindo as exigências da Lei de Deus, pagando por nossa salvação, expiando a nossa culpa, levando sobre Si todas as iniquidades de todos os eleitos de todas as épocas e gerações antes e depois dEle. Ali na Cruz, Deus O moeu em nosso lugar (Is 53:5,10) e isso foi necessário para que pudéssemos ser salvos. O Senhor Jesus submeteu-Se a tudo isso, O Seu sofrimento precisa ser compreendido, do contrário haverá naturalmente um desprezo por tudo que Ele fez. Essa é precisamente uma das grandes causas do esfriamento espiritual da Igreja de nossos dias. Se o que Jesus fez não tem valor, o Seu sacrifício, o Sangue vertido e todo sofrimento é menosprezado em vidas cheias de pecado, podridão e morte. 

Não rejeite o sofrimento de Jesus por você! Jesus sofreu física, moral, emocional e acima de tudo espiritualmente. O desprezo pelo qual nosso Mestre passou é retratado intensamente em Isaías 53 no vs. 3. O Rei que Se desfez de Sua honra e glória veio para ser humilhado, aviltado, ameaçado, ultrajado, até chicoteado, cuspido, pregado na Cruz. Você já se perguntou por que Ele fez tudo isso? Qual foi o objetivo de toda aquela dor? As nossas almas! Sim, ele fez tudo isso por amor à nossas almas, para que não fôssemos lançados no inferno de fogo por toda a eternidade. Na Cruz Jesus pagou o preço da nossa redenção, o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e por Suas pisaduras fomos sarados. As dores que Ele sofreu são de extensão e intensidade inimagináveis, pois era o próprio Deus encarnado sendo torturado até a morte, de todas as formas, levando na Cruz toda a nossa culpa, castigo e dor. O Deus Criador e Senhor do Universo, quis pagar o preço da nossa redenção, satisfazendo assim completamente a justiça de Deus, cumprindo a Lei de Deus e justificando o Seu povo de suas iniquidades.

Não reconhecer o sofrimento de Jesus é viver à margem da vida que Ele quer que vivamos, em Sua presença. Ele quer isso para o nosso bem, pois ao nos aproximarmos dEle, por meio de Sua graça, somos mais e mais transformados e fortalecidos nEle e em Seu poder (Ef 6:10). É maravilhoso desfrutar dessa graça diariamente, vivendo aos Seus pés, sabendo sempre que foi através de Sua dor, sofrimento e morte, que recebemos vida nova, vida eterna em Seu nome, salvação, paz, felicidade real ao lado dEle, sendo abençoados e fortalecidos por Ele mesmo. Glórias ao nome do Senhor! Rejeitar o Seu sacrifício e dor, é rejeitar o Seu amor e salvação, e não outro meio de salvação. Entregue a sua alma a Jesus e seja salvo do inferno!

2 – Jesus Se entregou, morreu
“Certamente, Ele tomou sobre Si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre Si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas Ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas Suas pisaduras fomos sarados. ” Isaías 53:4-5.

Jesus foi até o fim, espontaneamente, voluntariamente. Ninguém O forçou a nada, Ele quis fazer isso e fez (João 10:17-18). Ele levou sobre si os nossos pecados e dores, nossas enfermidades espirituais. Não só as enfermidades físicas, mas principalmente as espirituais. Ainda que Deus nos curasse de todas as doenças físicas, as doenças espirituais nos levariam à morte eterna. Na Cruz Ele levava muito mais do que doenças do corpo, levou as doenças espirituais do pecado, pagando o preço da nossa redenção, expiou as nossas culpas abrindo para nós o Caminho da salvação e da vida eterna. Mas tomou sobre Si as enfermidades físicas também, pois na glória celestial não haverá mais nenhuma doença em nós, lá teremos um corpo perfeito e glorificado.

Ele foi perfurado não por simples pregos, cravos, uma simples coroa de espinhos e uma lança, foi muito mais que isso: foram os nossos pecados e transgressões que O traspassaram, nossas iniquidades que O moeram e fizeram-No enfermar até a morte. O Deus perfeito, eterno, soberano, cheio de glória e justiça, submeteu-Se à dor da própria morte, e morte de Cruz, para que pudéssemos ser salvos. Por Suas pisaduras (ferimentos e chagas abertas) nós fomos sarados, libertos e salvos de nossas próprias culpas e da condenação eterna. Seu Sangue foi vertido naquela rude Cruz, que se tornou um altar em que Ele, o Cordeiro perfeito de Deus foi imolado. Deus tanto nos amou que deu o Seu Filho Unigênito para morrer em nosso lugar (Jo 3:16). Ele veio espontaneamente, voluntariamente, amorosamente. Jesus nos amou na eternidade, dispondo-Se para vir e morrer por nós. Como escaparemos nós se negligenciarmos tão grande salvação? (Hebreus 2:3).

Jesus morreu mesmo! E foi por amor! Não pense jamais que o que Jesus passou foi um “faz de conta”, Ele sofreu e morreu de verdade! Lucas relata aquele momento: “Então, Jesus clamou em alta voz: Pai, nas Tuas mãos entrego o Meu Espírito! E, dito isto, expirou. ” Lucas 23:46. Como entender isso? Como compreender que o Deus encarnado, o Messias, o Verbo vivo de Deus possa ter morrido por nós, meros pecadores? Foi por amor! Foi somente por nos amar que Ele Se encarnou, viveu em santidade todos os Seus dias, pregou a Palavra, testemunhou, venceu as tentações, jamais pecou, foi fiel até a morte, entregando-Se em um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, morreu, foi sepultado, desceu ao inferno (1 Pe 3:19; Ap 1:8), e ressuscitou ao terceiro dia, vencendo a morte, o diabo, demônios, o inferno, principados e potestades, provando que Ele É Deus bendito eternamente, amém! Observe o Credo Apostólico, cuja autoria, segundo a tradição da Igreja, é atribuída aos primeiros irmãos, desde os primórdios da Igreja Primitiva, como um meio de preservar os pontos doutrinários da fé cristã.

“Creio em Deus Pai, Todo-Poderoso, Criador do Céu e da Terra. Creio em Jesus Cristo, Seu único Filho, nosso Senhor, o Qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu ao Hades; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu; está sentado à direita de Deus Pai Todo-poderoso, donde há de vir para julgar os vivos e os mortos. Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja Universal; na comunhão dos santos; na remissão dos pecados; na ressurreição do corpo; na vida eterna. Amém. ” 

Jesus morreu para nos dar vida, Ele se desfez de Sua glória e majestade, morrendo na Cruz para que pudessem ter assegurada a vida eterna todos aqueles que nascessem de novo, convertendo-se a Ele em arrependimento e fé (Mc 16:16).

3 – Jesus venceu, Se alegrou!
“Ele verá o fruto do penoso trabalho de Sua alma e ficará satisfeito; o Meu Servo, o Justo, com o Seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniquidades deles levará sobre Si. Por isso, Eu Lhe darei muitos como a Sua parte, e com os poderosos repartirá Ele o despojo, porquanto derramou a Sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre Si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu. ” Isaías 53:11-12.

Finalmente, o nosso Rei venceu a morte e ressuscitou. A ressurreição de Jesus é apontada pelo profeta Isaías nos versículos acima. Ele venceu, viu e vê o fruto do difícil e sofrido trabalho de Sua alma na vida da Igreja, na vida dos eleitos que creem nEle, O amam e servem. A ressurreição de Jesus foi anunciada, profetizada, predita, e é um referencial de Sua divindade, pois se Ele não houvera vencido a morte não seria Deus (Os 13:14). Essa é a grande e irrefutável prova de Quem Ele É, pois ser humano algum ressuscitou, exceto Jesus. Mas como Deus e Senhor que Ele É, venceu a morte e ressuscitou. A morte não poderia jamais detê-Lo, Ele que é a própria vida!

“Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? ” 1 Coríntios 15:54b-55.

Ao terceiro dia a pedra se moveu e Jesus saiu da sepultura vivo, vencedor, subiu aos Céus, foi recebido em glória, assentou-Se à destra do Pai, onde vive e reina cheio de glória e poder infinitos, intercedendo por nós ao Pai (Rm 8:34; 1 Jo 2:1), governando Céus e Terra, mundos e submundos, planetas e galáxias, e o Universo cabe em Suas mãos! Aleluia, esse é o nosso Senhor Jesus!

Jesus Cristo É vencedor, Ele venceu o mundo, o diabo, os demônios, principados e potestades; venceu a falsa religiosidade, o farisaísmo, os traidores e falsos irmãos, Pilatos e todo império romano de morte; venceu a Cruz, seu desprezo, vitupério, dor, vergonha, sofrimento; venceu a própria morte e ressuscitou. E assim como Ele ressuscitou, nós também ressuscitaremos um dia (1 Co 15:50-53). Isso é maravilhoso de se pensar e esperar, dá-nos uma nova perspectiva de enfrentamento dos problemas da vida, não olhando mais para as coisas dessa Terra, mas com os olhos fitos em Cristo, nosso Senhor e Salvador (Hb 12:1-3).

A pergunta que não quer calar é: tenho eu dado alegria ao Senhor que tanto sofreu por mim? O texto sacro afirma que Ele ficará satisfeito com o que vai ver, mas será que a Igreja tem dado a Ele essa satisfação? A Igreja moderna tem esse povo em seu meio, mas o alerta de Isaías 43:24 é para que cada crente se avalie diante dessa Luz que emana do trono de Deus e Sua Palavra.

Como temos vivido nesse tempo que precede a volta do Rei?

CONCLUSÃO - Como temos vivido?

A vida do crente precisa ser sintonizada com a obra de Jesus, onde nosso viver é um sacrifício agradável a Ele, sofrer por ele pela fé, é uma honra, a vida cristã é vivida em vitória sobre a carne, o mundo e o diabo, a morte já não é um vilão, não mete medo em nós, mas é uma passagem para a glória eterna, e a ressurreição começa a ser vivida aqui mesmo. Esse processo de restauração e glorificação começa a partir do momento em que se concretiza o novo nascimento na vida do crente. Ali Deus lhe concede um novo coração, o Espírito Santo vem habitar em seu espírito, e uma nova natureza começa a surgir na vida deste que se arrependeu e recebeu o Cristo vivo como seu Senhor e Salvador. Ora, para quem está em Cristo, a vida já não é mais a mesma de quando não O conhecia. Afinal o novo nascido tem uma experiência pessoal com a obra completa que Cristo efetuou, sofrendo e morrendo na Cruz, e vencendo a morte na ressurreição. Quem nasceu de novo e aguarda novos Céus e nova Terra onde habitam justiça, obra de Cristo, sob o poder de Deus Pai e na unção do Espírito Santo, não vive longe dEle. Jesus é vivo na vida do crente, Ele o fez nascer de novo, como um prenúncio da ressurreição eterna que se completará um dia. A obra que Ele realizou é uma obra de vitória sobre a morte, por isso a vida do crente é também assim, vivida em perspectiva de vitória sobre a morte, e não de derrota. O salário do pecado é a morte (Rm 6:23), viver no pecado é a própria morte em vida. 

A Igreja do século 21 passa por uma crise que seria catastrófica, se o Senhor não estivesse no controle de tudo. Mas o que nos aquieta o coração é saber que Ele É soberano. O que vemos hoje é uma heterogeneidade dentro da própria Igreja, uma mistura e confusão de valores e doutrinas, igrejas que na verdade são seitas, vidas destroçadas pelo pecado, com a Bíblia na mão e não no coração. O mal invadiu nossos arraiais e muitos já não creem no novo nascimento. Este assumiu a postura da mera religiosidade, como se bastasse ser batizado e fazer sua Profissão de Fé para ir para o Céu. Nos tornamos semelhantes aos católicos romanos em algumas doutrinas, muito religiosos e cada vez menos cristãos. Mas apesar de tantas constatações que apontam para a apostasia e a volta de Jesus, Deus está governando cada momento da história, e isso traz paz ao nosso coração, ainda que tenhamos que ver o anticristo reinando na Terra, ainda que sejamos perseguidos pela besta e pelo falso profeta, ainda que tenhamos que sofrer os horrores da grande tribulação, não nos corromperemos, não negociaremos nosso coração nem a comunhão com o nosso Rei, ficaremos de pé, servindo-O até o fim, guardando a nossa fé.

Louvado seja o nome do Senhor, que venceu, ressuscitou, vive e em breve voltará. Ele vem fazer a separação do joio e do trigo, Ele julgará toda a Terra, julgará o mundo com justiça e os povos com equidade e justiça, conforme a Sua fidelidade. Aguardamos com alegria, fé, serenidade e resignação, aquele dia glorioso em que subiremos nas nuvens e entraremos na Jerusalém celestial, veremos o Senhor, O louvaremos e O adoraremos eternamente, andaremos nas ruas de ouro, contemplaremos a Sua glória, a glória celestial nos será comum, veremos os anjos, os serafins, os vinte e quatro anciãos, os patriarcas, profetas e apóstolos que lá estão na glória! 

Aguardamos esse dia em que Ele virá! Volta logo Senhor Jesus!

Por: Pr. Paulo Sergio Visotcky da Silva
IPB de Brasilândia, culto vespertino 10/07/16.

SOLI DEO GLORIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

IPB EM FOCO - SIMONTON E AS BASES DO PRESBITERIANISMO NO BRASIL