O PODER MARAVILHOSO DO PERDÃO


“Assiste-nos, ó Deus e Salvador nosso, pela glória do Teu nome; livra-nos e perdoa-nos os pecados, por amor do Teu nome.”  Salmos 79:9.

A maior dádiva de Deus para o homem, sem dúvida alguma, é o perdão dos pecados deles. Quando o ser humano, humildemente pede a Deus o perdão de seus pecados, conforme lemos no versículo acima, já ocorreram algumas ações soberanas e silenciosas de Deus naquele coração.

- Conscientização de que é um pecador;
- Arrependimento de seus pecados (metanóia);
- Fé para crer no amor e no perdão de Deus;
- Desejo de orar pedindo o perdão com sinceridade;
- Disposição para mudar de atitude (“vá e não peques mais” João 8:11).

O Senhor é um Deus de amor e graça, tem prazer em perdoar, sara e cura as nossas feridas, e nos liberta do jugo do pecado. Por isso que Ele nos exorta:

“Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao SENHOR, que Se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque É rico em perdoar.”  Isaías 55:7.

O perdão de Deus opera transformação de vida, é o que nos diz o texto de Isaías. Quem recebe o perdão dos pecados verdadeiramente é transformado, e ocorre o milagre da conversão. Isso por si só já é maravilhoso. Mas notemos que a Palavra de Deus fala-nos no imperativo: “deixe”, “converta-se”, “volte-se”.

Orar e confessar a fé não vale nada se do íntimo não ocorrer uma transformação na vida daquele que recebe o perdão de Deus. É necessário que os caminhos de perversidade sejam abandonados, que os pensamentos de iniqüidade sejam renegados, que haja uma conversão verdadeira, uma transformação real operada, orquestrada pelo próprio Deus agindo na vida do pecador arrependido.

E todos que são alcançados por esta graça maravilhosa são presenteados com a maior dádiva de todas que o ser humano poderia experimentar: o perdão de Deus. O perdão de Deus nos aproxima dEle mesmo, nos lavando e purificando, nos renovando e conduzindo para uma vida ao lado do Pai celestial. Esse é o poder maravilhoso do perdão.

Mas existe uma segunda parte, um desenrolar, ou desencadeamento de ações e efeitos causados pelo poder que emana do perdão de Deus: os que foram perdoados são conclamados a perdoar também.

“(...) e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores” Mateus 6:12.

Ao fazermos a Oração do Pai Nosso, não podemos simplesmente fechar a boca nessa parte. E se essa oração é um modelo de como devemos viver (não só orar), então aprendemos algo tremendamente importante aqui. A nossa dívida com Deus não é outra senão a dívida de nossos pecados. Ao sermos perdoados por Deus temos a nossa dívida completamente “zerada”, isto é, Deus apaga completamente nossos pecados. No entanto fica muito claro aqui também que se não perdoarmos nossos devedores tampouco nossos pecados serão perdoados. É a explicação de Jesus nos vs. 14 e 15.

“Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas.” Mt 6:14-15.

Esse também é o teor da Parábola do Credor Incompassivo (Mt 18:23-35).

Paulo, o Apóstolo dos gentios, que fora perseguidor mortal dos cristãos, agora perseguido pelos judeus, exorta:

“Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também. E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição. E a paz de Deus, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos.” Colossenses 3:12-15.

Paulo fora perdoado por Cristo, e sabia do valor e do poder do perdão, não só para ser lavado, remido, comprado e perdoado pelo Senhor, mas também para ser praticado e vivido como o oxigênio da alma.

É bom receber o perdão de Deus, mas temos de fato perdoado nossos devedores? Será que a mágoa não permanece dentro de seu coração? Se permanecer, é porque não ocorreu o perdão verdadeiro. O crente verdadeiro não consegue viver sem perdoar seus devedores, porque é como uma ferida que dói e fica a atormentar a alma.

Chegue-se a Deus e abra seu coração, talvez assim:

“Senhor, ajuda-me a perdoar como Tu me perdoas. Sei que sou imperfeito, mas creio que Tu podes me capacitar. Ajuda-me Senhor, retira de dentro de mim toda essa mágoa, toda essa dor, eu perdôo o fulano, a beltrana (cite esses nomes em oração particular ao Senhor). Abençoa-os Senhor, cuida deles, derrama sobre Eles a Tua bênção. E ajuda-me Senhor, na minha fraqueza. Transforma meu coração. Faz-me ver como sou pecador, e se tenho ofendido a outros, também te peço perdão. Faz-me ver, Senhor, se tenho magoado alguém, e ajuda-me a ir ter com essa pessoa e pedir-lhe perdão também Senhor. Muito obrigado Senhor, por Teu perdão que é eterno e real. Quero ser como Tu És Senhor, em minha vida. Em nome de Jesus, amém!”

Que seja essa a nossa prática cristã, perdoando e sendo perdoados, sendo abençoados no amor de Deus e abençoando também.

Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
IPB de Brasilândia, São Paulo / SP
Culto de Louvor, manhã de 15/02/15.

SDG – A DEUS TODA GLÓRIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

IPB EM FOCO - SIMONTON E AS BASES DO PRESBITERIANISMO NO BRASIL