UMA HISTÓRIA DE LIBERDADE



“Jesus, porém, não lho permitiu, mas ordenou-lhe: Vai para tua casa, para os teus. Anuncia-lhes tudo o que o Senhor te fez e como teve compaixão de ti.” Marcos 5:19.

Jesus Cristo é o nosso Libertador, Ele veio para nos libertar do pecado e das trevas. A vida cristã é construída sobre essa base: somos um povo livre! O conceito de liberdade no mundo é falso e pernicioso, pois o que o mundo chama de “liberdade” para fazer o que quiser, traduz-se na maioria das vezes em uma vida longe de Deus, e portanto não é liberdade, é escravidão. E o que a Bíblia classifica de “liberdade” para dizer “não” ao pecado é tratado no mundo como escravidão. Para o homem sem Deus, ser livre é viver para fazer o que quiser; para o crente, ser livre é viver para fazer o que Deus quer. 

É muito importante saber a respeito desse tema, pois ele é essencial para a busca de uma vida cristã plena e abençoada por Deus. 

Em Cristo nós fomos livres, no momento em que Ele morreu na Cruz e posteriormente ressuscitou - "Ele vos libertou do império das trevas e vos transportou para o Reino do Filho do Seu amor" (Cl 1:13). 

Nós estamos sendo livres, e isso acontece a cada dia em que dizemos NÃO a nós mesmos, ao mundo e ao diabo, e SIM para Deus - "Se Cristo vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (Jo 8:36). 

Mas ainda encontramos na Bíblia o conceito de liberdade futura, quando Cristo vier nos buscar, seremos totalmente livres na glória do celeste porvir, e também na medida em que crescemos e nos apropriamos daquilo que Deus nos concedeu em Sua Palavra - "Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará" Jo 8:32.

A história da libertação do gadareno é impressionante para entendermos o que é liberdade, pois narra quatro coisas estranhas, quatro fatos tremendos e quatro doutrinas maravilhosas.

Quatro coisas estranhas

1 – Esse homem era tão possuído pelo inimigo (uma legião de soldados romanos era composta de 8.000 combatentes), que nada o detinha. Ele arrebentava correntes e cadeias (vs.3-4).

2 – Ele como ele vivia nos sepulcros andando, clamando e se ferindo (vs.5).

3 – Ao libertá-lo os demônios pediram que não fossem mandados para fora do país, e que pudessem entrar nos porcos, e Jesus permitiu (10-13). Como tudo na Bíblia tem uma razão de ser, certamente o Senhor quis mostrar que uma alma vale mais que muitos porcos.

4 – O povo da cidade pediu que Jesus se retirasse deles (14-17). Parece que eles é que estavam endemoninhados, mas o fato é que ficaram assustados e temerosos de maiores prejuízos.

Quatro fatos tremendos

1 – Deus busca Seus eleitos. Jesus foi naquele lugar especificamente para libertar aquele homem. A obra de evangelismo é o foco centrar da Bíblia, pois leva Jesus aos perdidos.

2 – O inimigo se prostra diante de Jesus, e reconhece Quem Ele É (6-7)

3 – Não existe nada que o Senhor não possa fazer, não há caso insolúvel, não há quem não tenha jeito (15).

4 – Após ser liberto, Jesus fez desse homem um missionário (19-20).

CONCLUSÃO

Existem muitas aplicações práticas a partir desse texto. Fixaremos nossa conclusão em quatro doutrinas maravilhosas.

1 – Soberania revelada
2 – Eleição incondicional
3 – Providência divina
4 – Missão da Igreja.

Jesus é o nosso Libertador. Não somos como aquele pobre homem, mas é provável que hajam áreas de nossas vidas que sofram ataques do inimigo. Obviamente Cristo quer nos libertar também, e não há NADA ABSOLUTAMENTE que possa resistir ao Seu eterno e divino poder. Renda-se a Ele em sincera e humilde oração. A história que Deus quer escrever em nossas vidas é uma história de liberdade. Que Deus te abençoe e te guarde!

Por: Pr. Paulo Sergio Visotcky da Silva
Culto vespertino Terceira IPB de Barretos 04/09/16.
SDG!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?