O PREÇO DO DESAMPARO


MATEUS 27:45-49

“E perto da hora nona exclamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni; isto é, Deus Meu, Deus Meu, por que Me desamparaste?” Mateus 27:46.


Jesus já estava crucificado há cerca de três horas sofrendo Seus últimos momentos na Cruz, onde demonstrou um misto de dor e aflição, citando as palavras dos Salmos 22:1a (“Deus Meu, Deus Meu, por que Me desamparaste?”). Ali também se cumpriu o que havia sido profetizado em Sl 69:21 (“Por alimento Me deram fel e na Minha sede Me deram a beber vinagre”).

Ele foi traído por Judas Iscariodes e preso de madrugada, quando estava orando no Jardim do Getsêmani, na companhia de Seus discípulos, se bem que eles não conseguiram manter-se acordados (Mt 26:40). Foi julgado por judeus e romanos, e o condenaram à morte por crucificação juntamente com dois ladrões. Foi surrado ostensivamente pelos soldados romanos, estava muito ferido, machucado, com vários cortes pelo corpo, dilacerado e sangrando. Quando O chicotearam, partes de sua pele e de sua carne foram arrancadas (o chicote usado pelos soldados tinha pedaços de ossos e metais nas pontas). Ele sofria dores terríveis! Foi ultrajado, humilhado, escarnecido, zombado... Crucificaram nosso Salvador com pregos pontiagudos nos pés e nas mãos. Para completar a Sua dor, colocaram nEle uma coroa de espinhos que se encravaram em Sua cabeça fazendo-O sangrar e sofrer ainda mais...

Mas a dor que Jesus sentiu é inimaginável, pois não foi somente dor física. Se assim fosse já seria a dor mais terrível que um ser humano suportou, porém, era a minha e a sua dor, aquela era a nossa Cruz, nossa coroa... Ali estava todo o peso dos nossos pecados sobre Ele. Ele tudo sofreu, tudo suportou, tudo pagou por amor a nós. Isaías 53:5 nos revela que Ele não foi transpassado por pregos comuns, mas por nossos pecados!

“Mas Ele foi traspassado pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas Suas pisaduras fomos sarados.” Is 53:5. (Pisaduras = ferimentos).

Jesus estava totalmente desamparado, humilhado, e agora Ele sentia uma dor que ainda não havia sentido e que jamais sentirá: a dor do desamparo Divino. Amparo = apoio, defesa (presença). E por que o Pai o desamparou? Por que O deixou? Por que Ele precisou ser deixado tão só naquela Cruz?

Sabemos que Deus não O defendeu e até Se retirou dEle, porque Ele levava sobre Si naquela Cruz, todo o nosso pecado, toda a nossa iniquidade. E se Deus interviesse e O livrasse daquela Cruz maldita, todo o plano de Deus para salvar o Seu povo estaria acabado.

Em Mt 26:53-54 quando Jesus foi preso Ele mesmo disse:

“Ou pensas tu que Eu não poderia agora orar a Meu Pai, e que Ele não Me daria mais de doze legiões de anjos? Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça?” Mt 26:53-54.

E também em João 10:17-18 Ele já havia dito: “Por isto o Pai Me ama, porque dou a Minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de Mim, mas Eu de Mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de Meu Pai.” João 10:17-18.

Deus É santíssimo, e nesse momento, o Deus Pai afastou-Se dEle porque não poderia contemplar o nosso pecado que estava sobre Ele.

“DEUS MEU!!!”

No entanto, mesmo sofrendo tanto Jesus não deixou o Pai. Ele disse: “Deus MEU, Deus MEU”. Mesmo sofrendo o maior de todos os sofrimentos que alguém sofreu, e até sentindo-Se desamparado como Ele estava, mesmo estando só e aflito, em meio às trevas que cobriram a Terra, e pregado na nossa Cruz, Ele ainda Se referiu a Deus dessa forma: “Deus MEU”, ou seja: “Tu és o MEU Deus”. Apesar de tudo que passou Ele não desistiu, não Se rebelou, não Se irou contra aquEle que permitia todo Seu sofrimento, pois Ele sabia que havia um objetivo naquilo tudo, e que todo aquele sofrimento era necessário para que se cumprisse o plano eterno da salvação de Deus para todo o Seu povo.

Tudo isso nos leva a...

1 – Querer experimentar esse amor diariamente. Viver a vida sem Deus não dá! Não tem graça, não tem futuro, não é felicidade!

2 – Agradecer e honrar a esse Deus de amor. Você O tem honrado em seus caminhos? Você O tem amado em suas decisões? Tem considerado o Seu infinito amor em sua vida?

3 – Perseverar na fé, sejam quais forem nossa lutas e provações, cientes de que o Senhor Jesus já pagou o preço da nossa salvação, e que preço alto! Portanto, nada pode nos separar desse tão eterno e sublime amor!

4 – Saber que jamais seremos desamparados, porque Jesus já pagou o preço do desamparo, em nosso lugar. Sejam quais forem nossas lutas, nada se comparará ao que Jesus passou na Cruz, agora Ele está conosco sempre, e um dia estaremos com Ele eternamente no Céu.

SDG – A DEUS TODA GLÓRIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT