O QUE DEUS QUER PARA NÓS


1 João 2:12-17
2.12   Filhinhos, eu vos escrevo, porque os vossos pecados são perdoados, por causa do Seu Nome.
2.13   Pais, eu vos escrevo, porque conheceis aquEle que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevo, porque tendes vencido o maligno.
2.14   Filhinhos, eu vos escrevi, porque conheceis o Pai. Pais, eu vos escrevi, porque conheceis aquEle que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a Palavra de Deus permanece em vós, e tendes vencido o maligno.
2.15   Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele;
2.16   porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo.
2.17   Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente.


O desejo do coração de Deus para nós está revelado de maneira bem clara nas Escrituras. Só não conhece, não sabe, ou ignora o que Deus quer para si, aqueles que não conhecem, ou não creem na Bíblia Sagrada como Palavra de Deus. É bem verdade que algumas das promessas de Deus exigem de nós um tanto mais de fé, entrega e renúncia, para que possamos vivencia-las, ou pelo menos numa expectativa de confiança e esperança.

Aqui em 1 Jo 2:12-17 encontramos várias afirmações direcionadas a dois grupos específicos: PAIS e JOVENS. Isso nos faz meditar em quais situações os pais e os jovens devem se preocupar em buscar vivenciar a vontade de Deus. Mas tais promessas não são restritas aos pais e aos jovens. Por isso que os vs.12 e 14 começam com a expressão “filhinhos”. Isso não era apenas um modo carinhoso do Apóstolo amado falar com a Igreja; tais indicações são vindas do Pai Celestial a todos nos, que somos Seus “filhinhos”.

Essa expectativa positiva exige de nós uma atitude de busca. Ora, se tais promessas de Deus ainda não estão se cumprindo em minha vida, significa que algo está fora do lugar em minha vida, pois Deus É fiel e cumpre fielmente a Sua Palavra. Ele quer nos capacitar, nos gabaritar para que tais promessas se cumpram.

Que promessas são essas?

1 – Perdão dos pecados (vs.12). Deus quer que tenhamos comunhão com Ele, e isso só é possível através do perdão de nossos pecados. Viver na dimensão do perdão de Deus é maravilhoso, pois através do Sangue de Jesus temos comunhão com o Eterno, somos redimidos de nossas transgressões e culpas, podemos desfrutar da intimidade com o Aba Pai, nosso Paizinho querido. Como é maravilhoso viver nessa perspectiva, onde o pecado é coisa do passado (2 Co 5:17), e mesmo que venhamos a escorregar em uma casca de banana, ainda assim Ele nos levantará e curará (1 Jo 1:6-2:6). Tudo isso só é possível por causa do Seu Nome, isto é, foi Ele que fez isso em nós, foi Ele que tomou a iniciativa, foi Ele que providenciou o sacrifício perfeito para nos salvar, e é Ele que nos mantém em Sua graça.

2 – Conhecer a Deus (vs.13-14). Deus quer que O conheçamos. Note que essa expressão aparece uma vez no vs.13 e duas vezes no vs.14. Fique atento (a) a todas as vezes que Deus repete algo nas Escrituras, significa intensidade, importância, atenção redobrada. Qual é o grau de nosso conhecimento de Deus? Pouco, mais ou menos, ou muito? Será que podemos dizer que O conhecemos? E se O conhecemos, o quanto isso tem afetado nossa vida? Foi João Calvino que disse que o quanto mais conhecemos a Deus, mais nos conhecemos, pois quanto mais nos aproximamos dEle, a Sua Luz nos ilumina e passamos a ver áreas de nossas vidas que até então nos eram desconhecidas. Pensemos em algumas áreas que revelam o grau, ou nível, do nosso conhecimento de Deus.

Pecado – quanto mais conhecemos a Deus, passamos a ver pecados em nós que antes não nos causavam espanto algum. Passamos a odiar o pecado e a desejar ter uma vida mais íntima com Deus.

Qualidades – quanto mais conhecemos a Deus, mais somos aperfeiçoados por Ele, e nossas qualidades brotam naturalmente, como frutos do amor de Deus em nós. Ele nos acrescenta dons e talentos, nos capacita a fazer coisas que antes nos pareciam impossíveis, Ele nos dá vitória sobre os gigantes.

Amor – quanto mais conhecemos ao Senhor Deus, mais amamos a Ele, mais queremos viver na intimidade dEle, mais queremos ouvi-Lo falar, mais sentimos paixão por Ele, mais estaremos dispostos a viver para Ele, e se for preciso sofrer e até morrer por Ele.

Comunhão com Deus – quanto mais conhecemos a Deus, mais sentimos atração pela Bíblia e pela oração. Nosso desejo de sentir a presença de Deus e viver sob Seus mandamentos torna-se cada vez mais intenso em nós, na medida que O conhecemos mais e mais.

Igreja – comunhão com os irmãos, frequência, respeito, trabalho, envolvimento com a obra de Deus. Nossa vida eclesiástica revela o quanto temos conhecido de Deus, e quanto mais O conhecemos, mais desejamos conhecer.
 

3 – Vitória sobre o diabo (vs.13-14). Deus quer que pisemos a cabeça da serpente, nada menos que isso. A vitória sobre as hostes infernais, nos está garantida pelos méritos de Cristo, mas é necessário que tomemos posse dessa vitória. Dizer isso não é nenhum tipo de ostentação, mas a pura realidade. Semelhante a um posseiro, o diabo não respeita, não tem escrúpulos, não tem educação. Se permitirmos Ele invadira os territórios de nossas vidas que lhe estiverem disponíveis: mente, pensamentos, emoções, sentimentos, área material, conjugal, relacionamentos, etc., etc. A vontade de Deus é clara, Ele quer que sejamos mais que vencedores. Por isso não podemos nos conformar com uma vida subjugada pelo mal, mas devemos vivenciar a realidade da vitória sobre o maligno.

4 – Fortalecimento espiritual (vs.14). Deus quer que sejamos fortes, vencedores, e isso não é uma referência a exercícios físicos (tão necessários), mas uma indicação de que Ele não quer que sejamos fracos e frágeis espiritualmente. Crente forte é aquele que aguenta pancadas, pedradas, palavras atravessadas, etc., e não esmorece na batalha. Noto um número grande de crentes “dodóizinhos”, tipo porcelana “casca de ovo”. Qualquer intempérie é motivo para que eles se afastem da Igreja, fiquem magoados, e por aí vai... Mas Deus É fiel, e assim como existem os mais fracos, existem também os crentes fortes e amadurecidos que suportam firmemente as adversidades e lutas, os que não desistem, não baixam a guarda, não andam para trás. Pecadores todos somos, mas devemos buscar ser fortes em Deus. E se em algum momento vacilarmos, devemos crer que Ele É infinitamente mais poderoso do que imaginamos, e que a Sua graça vale mais que a vida (Sl 63:3). Em Cristo somos mais que vencedores (Rm 8:37). A nossa força provém de Deus, de Sua graça, amor, bondade e misericórdia. A fonte desse poder inefável é a Palavra de Deus. Por isso que o último item que aparece nesse texto vem a seguir...

5 – Permanência da Palavra de Deus (vs.14). A vontade de Deus é que a Sua Palavra permaneça nos corações. Por mais que isso pareça óbvio, a vontade de Deus nem sempre se cumpre na vida da Igreja. Basta observarmos os rumos que a Igreja tem tomado através dos séculos. Em todos os desvios e quedas há algo em comum: a Palavra foi esquecida. A Palavra é a nossa bússola, nosso mapa, nosso farol, nosso caminho, nossa luz em meio às trevas. Jesus alertou que o diabo vai tentar tirar a Palavra de nós, por isso devemos ter todo cuidado para que a Palavra permaneça em nós (Mt 13:19). A compreensão da mesma nos leva à prática e permanência nela.

Que Deus nos ajude, e que busquemos sempre viver dentro da dimensão da vontade de Deus para nós.


Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
IPB de Vila Gerti, S.C.Sul / SP
Reunião de Oração dos Jovens e Adolescentes 14/12/13.


SDG – A DEUS TODA GLÓRIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT