Uma Palavra Aos Presbíteros


“De Mileto, mandou a Éfeso chamar os presbíteros da igreja.” Atos 20:17.

O Apóstolo Paulo estava se despedindo dos Presbíteros de Éfeso. Já estava embarcando para Cesaréia no porto de Mileto. Ali se reuniu com esses líderes da Igreja de Éfeso, capital da Ásia Menor, onde passara três anos. Num discurso regado de profunda emoção, o apóstolo dá seu testemunho e reafirma os compromissos que assumira em seu Ministério: compromisso com Deus (At 20:19), com ele mesmo (At 20:18,28a), com a Palavra (At 20:20-27), com a igreja (At 20:28-31), com a integridade financeira (At 20:32-35) e com a afetividade (At 20:36-38). Nos versículos 28 a 31 o Apóstolo tem uma exortação dirigida especialmente aos Presbíteros. Essa palavra é atual e sempre oportuna.

1. O Presbítero precisa cuidar da sua própria vida (At 20:28a). “Atendei por vós mesmos…”. A vida do Presbítero é a vida do seu Presbiterato. Exemplo fala mais do que palavras. O que o Presbítero é, torna-se mais importante do que aquilo que ele faz. Vida com Deus precede trabalho para Deus. O Presbítero precisa cuidar de si mesmo para não reprovar nos outros aquilo que pratica. Sua vida precisa ser consistente com o Ministério que desenvolve. Sua conduta precisa ser irrepreensível dentro e fora da Igreja. O Presbítero precisa ser exemplo em seu lar, em seu trabalho e em seus relacionamentos.

2. O Presbítero precisa pastorear o rebanho de Deus (At 20:28b). O Apóstolo Paulo exorta: “Atendei (...) por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu Bispos, para pastoreardes a Igreja de Deus, a qual Ele comprou com o Seu próprio Sangue”. O Presbítero precisa cuidar não apenas de algumas ovelhas do rebanho, mas de todo o rebanho. Precisa compreender a natureza de sua vocação, sabendo que seu Presbiterato não é um posto de privilégio, mas uma plataforma de serviço; e mais, esse Ministério não vem de homens, mas do próprio Espírito Santo. A autoridade que o Presbítero exerce não emana dele mesmo, vem do próprio Deus. O Presbítero é também um Pastor do rebanho e seu trabalho é de pastoreio, ou seja, ele é chamado para ensinar, exortar, consolar e proteger o rebanho. O Presbítero precisa entender que a Igreja não é dele, é de Deus. As ovelhas não são dele, pertencem a Cristo, porque foram compradas com o próprio Sangue do Cordeiro. 

3. O Presbítero precisa proteger as ovelhas de Cristo (At 20:29-31). Paulo escreve: “Eu sei que depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles. Portanto, vigiai…”. O Apóstolo faz dois alertas aos Presbíteros: (I) Há lobos vorazes do lado de fora querendo entrar na Igreja para destruir o rebanho. Esses lobos são falsos mestres, com falsas doutrinas, pregando um falso evangelho. Cabe aos Presbíteros serem zelosos com a integridade doutrinária da Igreja pela proteção do rebanho contra as novas e velhas heresias que tentam sutilmente entrar na Igreja para dispersar e destruir o rebanho de Deus. (II) Havia pessoas dentro da Igreja com tendências perigosas, e que, em dado momento se levantariam falando coisas pervertidas para arrastar após si as ovelhas. Essas pessoas que estiveram enrustidas e camufladas dentro da Igreja nunca buscaram os interesses de Cristo nem do rebanho, sempre estiveram buscando seus próprios interesses, não amam as ovelhas, amam a si mesmas, não servem ao rebanho, se servem dele. Cabe aos Presbíteros proteger as ovelhas de Cristo desses crentes falsos que se levantam para se tornar falsos mestres. 

O Presbiterato precisa ser exercido com um profundo senso de cuidado. É nesse sentido que Paulo diz: “Portanto, vigiai (!)” (Atos 20:31a).

Extraído de Luz Para o Caminho com permissão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

O CRENTE E O CARNAVAL