ENTENDER PARA RELACIONAR-SE COM DEUS


SALMOS 33

“Nossa alma espera no SENHOR, nosso auxílio e escudo. Nele, o nosso coração se alegra, pois confiamos no seu santo nome. ” Salmos 33:20-21.

Os nossos relacionamentos são firmados e fortalecidos no conhecimento que temos uns dos outros. O teste de validade de todas as relações, sejam elas profissionais, familiares, emocionais e até espirituais, passa pelo conhecimento. Exemplo disso é que existem lugares em que o simples uso da barba caracteriza o que se pensa sobre bondade ou maldade, integridade ou iniquidade. Absurdo? Sim, claro! Mas pense como muitas relações interpessoais são formatadas pelo que se pensa dos outros, e o quanto esses conceitos são banalizados gerando ideias pré-concebidas, ou preconceitos. Não me refiro aqui a questões recorrentes do nosso tempo – como homossexualidade, raça, nível social, etc. – mas às relações entre irmãos.

Agora mudando o foco, pergunto: e nossa relação com Deus, como vai? Não diga um simples risonho: “Vai bem obrigado!” Se você não conhecer a Deus, pode ser que não haja uma interação positiva entre você e o seu Criador. Como é Deus para você? Você certamente já se perguntou isso, afinal de contas, todos querem sabem como Ele É. Nesse Salmo aprendemos muito sobre o nosso Deus.

1 – Sua pessoa (vs.1-5). Aqui nos é revelado acerca do louvor e a celebração que somente a Ele é devida; Sua Palavra santa, reta e perfeita; Seu proceder justo, reto e fiel; Sua justiça, direito e bondade, que não são teorias, mas tão reais que permeiam toda a Terra (Mt 5:45).

2 – Seu poder criador (vs.6-9). Deus fez todas as coisas, nos Céus, na Terra, nos mares e nos ares. Quais instrumentos Deus usou para criar tudo? Sua Palavra e o sopro de Sua boca (vs.6). Ele fez tanto coisas naturais quanto espirituais, e sustenta tudo com o Seu eterno poder.

3 – Deus e as nações (vs.10-12). Deus não ignora os povos, países e nações. Ele não fica inerte enquanto homens fazem suas atrocidades, mas Ele os detém com seu poder (vs.10). E a nação que Ele escolheu para O adorar é eternamente feliz (vs.12).

4 – Sua ação para com a humanidade (vs.13-17). Deus é dono de tudo e de todos, até dos ímpios, que apesar de qualquer coisa, estão sob Sua autoridade. Engana-se quem pensa que Deus não vê, que Deus não saiba algo (vs.13). Ele, que forma todas as pessoas julgará a cada um segundo as suas obras. E nada do que eles possuem poderá salvá-los (vs.16-17).

5 – Sua relação com Seus filhos (vs.18-22). Nesse momento o Salmo assume outra forma, pois fala dos filhos de Deus e sua relação com Ele em um âmbito de esperança (vs.18,20,22).

•    Ele não somente nos vê, Seus olhos estão sobre os que O temem (vs.18a)
•    Esperamos na Sua misericórdia, somos alvo da Sua misericórdia (vs.18b)
•    Ele nos livra da morte, sacia nossa fome, preserva nossa vida (vs.19)
•    Ele É nosso escudo e auxílio, por isso nEle esperamos (vs.20)
•    Ele É nossa alegria, por isso confiamos em Seu nome (vs.21)
•    Sua misericórdia é sobre nós, por isso O esperamos (vs.22).

CONCLUSÃO

Que Deus maravilhoso É o nosso Deus, louvemos a Ele e vivamos em perfeita comunhão com Ele. Sabemos que o mundo é mau, cruel, violento e imprevisível; mas creiamos que tudo está sob o controle do nosso Deus. Ele É sobre tudo e sobre todos. E se alguém nos perseguir, ferir, odiar, e muitas vezes isso acontece sem causa, sem motivo algum, simplesmente porque não gostam de nós que somos crentes, oremos por eles, pois um dia prestarão contas a Deus.

Esse Salmo, portanto, nos leva a adorar e bendizer o Senhor por Seu tão grande amor por nós, e esperar em Sua graça e misericórdia, mas também nos incita a crer em Sua justiça e soberania sobre os ímpios e maus que há na Terra. Não se deixe abater diante das calamidades e tribulações, mas descanse seu coração nas mãos de Deus.

Por: Pr. Paulo Sergio Visotcky da Silva
21/08/16 IPB de Brasilândia, culto matutino, e
Congregação Peri Alto, culto vespertino.
SDG!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

O CRENTE E O CARNAVAL