O ESPÍRITO SANTO, NOSSO CONSOLADOR


JOÃO 14:16-17; 16:7-11

"Quando Ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo" João 16:8.


Antes de subir aos Céus, vendo o sofrimento e a dor de Seus discípulos, o Senhor Jesus prometeu enviar o Espírito Santo (Jo 14:16-17), o nosso Consolador (no gregro parácelto = "aquele que consola ou conforta; aquele que encoraja e reanima; aquele que revive; aquele que intercede em nosso favor como um defensor numa corte" Wikipedia).

O Espírito Santo É Deus, e jamais pode ser desmerecido. Seu poder é o poder do próprio Deus, porque Ele É Deus entre nós. A Sua obra é extensa e abundante, e nesse texto é explicada e exposta pelo Senhor Jesus em um parâmetro (convencimento) que se desdobra em três áreas básicas de nosso relacionamento com Deus (pecado, justiça e juízo).

Primeiramente é necessário enfatizar qual é a noção de "mundo" que o texto apresenta. Conforme textos paralelos como Hebreus 11:1,6 e Efésios 2:8-9, entendemos que em termos de salvação, "mundo" aqui não compreende a totalidade da raça humana, mas somente os eleitos é que serão salvos. Esse será nosso enfoque nessa reflexão: como o Espírito Santo nos consola.

Não abordaremos nesse momento, a ação do Espírito Santo com relação ao mundo decaído, seja no âmbito da graça comum como no do juízo final.

O Espírito Santo é o nosso Consolador. Aleluia, glórias a Deus por isso! Porque aprouve ao Eterno Deus nos enviar o Seu Espírito. Como Ele age? Como identificar a Sua ação soberana na vida de Seus escolhidos?


1 - CONVENCERÁ O MUNDO DO PECADO 

Essa é a ação básica e inicial do Espírito Santo na vida do crente. O que é elementar na nossa conversão é o reconhecimento de que somos pecadores. Sem isso não há novo nascimento (Jo 3:3) e nem conversão (Rm 10:9-10). Mas é o Espírito Santo que nos dá esse convencimento por toda a nossa jornada de fé, ou seja, o reconhecimento de somos pecadores, mesmo depois de salvos, e que cometemos algum erro e necessitamos nos arrepender e pedir perdão a Deus, e se for necessário a alguma pessoa também.

Vivemos dias de trevas, dias em que o pecado tem sido vivido na por muitos que se declaram filhos de Deus. Não deixamos de ser pecadores ao receber o Seu perdão (1 Jo 1:9-10),  mas não podemos viver em pecado (1 Jo 3:6).

A falta de convencimento de que tal ato é pecado, é sinal de confusão ou até ausência de conversão.

2 - CONVENCERÁ O MUNDO DA JUSTIÇA 

A fé no Salvador nos dá paz. Não apenas o sentir, mas também! Digo isso porque muitos há que menosprezam os sentidos, em vista do grande desvio cometido pelos que superestimam o sentimentos. Não vivemos de emoções e não devemos jamais ser guiados pelos sentimentos, mas precisamos saber discerni-los. A paz que Cristo nos concede através do perdão é plenamente observável na vida daqueles que se arrependem de seus pecados e Lhe suplicam o perdão. Esse sentimento de paz provém do convencimento do Espírito Santo, de que os seus pecados foram justificados por Cristo. Não há mais a culpa ou o medo, a angústia ou a desesperança, mas a plena convicção de que a justiça divina se fez na alma e na vida, através do perdão de Cristo (Rm 5:1-8).

Isso não é coisa de somenos, mas de extrema grandeza e tão necessário para a nossa vida espiritual. Ora, aquele que não tem convicção de que seus pecados foram remidos por Cristo, não conhece a Sua obra realizada na Cruz. Como pode tal pessoa ser de Cristo? Seria possível alguém que não tem esse conhecimento, essa convicção, viver uma vida de vitória e de fé em Deus? O que o texto sagrado está nos revelando, é justamente que o Espírito Santo dará ao crente essa convicção, de que seus pecados não foram exauridos ou simplesmente viraram fumaça, mas que foram lavados e remidos por um preço altíssimo, através do Sangue de Cristo, em Quem a nossa justificação é perfeita (Rm 3:21-23).

3 - CONVENCERÁ O MUNDO DO JUÍZO
 

A obra do Espírito Santo também nos concede o entendimento e a fé no juízo de Deus, ou seja, Deus É justo, e em Sua justiça divina, nenhum pecado ficará impune. Para os que já foram justificados pelo Sangue do Cordeiro há uma expectativa de paz. Mas ai dos que se mantém rebeldes contra Ele.

Essa obra de convencimento nos dá a certeza de que nenhum mal fica impune diante de Deus. Jesus ressalta que até o diabo está julgado (Jo 16:11). Ora, se o nosso arqui inimigo já está julgado, obviamente todos os que vivem em seus pecados também serão julgados (Mt 13:42,50; 25:41). Vivemos em um mundo de injustiça, pecado e dor, mas o Espírito Santo nos dá paz, na certeza de que a justiça divina virá sobre toda a Terra, o mal será extirpado do mundo (Ap 20:10; 21:8), e viveremos para sempre na presença de Deus (2 Pe 3:13).

Essa convicção interior nos direciona a uma vida de santidade, uma vez que deus não compactua jamais com qualquer pecado. Ele É eternamente Santo e Justo. Portanto, os crentes, por temor e tremor, vivem em busca de uma vida reta, em justiça santidade, vivendo de modo semelhante a Jesus. Eles sabem que ninguém que vive uma vida de pecado está livre do juízo de Deus (Mt 25:31-34,41; Lc 12:1-5; 1 Pe 1:16).

Nós, porém, os que recebemos a Sua salvação, vivemos uma vida reta e limpa por Seu próprio Sangue!

CONCLUSÃO


A maravilhosa obra do Espírito Santo nos induz a uma vida nova, lavados pelo Sangue de Cristo, firmados em Seu sacrifício remidor, aguardando a revelação de Seu juízo eterno.

Quão maravilhoso É o nosso Deus, que nos comprou e nos tem alicerçado nessa nova vida. A Ele seja toda honra, glória e louvor! Amém!

Por: Rev. Paulo Sergio Visotcky da Silva
IPB de Brasilândia, Culto Vespertino 07/06/15.


SDG - SOMENTE A DEUS DAI TODA GLÓRIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT