PARA QUEM SAI ANDANDO E CHORANDO


“Quem sai andando e chorando, enquanto semeia, voltará com júbilo, trazendo os seus feixes.” Salmos 126:6.

Lendo a Parábola do Semeador (Mateus 13) e o Salmo 126, lembrei-me de muitos amigos e vários missionários. Veio forte a cena dos semeadores de hoje, aqueles que falam de Jesus, visitam de casa em casa, servem o caído, cuidam do enfermo e enfrentam seus medos. Alguns andam a vida toda, aprendem línguas diferentes, estudam culturas distantes, escrevem projetos, sempre mais um lugar a chegar. Outros trabalham perto, lutam nas selvas de pedra, seu povo não alcançado encontra-se em condomínios fechados, no frenesi das ruas, hospitais lotados, escolas e cárceres. Falam de Jesus e saem de casa orando por oportunidades diárias, e não as perdem.

O Salmo 126 nos fala sobre a relação entre a caminhada e o choro. Quem sai andando e chorando enquanto semeia voltará para casa com alegria trazendo seus feixes, o fruto do trabalho. Para cumprirmos o ministério que Jesus nos confiou é necessário andar e chorar. E é certo que muitos fazem ambas as coisas. Tantas idas e vindas, caminhos incertos, a impressão de que há sempre mais um passo a dar, uma pessoa a evangelizar. E as lágrimas, que descem abundantes com a saudade que bate, a enfermidade que chega, o abraço que não chega, o fruto que não é visível, o coração que já amanhece apertado, o caminho que é longo demais. Creio que temos andado e chorado. Mas voltaremos um dia, trazendo os frutos, apresentando-os ao Cordeiro e dando glória a Deus! Poderá ser amanhã, ou em algum momento ainda distante. Mas ainda não é hora de voltar.

É hora de seguir, andando e chorando, com alegria no coração e sabendo que não trocaríamos esta viagem por nenhuma outra na vida. O grande consolo e motivação é que não andamos sós. Ele está conosco, e “maior é Aquele que está em nós”. Portanto não desistimos, olhando sempre para o horizonte a nossa frente e trazendo à memória o que pode nos dar esperança. Guarde seu coração enquanto anda e chora. Não perca a alegria de viver e caminhar, nem a mansidão, nem a oração, o humor, a gentileza, a doçura, e o amor. Não deixe de semear mesmo quando está difícil. Lance a semente em todas as terras. Uma semente há de germinar e talvez a mais improvável, a que menos promete. Não dê ouvidos àquele que diz que não vai acontecer porque a terra é árida, você é incapaz, o sol é forte e o vento está chegando. Lance a semente. Abrace o que também anda e chora, e que está ao seu lado. Ele talvez se sinta só e pense que é o único que chora enquanto caminha. Andar e chorar é cumprir a missão, e também um grande privilégio.

Um dia você voltará, mas talvez não seja hoje. Se você pensou em desistir da sua caminhada, e o coração, abatido, não encontra mais prazer em semear, olhe para o Alto e faça um compromisso com seu Deus: mesmo chorando, andarei um pouco mais! Sim, haverá o dia de voltar... Mas ainda não chegou. Na força do Senhor continue a caminhar... E chorar... E semear... E sorrir, porque estamos aqui, no Caminho do Pai. Não há lugar melhor!

Por: Rev. Ronaldo Lidório (adaptado de O Pregador). O autor é Pastor Presbiteriano e Missionário ligado à Agência Presbiteriana de Missões Transculturais (APMT) e WEC Internacional. Atuou no noroeste africano por nove anos como plantador de Igrejas e tradutor do Novo Testamento, entre o povo Konkomba-Bimonkpeln. Desde 2001 serve na região amazônica entre indígenas do Brasil. É consultor nas áreas de Missiologia e Antropologia para diversas organizações missionárias. Tem sua graduação em Teologia, pós-graduação e doutoramento em Antropologia e coordena diversas iniciativas de treinamento missionário nessas áreas. Autor de 15 livros, entre eles, “Introdução à Antropologia Missionária” (Edições Vida Nova). É casado com Rossana, com quem tem dois filhos, Vivianne e Ronaldo Junior.

IPB Vila Gerti, S.C.Sul / SP
Pastoral Boletim 03/08/14.

SDG – A DEUS TODA GLÓRIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?