LIÇÕES DA COPA


“Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus.” Filipenses 3:12.

Não deu. Não conquistamos o hexa. A seleção brasileira, de tantos títulos e tantas glórias, foi derrotada, humilhada, sofrendo uma goleada histórica para a seleção alemã. Diante desta “catástrofe”, como Felipão qualificou nossa derrota, é tempo de auto avaliar e aprender com os erros. Devemos considerar o fracasso como o preço que se paga pelo progresso. Nossa seleção, assim como todos nós brasileiros, desejou o hexa, porém deixaram de ir em busca de modo coerente. A seleção brasileira fracassou porque parou, se acomodou, vestiu-se com o manto da vaidade: “somos o país do futebol”, “com o brasileiro não há quem possa”, “estamos com a mão na taça”. A seleção se arvorou em sua própria jactância, e o resultado todos nós sabemos. Esquecemos que as glórias do passado não garantem a vitória no presente, não nos preparamos, não evoluímos. O futebol evoluiu, outras seleções evoluíram tanto, que países sem tradição no futebol foram destaques nessa copa. A comissão técnica da nossa seleção demonstrou indisposição para mudar, e a inflexibilidade é um grande inimigo para o sucesso e realizações.

Na vida cristã o comodismo é também um grande obstáculo. Paulo lembra-nos que devemos prosseguir na medida da perfeição que já atingimos (Fp 3:16). E o apóstolo nos deu exemplo disso quando afirma: “Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus” (Fp 3:12). A autoconfiança é boa até não se tornar em soberba. Por isso somos exortados pela Palavra de Deus: “Não pense de si mesmo além do que convém...” (Rm 12:3).

O J. MacArthur, em seu livro “Chaves para o Crescimento Espiritual” declara: “A vida resulta em crescimento. Vida espiritual resulta em crescimento espiritual. Ou, pelo menos deveria ser assim. Você está crescendo? (...) Esteja certo de que Deus deseja que todo o crente atinja a maturidade espiritual. Sua Palavra nos ordena: ‘Antes, crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo...’ (2 Pe 3:18). É esta a nossa obrigação e nosso privilégio. A cada dia, podemos progredir em nossa vida espiritual, prosseguindo num conhecimento mais pleno, mais alto, mais pessoal e experimental de Deus e de Cristo. Podemos passar da Palavra de Deus para o Deus que a escreveu, conhecendo-O mais de perto.” O primeiro passo para que o crescimento espiritual é a auto avaliação. Devemos examinar a nós mesmos (2 Co 13:5). A auto avaliação é imprescindível para que possamos desenvolver a nossa salvação.  Temos como prioridade o Reino de Deus?  P. Meyer afirma: “O seu tempo é subordinado às suas prioridades, porque o que você escolhe fazer, você criará tempo para fazê-lo.” Há vida devocional? Existe intimidade com Deus por meio da oração e leitura da Bíblia? Lembre-se que Jesus nos diz: “Sem Mim nada podeis fazer” (Jo 15:5). Sem vida com Deus certamente fracassaremos em nossa vida pessoal e ministério. Outro aspecto importante é a perseverança. Somente os que perseveram serão vitoriosos. “Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida” (Ap 2:10b), prometeu-nos Jesus! Assim, “corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta” (Hb 12:1b).

Quero concluir dizendo que “toda pessoa bem-sucedida é alguém que um dia falhou, mas nunca se considerou um fracasso”. Aprenda com os erros e ande em novidade de vida para a glória de Deus!

Por: Rev. Walter Czinczel, IPB de Bebedouro / SP
Extraído e adaptado de “O Pregador

IPB de Vila Gerti, S.C.Sul / SP
Pastoral Boletim 13/07/14.

SDG - A DEUS TODA GLÓRIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

JOSIAS, UM REFORMADOR EM SEU TEMPO