FILOSOFIA DE MINISTÉRIO


“O que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado fiel.” 1 Coríntios 4:2.

Faço aqui uma breve explanação do que compõe a base de minha prática pastoral.

Fidelidade. Minha filosofia ministerial é embasada na fidelidade (1 Co 4:2), pois o Pastor fiel é útil a Deus e abençoado por Ele. Assim, o Pastor pode exercer seu Ministério com alegria, temor e tremor diante daquEle que sonda mentes e corações.

Santidade. A fidelidade é devida primeiramente diante de Deus, em santidade, e compromisso com as Sagradas Escrituras, e a oração. Essa é a base da frutificação na vida pessoal, assim como no ensino e na pregação da Palavra de Deus. Tal compromisso se reflete na fidelidade à família e à Igreja, dentro dos princípios normativos da vida cristã, expostos na Bíblia Sagrada.

Ensino e pregação. Ressalto a grande importância da fidelidade no ensino das doutrinas que fundamentam a nossa amada IPB. Como presbiterianos que somos, devemos ser fiéis às doutrinas reformadas, vivendo-as e ensinando-as. Enfatizo algumas áreas em meu ministério: liderança, família, louvor, jovens e adolescentes.

Crescimento da Igreja. “Os campos estão brancos e prontos para a ceifa”, disse o Senhor Jesus. A Igreja precisa se engajar em evangelização e missões, e para que esse engajamento ocorra e permaneça, é necessário o desenvolvimento (e manutenção) de algumas ações fundamentais, e estratégicas, na vida eclesiástica: oração, discipulado, comunhão, louvor, e reuniões nos lares (“de casa em casa”).

Família. O fortalecimento das famílias é essencial para que a saúde da Igreja. Uma das estratégias para esse fortalecimento, é o discipulado de casais, através de RCCs – Reuniões de Casais com Cristo, e ECCs – Encontros de Casais com Cristo.

Pastoreio e aconselhamento. O Pastor de almas deve estar sempre pronto para ajudar as pessoas, especialmente os da fé, prioritariamente seu próprio rebanho. A vida do Pastor tem que ser uma vida de amor que se manifesta em dedicação, trabalho, esforço, compromisso, zelo e humildade. Assim o Pastor de almas pode ser usado por Deus na vida dos que a Deus se submetem, em um plano de visitação semanal ao rebanho, e estando sempre disponível para o atendimento pastoral na Igreja, em horários pré-estabelecidos, e 24 horas por dia onde se fizer necessário.

Preparo e reciclagem. O Pastor não pode jamais parar de estudar, e buscar o crescimento interior através da renovação do conhecimento e aprofundamento na Palavra de Deus. A superficialidade pode influenciar negativamente as pregações e mensagens, ocasionando o despreparo de muitos para o enfrentamento das falsas doutrinas e do secularismo atuais. Cabe ao Pastor conduzir o rebanho de Cristo aos “pastos verdejantes e às águas tranquilas”, sendo ensinável, estudando, reciclando, lendo, aprendendo e sendo modelado por Deus, aprimorando-se sempre.

Fé Reformada. Todo Ministro Presbiteriano deveria viver e anunciar a fé reformada, não só como tradição doutrinária, mas como estilo de vida, e a interpretação correta das sagradas letras. Esse é um tempo de obscuridade doutrinária, onde a fé bíblica reformada tem sido abandonada por muitos, onde muitas Igrejas estão abandonando o bem mais precioso que nossos pais nos legaram, e seguindo ventos de doutrinas contrárias aos princípios básicos e elementares da fé. Meu desejo é, enquanto viver nesse mundo, anunciar, ensinar e viver os princípios de fé Reforma Protestante, de modo autêntico, claro, prático, atraente, e impactante na vida do povo de Deus.

Esse é um simples resumo, porém, a meu ver, essencial para o exercício profícuo do Ministério Pastoral. E que tudo seja feito para a glória de Deus. Soli Deo Gloria!!!

“É notório que o homem jamais chega ao puro conhecimento de si mesmo, até que haja antes contemplado a face de Deus, e da visão dEle, desça a examinar a si próprio.” João Calvino (1509-1564).

SDG - A DEUS TODA GLÓRIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT