VENCENDO O DESÂNIMO, GUARDAI AS VOSSAS ALMAS

Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
IPB de Vila Gerti, S.C.Sul / SP
Pastoral Boletim 20.10.13

“Portanto, guardai diligentemente as vossas almas, para amardes ao SENHOR vosso Deus.” Josué 23:11.

“Se formos fiéis ao Senhor, estaremos sempre em guarda, porque muitas almas têm-se perdido por negligência. Ame o Senhor, seu Deus, e não se afaste dEle. Deus tem sido fiel com você? Então você não pode tornar-se infiel a Ele, que prometeu e É fiel (Hb 10:23). Cada experiência cristã atesta a mesma verdade. Podemos passar por conflitos, alguns até graves, e testes prolongados muitas vezes; mas no final, reconhecemos que a bondade e a misericórdia nos seguiram todos os dias de nossa vida. Josué afirma as consequências fatais de andar para trás e retroceder na fé, porque temos certeza, de que ali será a sua ruína. É necessário vigiar para que a aproximação e amizade com os idólatras e pecadores, não se torne alianças, pois no final poderá ser levado a servir a seus deuses. Deste modo, o pecado conduz estrada abaixo, e aqueles que têm comunhão com os pecadores não podem evitar a comunhão com o pecado.” (Comentário Bíblico Mathew Henry).

O coração do homem é extremamente enganoso e corrupto (Jr 17:9), por isso temos a tendência de descuidar de nossas almas. Temos cuidado com tantas coisas materiais, mas precisamos cuidar muito mais de nossa vida espiritual. Essa era a preocupação de Josué, e o recado de Deus ao Seu povo, num contexto extremo de idolatria, corrupção e pecado. O capítulo 23 do Livro de Josué é uma exortação à observância da Lei em contraposição à idolatria corrente; e o capítulo 24 contém a famosa exortação:

“Porém, se vos parece mal servir ao SENHOR, escolhei, hoje, a quem sirvais: se aos deuses a quem serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates ou aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais. Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR.” Js 24:15.

Em nossos dias vivemos também no seio da idolatria, um lugar onde cultua-se ao deus de pau, de pedra e de barro, obras das mãos de homens. Vivemos em uma cultura onde os chamados deuses das águas, do vendo, etc., recebem o sangue de animais em sacrifício nas matas, cachoeiras e encruzilhadas. Sabemos quem está sendo adorado por trás disso tudo (1 Co 10:19-21) e se houver alguma semelhança com o contexto de Josué, não será mera coincidência, pois “o mundo jaz no maligno” (1 Jo 5:19); e “não há nada de novo debaixo do sol” (Ec 1:9). O pecado se repete de geração em geração.

Mas existem outros tipos de ídolos que afastam as pessoas de Deus, e obstruem o seu amor: o mundo, o dinheiro, as pessoas, o “eu”. A Palavra nos alerta para não amarmos o mundo e nem o que há no mundo, pois quem ama o mundo, o amor do Pai não está nele (1 Jo 2:15). Se observarmos com atenção, veremos que a idolatria está mais próxima do que pensamos. Por exemplo: quem não vai à Igreja em trabalhos de meio de semana (Estudo Bíblicos, Reuniões de Oração e Vigílias), sem um motivo de força maior, inevitavelmente vai colocar algo nesse período de tempo, que para ele é mais importante do que a obra de Deus. Seja a televisão com suas novelas, futebol, filmes, etc.; o computador, sofá, passeios, etc. O descanso tem sido um argumento muito utilizado para o abandono dos trabalhos semanais; precisamos resgatar o significado de Isaías 40:31. Tudo que é colocado acima de Deus, ou no lugar de Deus, é idolatria, e afasta do amor a Deus. Amar a Deus é amar a Sua Igreja. Quando Josué exortou ao povo para que deixasse a idolatria e servisse a Deus, ele disse: “Eu e a minha casa”. Cabe aos pais conduzirem seus lares à presença de Deus. Prestaremos contas a Deus, e colheremos o que estamos semeando.

O desânimo espiritual é o resultado de não dar a primazia a Deus. Diligência é zelo, cuidado ativo, presteza em fazer alguma coisa. Deus quer que cada um cuide diligentemente de sua alma (“guardai diligentemente as vossas almas”) com um propósito específico: “para amardes ao Senhor vosso Deus” (Js 23:11). Amar a Deus é viver para Deus em todos os lugares, mas os que amam a Deus amam a Igreja, que é a Casa de Deus, e tudo que acontece na Igreja, que é a obra de Deus. Quem ama a Deus ama ir à Igreja, não só aos domingos, mas em todos os trabalhos que seja possível participar.


Muito cuidado com o desânimo, pois ele tem abatido a muitos. Lembro de um conto antigo que falava sobre uma convenção dos demônios, onde satanás pegou o microfone e disse: “Estamos enfrentando os crentes de muitas maneiras, mas quero lhes apresentar uma nova estratégia que promete muitos resultados: o vírus do desânimo. Lancem sobre eles esse vírus que eles logo vão encontrar justificativas de todos os tipos para não irem às Igrejas. Uma vez que eles não forem aos trabalhos e se tornarem domingueiros, nós temos uma segunda fase em nosso plano de ação: preencher o tempo da Igreja com quaisquer outras coisas que possam satisfazer o seu ego. Pode ser um momento a mais de descanso, afinal ninguém é de ferro; lazer, esportes e família também são bons argumentos, afinal, quem vai ser contra essas coisas? Assim nós conseguiremos sufocar os trabalhos semanais das Igrejas. E então vem a terceira fase do nosso projeto: calcificação. Vamos fazer com que eles não se sintam mais incomodados com suas ausências dos trabalhos, pois já estarão mais acostumados, e a culpa será algo reprovável para eles. Vamos fazer com que pensem que eles têm seus direitos e que não podem aceitar ser cobrados por ninguém, vamos fazê-los pensar que a fé é algo livre, e portanto eles têm que servir a Deus de coração, e ninguém pode força-los a nada. Façam pensar que a Igreja é um clube onde o dízimo é uma mensalidade, o pastor é assalariado, ganha para fazer a obra, e ali eles não tem obrigação nenhuma. Quando vocês chegarem nessa fase, temos também já preparada a quinta fase do nosso projeto: fazer com que deixem de ir aos domingos também.” E a história continua...

Vença o seu desânimo se apegando mais a Deus.

SDG – A DEUS TODA GLÓRIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

O CRENTE E O CARNAVAL