HOMEM CHORA? E PASTOR, CHORA?


Por: Rev. Ricardo Agreste

"Contaste os meus passos quando sofri perseguições; recolheste as minhas lágrimas no Teu odre; não estão elas inscritas no Teu livro?" Salmos 56:8.


Nossas limitações são muito mais presentes em nossas vidas do que um dia consideramos. Em meus 25 anos de ministério não foram poucas as vezes em que derramei lágrimas. Para alguns, esta é uma confissão de fraqueza. Mas, se isso é verdade, agravo minha confissão dizendo que, nos últimos anos, chorei bem mais do que nos primeiros. Alguém poderia pensar que quanto mais experientes nos tornamos, menos propensos a estas "fraquezas" ficamos. No entanto, não é assim que tem acontecido em minha vida e ministério.
 

Talvez isso seja devido ao fato de que, nos primeiros anos de ministério, tinha uma visão superestimada de minhas potencialidades e conhecia bem pouco as minhas limitações. Na medida em que o tempo passa, tornamo-nos mais conscientes de que nossas potencialidades não são tão grandes quanto imaginávamos e descobrimos que nossas limitações são muito mais presentes em nossas vidas do que um dia consideramos.
 

Soma-se a isso o fato de que, quando mais jovem, era movido por sonhos e pela esperança de ver transformações efetivas nas pessoas, nos relacionamentos e nas instituições. No entanto, à medida em que o tempo passa, entramos em contato com uma realidade bem mais complexa do que um dia sonhamos. Essa realidade conduz alguns a uma atitude de rendição e conivência, uns a um sentimento de amargura, e outros às lágrimas da inconformidade.
 

Mas, diante da constatação de que as lágrimas têm estado cada vez mais presentes em minha experiência, resolvi fazer um balanço para verificar quais são as situações em que, mais constantemente, as lágrimas surgiram.
 

Em primeiro lugar, disparado, se encontram as situações em que me deparei com minhas próprias limitações como filho, irmão, marido, pai, amigo e, principalmente, pastor. Não se trata de reconhecimento de erros, mas sim de limitações e impotências. São situações que em concluí que não tenho como corresponder às expectativas daqueles que me cercam, pois não tenho para oferecer o que esperam de mim.
 

Em segundo lugar, estão as circunstâncias em que topei com a ingratidão. Não estou falando de qualquer tipo de ingratidão: tenho em mente aquela gerada em relacionamentos pastorais nos quais depositei em conta tempo e esforço para ajudar, apoiar, restaurar e reconduzir. No entanto, no momento em que necessitei sacar um pouco de compreensão e amizade, descobri que não tinha qualquer saldo.
 

Em terceiro lugar, estão as situações em que me senti só. Por mais que existam teorias e discursos que tentem nos convencer de que precisamos ter amigos ao longo da caminhada para compartilharmos nossas dores e frustrações, é inevitável que tenhamos que passar por momentos em que nos deparamos com a solidão. Isso porque ninguém efetivamente conhece o peso e a responsabilidade de nossa própria vocação.
 

Mas se estes são os três momentos em que as lágrimas surgem em meus olhos mais constantemente, como lido com eles e experimento algum tipo de encorajamento?
 

As lágrimas geradas pela consciência de minhas próprias limitações têm me levado à conclusão de que eu preciso de um Redentor. Não são apenas as pessoas que me escutam domingo após domingo que precisam de um Salvador. Eu também preciso! Se alguma coisa boa vai ser gerada a partir da minha vida é porque Ele me resgatou de minhas próprias limitações e me capacitou de forma extraordinária.
 

As lágrimas geradas pela ingratidão têm-me levado a relembrar minha motivação primária ao envolver-me em uma relação pastoral. As palavras de Jesus para Pedro em João 21 foram: "Tu Me amas? Então pastoreia Minhas ovelhas". Logo, preciso lembrar meu próprio coração que meu envolvimento pastoral tem mais a ver com minha relação de amor com o Senhor Jesus do que com a expectativa de reconhecimento das pessoas.
 

Por fim, as lágrimas derramadas pela solidão têm-me ensinado a conhecer a solitude. Enquanto a solidão é um ambiente danoso para nossas vidas, ele pode nos propiciar a rica experiência da solitude, na qual buscamos a Deus como a fonte primária de nossas forças e de Quem ouvimos a voz que nos reorienta e nos restaura.

Acima de tudo, se o bom e supremo Pastor, enquanto homem, chorou, porque eu, que não sou bom, não deveria me dar o direito de chorar?

Cristianismo Hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT