A IGREJA PRESBITERIANA DO BRASIL COMEMORA HOJE SEUS 154 ANOS


A chegada do Rev. Ashbel Green Simonton aconteceu na manhã de 12 de agosto de 1859. O jovem missionário, de 26 anos, chegava a um país grandioso, imperial, reinado por Dom Pedro II. "É um lugar lindo, o mais singular e radiante que jamais vi (...) estou pronto para desembarcar", relatou em seu diário.

O Rev. Ashbel, ordenado Pastor há poucos meses, chegou à capital do Império, na época o Rio de Janeiro, vindo de Baltimore, Estados Unidos. Foram quase dois meses de viagem até o início da realização do seu plano de servir a Deus em solo brasileiro.

O belo Brasil, descrito por Simonton, possuía seu lado obscuro. Naquele ano, homens, mulheres e crianças de pele negra ainda eram obrigados a trabalhar para grandes senhores. O país atravessava uma crise em relação à saúde pública. Doenças como tuberculose, considerada o mal do século 19, e febre amarela, causavam transtornos e sérias preocupações, mesmo após a superação de uma epidemia de cólera.

Porém, alguns fatores contribuíram, de certa maneira, para a chegada de Simonton ao Brasil, como o processo de urbanização da cidade do Rio de Janeiro e o anseio por reformas mais profundas na sociedade, fruto dos ideais iluministas da época. Sabe-se que muitos protestantes já haviam pisado em solo brasileiro, contudo, as tentativas foram fracassadas, já que a coroa portuguesa não via com bons olhos a presença de protestantes em sua maior colônia, oficialmente católica.

Em 1859 Simonton encontrou uma terra que já desfrutava de certa liberdade religiosa e aceitava a presença de protestantes em seu solo. À entrada do Rio de Janeiro pôde avistar o Pão de Açúcar e o Corcovado. "Sentiria dificuldade em descrever a emoção que tomou conta de mim ao ver aqueles picos altaneiros dos quais tenho ouvido falar e lido tantas vezes, os quais me dizem que a viagem terminou e cheguei ao meu novo lar e campo de trabalho", resumiu o Pastor.

Em seu diário, o missionário mal conseguiu descrever suas sensações perante o desejo de desembarcar no Rio de Janeiro. Estava feliz e, ao mesmo tempo, sentia temor perante o tamanho de sua responsabilidade. Apesar de não falar o idioma português, o Pastor logo iniciou seus trabalhos e fez seus primeiros contatos com estrangeiros.
 

Em apenas 8 anos, até a data de seu falecimento, em 1867, o Missionário presenciou fatos importantes da época, tais como o lançamento do primeiro periódico protestante do Brasil - o jornal “Imprensa Evangélica” - a organização do Presbitério do Rio de Janeiro, e a criação de um seminário teológico presbiteriano.

De 12 de agosto de 1859 a 12 de agosto de 2013, muito se pode dizer a respeito da IPB. A instituição se expandiu, cresceu e consolidou suas bases no Brasil. Hoje traz à memória sua trajetória de vida e reflete a respeito do tamanho da responsabilidade de expandir o Reino de Deus pela propagação do Evangelho, a mesma responsabilidade descrita por Simonton há 154 anos, e dar continuidade à missão traçada por seus pioneiros.

Texto: Caroline Santana Pereira - Rede Presbiteriana de Comunicação.
Material Consultado: ”O Diário de Simonton”, de Alderi Souza Matos.
“Os Pioneiros Presbiterianos do Brasil”, Editora Cultura Cristã, 2004.


SDG – A DEUS TODA GLÓRIA!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?