LOUCURAS EVANGÉLICAS - FOGO AMIGO


Um pastor, com uma bandeira colorida da Igreja Quandrangular foi retirado de evento evangélico. Depois ele retornou e a organização do evento explicou que "Houve um mal entendido"...

O evento evangélico aconteceu recentemente em frente ao Congresso Nacional, em Brasília. O referido pastor foi retirado por seguranças porque portava uma bandeira colorida, símbolo da Igreja Pentecostal Quadrangular.

Ao avistarem a bandeira formada por quatro quadrados de cores roxa, vermelha, amarela e azul – que lembra a do movimento gay, com as cores do arco-íris – os seguranças pediram que o pastor se retirasse. A assessora do pastor tentou intervir e houve confusão. O pastor resistiu e foi retirado à força do palco pelos seguranças. O G1 tentou fazer imagens da retirada, mas teve que interromper por determinação dos seguranças.

Após a retirada do pastor da Quadrangular, representantes da Igreja esclareceram aos organizadores do evento que o homem forçado a deixar o local é religioso e destacaram que ele apenas segurava a bandeira símbolo de uma congregação evangélica.

Diante das explicações, os seguranças trouxeram o pastor de volta ao palco. A organização do evento disse aos jornalistas que "houve um mal entendido". Depois, informou que adotou a medida porque o evento é de “todas as igrejas evangélicas” e que, portanto, não era permitido portar bandeiras de igrejas específicas. O pastor retirado à força não quis dar entrevista.

G1.


"Fogo amigo", do inglês: "Friendly fire", é uma expressão eufêmica utilizada militarmente no que tange os aspectos de ataques aliado à aliado, ou inimigo à inimigo. Tal expressão ganhou maior reconhecimento, pois nas guerras atuais, em que não existe tanto contato físico com o inimigo, a simples suposição de um alvo faz com que o soldado queira abatê-lo, antes que o inimigo o faça. Isso é uma grande causa de vítimas aliadas em guerras. (Wikipedia).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

JOSIAS, UM REFORMADOR EM SEU TEMPO