DIA DA MACONHA


Por: Rev. Paulo Sergio da Silva

"Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquEle que nos amou." Romanos 8:37.

Hoje é o chamado "dia da maconha". Um povo prisioneiro do diabo pelos laços da falsa alegria e da falsa paz, apregoando a legalização do crime. É assim que classifico os que defendem o uso da maconha. Drogados do mundo todo tentam fazer uma propaganda a favor da liberação dessa droga. O que se pode esperar de quem deseja viver drogado? Parece que esse é, de certo modo, um retrato da sociedade que está ficando cada vez mais inebriada, entorpecida, tomada por uma sensação de que tudo pode, tudo que se quer fazer vale a pena, não importando as conseqüências de seus atos, ou se é certo ou errado... O que Deus ensinou ao homem na Bíblia é cada vez mais zombado e abandonado. Exemplo disso é uso de termos como "maluco", "maluquice", "muito louco", "viajar", que já fazem parte do vocabulário de muitos, com outros significados, mas o fato de que esses termos provêm do mundo das drogas comprova que cada vez mais nos acostumamos com essa realidade. O choque vem quando o problema é na família, ou na vida de alguém próximo de nós. Por exemplo, quantos jovens saíram das Igrejas e estão envolvidos com as drogas? Outros nem saíram. Esse é um alerta para todos, inclusive pais: cada vez mais e mais cedo, jovens e adolescentes estão bebendo álcool e tendo contato com as drogas. Pais que liberam seus filhos para frequentarem festas e shows estão expondo-os a se envolverem com essas coisas. Onde isso vai chegar? O que aguarda a próxima geração?

E o problema é grande, grave e profundo, mais do que pensamos. A maconha é o segundo degrau dos usuários de drogas, o cigarro e o álcool estão no primeiro degrau dessa escalada de morte. O problema começa com as chamadas "drogas lícitas" e depois migra para as "drogras ilícitas". Podemos entender, nesse caso, que o problema das drogas começa dentre de muitos lares... Literalmente as drogas "fazem a cabeça" dos usuários, pois para eles isso tudo não tem nada de mal, e por isso defendem o se uso indiscriminado.

Já dizia certo poeta brasileiro que "é proibido proibir", você vai cair nessa mentira? Quem proíbe essas coisa é Deus! Ele é quem coloca limites e regras para a vida das pessoas, e ai daqueles que O desrespeitam e O desobedecem. Colherão o fruto de seu desagravo em sua própria vida. E ai também das famílias que tem filhos e parentes drogados, todos sofrem o peso e as consequências desse pecado. Gálatas 6:7 nos alerta que "tudo que o homem semear isso também ceifará".

Essa massa de pessoas inescrupulosas, prisioneiras do vício, tem sustentado o comércio e o tráfico das drogas. Certamente o tráfico cresce porque há consumidores. Pense quanto sangue é derramado para que os drogados tenham a sua "curtição", o seu momento "fora do ar". Não fazem conta, não se incomodam em saber que o humilde e inofensivo (como eles classificam) "baseado", tem um preço de sangue e morte, desde o seu plantio até chegar nas "bocas" e ser comercializado.

A música influencia as massas para a normalização do consumo das drogas. Artistas e bandas como Marcelo D2 (d2 = tragada), Planet Hemp (= planeta maconha), Skank (maconha modificada geneticamente) e tantos outros, abertamente defendem a droga, como se ela não causasse mal algum. O site G1, da Globo, colocou até uma lista de 20 músicas que falam da maconha. Ora, qual é o objetivo de uma matéria como essa? Qual a mensagem que estão passando nas entrelinhas? Esse tipo de matéria traz implícita a mensagem pró-liberação, afinal toda vez que a mídia quem promover algo, ela fala desse assunto sem condenar como erro. E toda vez que a mídia quer orientar e induzir a população a não desejar algo, ela fala desse assunto com ares de crítica e reprovação. Prova disso é o modo como tais emissoras tratam o Evangelho e os evangélicos, por exemplo. Se você buscar "dia da maconha" no Google verá como essa assunto é tratado com normalidade pela mídia. O que dizer então do consumo da maconha nas escolas e nas ruas? Cada vez mais comum...

Os governantes assistem a tudo isso sem tomarem medidas reais de defesa da sociedade. Todos sabem que grande parte das nossas fronteiras estão abertas para o tráfico de drogas e de armas. Alguns argumentam que o sujeito usa droga porque quer, e que portanto o Estado está isento de culpa, que o Estado não pode assumir o papel de gestor da vida alheia, nem de pai. Eu discordo, pois o Estado tem o dever de proteger as pessoas de todo tipo de mal, especialmente em se tratando de criminosos. Os políticos ganham (e muito bem) para isso mesmo: trabalhar em prol de uma sociedade saudável e justa. Foi para isso que eles foram eleitos, para lutar em prol da ordem e do progresso, não foi?

E o pior é que não são só os "nóias" declarados que usam as drogas e movimentam os bilhões do tráfico de drogas e armas. Muitos profissionais liberais, empresários, advogados, etc., fazem uso da droga. O que nos aguarda? Como será o Brasil daqui 10, 20 anos? Não é exagero, falta de fé, ou pessimismo, é ser realista pensarmos que esse quadro tem tudo para piorar. Há uma grande chance da maconha ser descriminalizada, o tráfico crescer cada vez mais trazendo a destruição de lares e a morte de milhares que se deixarão levar pelas mentiras que o diabo tem semeado. Lembrando também que a maconha não é o último degrau das drogas. Depois da maconha vem a cocaína, haxixe, crack, heroína e anfetaminas.

Como Igreja não estamos imunes, e certamente haverá baixas. Temos que nos preparar para enfrentar a realidade das drogas que dominam o mundo. Algumas coisas básicas e elementares à vida cristã precisam de reforço. A banalização do pecado e o mundanismo, causados pelo desuso da Bíblia e da oração, abrem não brechas, mas portas e portões para que o mal entre na mente e na vida das pessoas, especialmente jovens e adolescentes, mudando conceitos, idéias e formas de pensamento, e trazendo uma nova "moralidade", ditando novas regras de conduta, destruindo assim a vida de muitos.
 

Precisamos urgentemente retornar à prática da oração, estudo da Bíblia, comunhão com Deus e com a Igreja, adoração sincera, luta contra o pecado e o mundanismo, santidade verdadeira, compromisso com Deus e com a Igreja, respeito às autoridades, aos pais e aos mais velhos, obediência a Deus e cumprimento de Sua Palavra. Esses são alguns ítens básicos na vida de qualquer cristão e toda Igreja verdadeira deve se fotalecer nesses padrões para vencer o avanço das drogas e de todo pecado.

Deus nos ajude, a vitória já é nossa em nome de Jesus!

S.D.G.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?