AS SETE PALAVRAS DA CRUZ DE CRISTO - 4ª,5ª,6ª e 7ª PALAVRAS


Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
IPB de Vila Gerti – S.C.Sul / SP
Culto Vespertino 01.04.12


4ª PALAVRA - "Deus meu, Deus meu, por que Me desamparaste?" Mateus 27:46
5ª PALAVRA - "Tenho sede" João 19:28
6ª PALAVRA - "Está consumado" João 19:30
7ª PALAVRA - “Pai, nas Tuas mãos entrego o Meu Espírito” Lucas 23:46

INTRODUÇÃO
As três primeiras palavras da Cruz de Cristo revelam o Seu amor e compaixão para com as pessoas. Nas quatro últimas palavras da Cruz encontramos Jesus orando ao Pai e falando de Seu sofrimento e Sua obra.
Nas três primeiras palavras vemos o Seu altruísmo, o amor ágape, a Sua compaixão expressa nas intercessões e cuidado para com os Seus. Nas quatro últimas palavras vemos o sofrimento do DEUS-HOMEM, Sua vitória e triunfo na Cruz, e Seu sacrifício perfeito. Perfeitamente homem Ele sofreu emocional e fisicamente como ninguém. Perfeitamente Deus Ele sofreu espiritualmente o peso, a culpa, a penalidade e a dor de nossos pecados.

Essas são as palavras finais da Cruz de Cristo. Relembrando:
1ª palavra - “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”
2ª palavra - “Em verdade te digo que hoje estarás coMigo no Paraíso”
3ª palavra - “Mulher, eis aí o teu filho” ... “Eis aí tua mãe”

Hoje veremos as quatro últimas palavras que Ele disse na Cruz, antes de enfrentar a morte, em nosso lugar.

ARGUMENTAÇÃO / DIVISÕES

4ª palavra – Mateus 27:46 (45-49)



“E perto da hora nona exclamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni; isto é, Deus Meu, Deus Meu, por que Me desamparaste?

Jesus  já estava crucificado há cerca de três horas sofrendo seus últimos momentos na Cruz, demonstrou um misto de dor e aflição, citando as palavras dos Salmos 22:1, e cumpriu-se o que havia sido profetizado em Sl 69:21. Ele foi traído por Judas Iscariodes e preso de madrugada, quando estava orando no Jardim do Getsêmani, na companhia de Seus discípulos, se bem que eles não conseguiram manter-se acordados (Mt 26:40). Foi julgado por judeus e romanos, e o condenaram à morte por crucificação juntamente com dois ladrões. Foi surrado ostensivamente pelos soldados romanos, estava muito ferido, machucado, com vários cortes pelo corpo, dilacerado e sangrando. Quando O chicotearam, partes de sua pele e de sua carne foram arrancadas, porque o chicote usado pelos soldados tinha pedaços de ossos e metais nas pontas. Ele sofria terríveis dores. Ele foi ultrajado, humilhado, zombado. Para completar a Sua dor, colocaram nEle uma coroa de espinhos pontiagudos que se encravaram em Sua cabeça fazendo-O sangrar e sofrer ainda mais... A dor que Ele sentiu é inimaginável, pois não era somente uma dor física. Se assim fosse já seria a dor mais terrível que um ser humano suportou, porém, era a minha e a sua dor, aquela era a nossa Cruz, nossa coroa... Ali estava todo o peso dos nossos pecados sobre Ele. Ele tudo sofreu, tudo suportou, tudo pagou por amor a nós.

Jesus estava totalmente desamparado, humilhado, e agora Ele sente uma dor que ainda não havia sentido e que jamais sentirá: a dor do desamparo Divino. Amparo = apoio, defesa (presença). E por que o Pai o desamparou? Por que O deixou? Por que Ele precisou ser deixado tão só naquela Cruz?

Sabemos que Deus não O defendeu e até Se retirou dEle, porque Ele levava sobre Si naquela Cruz, todo o nosso pecado, toda a nossa iniquidade. E se Deus interviesse e O livrasse daquela Cruz maldita, todo o plano de Deus para salvar o Seu povo estaria acabado.

Em Mt 26:53-54 quando Jesus foi preso Ele mesmo disse:
“Ou pensas tu que Eu não poderia agora orar a Meu Pai, e que Ele não Me daria mais de doze legiões de anjos? Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça?”

E também em João 10:17,18 Ele já havia dito: “Por isto o Pai Me ama, porque dou a Minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira de Mim, mas Eu de Mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de Meu Pai.”

Is 53:5b “Mas Ele foi traspassado pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas Suas pisaduras fomos sarados.” (Pisaduras = contusões, ferimentos).

Deus é santíssimo, e nesse momento, o Deus Pai afastou-se dEle porque Deus não poderia contemplar o nosso pecado que estava sobre Ele.

“DEUS MEU, DEUS MEU”


 
No entanto, mesmo sofrendo tanto Jesus não deixou o Pai. Ele disse: “Deus MEU, Deus MEU”. Mesmo sofrendo o maior de todos os sofrimentos que alguém sofreu, e até sentindo-Se desamparado como Ele estava, mesmo estando só e aflito, em meio às trevas que cobriram a Terra, e pregado na nossa Cruz, Ele ainda se referiu a Deus dessa forma: “Deus MEU”, ou seja: “Tu és o MEU Deus”. Ele sabia que depois de tudo aquilo que Ele estava passando, que depois de Seu sofrimento Ele iria ressuscitar e seria recebido na glória celestial. Apesar de tudo que passou Ele não desistiu, não Se rebelou, não Se irou contra aquEle que permitia todo Seu sofrimento, pois Ele sabia que havia um objetivo naquilo tudo, e que todo aquele sofrimento era necessário para que se cumprisse o plano eterno da salvação de Deus para todo o Seu povo.

5ª PALAVRA – João 19:28 (28-29)



“Depois, sabendo Jesus que já todas as coisas estavam terminadas, para que a Escritura se cumprisse, disse: Tenho sede.”

Jesus manifestou aqui, uma única vez, a Sua sede. Podemos imaginar, de modo muito limitado, o sofrimento que Ele passou. E Ele passou por tudo isso calado, sem nada pedir, exceto por essa vez em que manifestou a Sua sede.
“Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um Cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim Ele não abriu a Sua boca.” Isaías 53:7.

E aqui, no único momento em que Ele expressou a Sua sede, ao invés de água Lhe deram vinagre para beber. Como gostaríamos de estar ali para dar-Lhe água e ajudar a amenizar o Seu sofrimento... Mas deram-Lhe o vinagre que é amargo, azedo e não sacia a sede de ninguém. Lembre-se sempre disso: Ele que é a água da vida morreu com sede, por nossa causa.

Jesus é perfeitamente homem e perfeitamente Deus, o Seu sofrimento foi real! E não foi somente um sofrimento físico, mas principalmente espiritual por causa dos pecados que Ele levou sobre Si.

 

 
A pergunta que paira no ar é: e nós, do que sentimos sede? De Deus ou do pecado, da santidade de Cristo ou da maldade e corrupção? Ou ainda: o que pode saciar a nossa sede? Onde temos buscado saciar a nossa sede? Nas águas vivas que Jesus nos oferece gratuitamente? Ou nas águas amargas que esse deserto da vida oferece por um preço tão alto? Jesus pagou esse preço altíssimo para salvar a nossa vida, e o mundo cobra o mesmo preço por uma vida de pecados, pois o salário do pecado é a morte.

Jesus disse: 

"Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos." Mateus 5:6.


Ele padeceu tudo isso em nosso lugar, somente para nos salvar, porque nos amou...

6ª PALAVRA – João 19:28-42


 
“E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o Espírito.” João 19:30.

Nesta sexta palavra o Senhor Jesus faz uma declaração fundamental para a fé cristã: ESTÁ CONSUMADO. Significa que Ele pagou totalmente o preço dos nossos pecados, a obra estava realizada, a sua missão fora cumprida!

“A pior prova, a de suportar no lugar do Seu povo o juízo de Deus contra o pecado, estava superada.” (BEG).

A palavra em grego que aparece aqui é "tetelestai" que significa “liquidado, pago”. Está consumado = está pago.

Segundo o site www.bíbliaonline.net, recibos de impostos em papiro foram encontrados com a palavra grega "tetelestai" escrita neles, o que significa "liquidado, pago".

O que significa a morte de Jesus Cristo? Muitas coisas. Vamos trabalhar em cinco lições acerca do significado deste precioso sacrifício que Ele realizou.

6.1 – RESGATE
A morte de Cristo pagou o preço da penalidade pelo pecado. O pecado tem uma penalidade a ser cumprida (paga), e essa penalidade é a morte eterna. No caso dos crentes Cristo pagou este preço no lugar deles.

“Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos.” Mt 20:28.
“O qual se deu a Si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo.” 1 Tm 2:6.
 “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor.” Rm 6:23. 


6.2 – RECONCILIAÇÃO
A posição do mundo em relação a Deus foi modificada pela morte de Cristo, de tal modo que agora, todo aquele que nEle crer será salvo.
“E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação.” 2 Co 5:18,19 (At 2:21; Rm 10:9-10).

6.3 – PROPICIAÇÃO
“O sacrifício de Jesus, de Si mesmo e a Sua morte, para cumprir a justiça divina e obter a reconciliação entre Deus e os homens.” (PEB).

A justiça de Deus foi satisfeita com a morte de Cristo.
“E Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.” 1 Jo 2:2.
“Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que Ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados.” 1 Jo 4:10 (Hb 9:14; Hb 9:22,28).

6.4 – NOSSO SUBSTITUTO
Cristo morreu no lugar de pecadores, Ele é o nosso substituto na Cruz.
“Àquele que não conheceu pecado, O fez pecado por nós; para que nEle fôssemos feitos justiça de Deus.” 2 Co 5:21.

Aqui está o coração do Evangelho: o Salvador sem pecado algum assumiu os nossos pecados para que possamos ter a justiça de Deus.

Jesus foi à cruz em nosso lugar, por compaixão, mas sem nenhuma sombra, mancha ou semente de pecado.
“Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.” Hb 4:15.

6.5 – A MAIOR PROVA DE AMOR
O sacrifício de Jesus é a maior prova do amor de Deus por nós. Qual o preço de uma alma para Deus? O preço do sangue de Seu próprio Filho unigênito. Como diz o cântico “você tem valor!” Esse valor é muito maior do que prata ou ouro ou riquezas, o valor que os filhos de Deus têm é o Sangue de Jesus. Para que pudéssemos ser salvos o Senhor pagou o maior preço, deu a maior prova de amor: a vida do Seu Filho, Jesus Cristo.

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” Jo 3:16.

7ª PALAVRA – Lucas 23:46



“E, clamando Jesus com grande voz, disse: Pai, nas Tuas mãos entrego o Meu Espírito. E, havendo dito isto, expirou.”

O que aconteceu quando o Senhor Jesus entregou-Se nas mãos do Pai eterno, em Sua morte?

1 – JESUS ENTREGOU SEU ESPÍRITO AO PAI
O Seu corpo morreu, mas Seu Espírito permaneceu intocado na morte.
É importante lembrar que Jesus morreu em Seu corpo na cruz, mas o Seu Espírito não morreu. Aliás, NENHUM ESPÍRITO MORRE, o sentido de morte espiritual não é a aniquilação total deste, mas a separação eterna entre esse tal espírito e a graça do Deus eterno. Quando Jesus entregou o seu Espírito nas mãos do Pai, Ele sabia que o Pai cuidaria perfeitamente dEle. Que segurança tem o crente. Pois estamos seguros e entregues nas mãos de nosso Pai eterno! Que diferença entre a morte do crente que tem convicção de sua salvação eterna, e a morte do ímpio que não sabe para onde vai, e que vive debaixo do estigma da morte eterna no inferno.

2 – ELE CONTINUOU SUA OBRA
O que aconteceu durante o período de tempo entre a morte e a ressurreição de Jesus não nos é revelado com riqueza de detalhes, mas o texto de 1 Pedro 3:18-20 e 4:6 se por um lado não nos esclarece profundamente, por outro lado nos revela algo extremamente interessante.

Entre a Sua morte e ressurreição, Jesus anunciou a Sua vitória aos espíritos dos perversos contemporâneos de Noé que estão confinados no reino dos mortos. Uma idéia semelhante é que Cristo proclamou a Sua vitória aos anjos caídos em seu lugar de confinamento. (BEG).

Como se nota essa é uma revelação envolva em muitos mistérios, mas à luz de Colossenses 2:14 sabemos que em sua morte na cruz Jesus desarmou os principados e potestades (despojar = desarmar).
“Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz. E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.”

“E eu, quando (O) vi, caí a seus pés como morto; e Ele pôs sobre mim a Sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último; e aquEle que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos. E tenho as chaves da morte e do inferno.” Ap 1:17-18.

3 –ELE VENCEU A MORTE NA RESSURREIÇÃO
Jesus precisava vencer a morte, a morte era o último inimigo a ser vencido:
“Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte.” 1 Coríntios 15:26.

Para vencer a morte Jesus precisava passar por ela primeiro. Por isso, era necessário que Ele morresse primeiro para depois ressuscitar. Foi exatamente isso que Ele fez morrendo na Cruz. Agora, na morte Ele pôde vencer a própria morte, pois ao terceiro dia Ele ressuscitou.

“Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória? Ora, o aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Mas graças a Deus que nos dá a vitória por nosso SENHOR Jesus Cristo. Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor.” 1 Co 15:54b-58.

E naquela manhã de domingo, em Marcos 16, quando Maria Madalena, Maria mãe de Tiago e Salomé foram levar aromas para embalsamar o corpo de Jesus, elas tiveram uma grande surpresa. Glórias ao nome do Senhor, a pedra havia sido removida, o corpo do Senhor Jesus não estava mais ali, pois Ele já tinha ressuscitado, Ele venceu a morte!

4 – APÓS SUA MORTE E RESSURREIÇÃO ELE PROMETEU VOLTAR
Quando Jesus morreu, entregando-se nas mãos do Pai celestial, Ele estava completando a parte da Sua grandiosa obra o que poderíamos chamar de “primeira fase”, em que Ele veio como “o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.” Era necessário que Ele assim procedesse entregando-se para pagar o preço dos nossos pecados. Mas a Bíblia Sagrada nos revela que existe uma “segunda fase” quando Ele retornará como o Leão da tribo de Judá, no dia em que Ele voltará para julgar os vivos e os mortos, “julgará o mundo com justiça e os povos com equidade.” (Sl 98:9).

“Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em Mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, Eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando Eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para Mim mesmo, para que onde Eu estiver estejais vós também.” João 14:1-3.

Aguardamos ansiosamente a volta do Senhor Jesus, quando Ele virá com majestade e glória para nos buscar, e todo olho o verá.

“Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem.” Mateus 24:27.

CONCLUSÃO
Sem dúvida a vinda de Cristo e a Sua obra consumada é o maior evento da história e de toda a humanidade. E essa maravilhosa obra se completará no tempo de Deus, quando Ele vier com toda a Sua majestade e glória.
Notemos nesses dois contextos as seguintes lições:

1 - NUNCA SE SINTA SÓ
Jesus padeceu tudo isso por nós, por isso nós jamais sofreremos o que Ele sofreu em nosso lugar. Jamais seremos deixamos assim pelo Pai, Ele agora habita conosco e está dentro de nossos corações em todos os nossos momentos, tanto os de alegria e prazer como nos momentos de dor e sofrimento. Muitas pessoas pensam que o seu sofrimento é o maior sofrimento do mundo e que Deus as abandonou. O Senhor nunca nos abandona, pois Ele nos vê através de Jesus, e em Mt 28:20 Jesus disse:
“...eis que Eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.

2 - QUANTO À SEDE
Jesus teve sede de água e lhe deram vinagre em lugar água para beber. Se nós estivéssemos ali na condição de ajudá-Lo, o que faríamos? Será que nós, se pudéssemos, Lhe daríamos água para beber? A resposta pode ser dada se lembrarmos de Suas palavras:

“E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão.” Mateus 10:42.
“Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.” Mateus 25: 40.

Qual é a nossa sede? Sede de Deus e de sua justiça, ou sede de pecado?
“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos.” Mateus 5:6.

3 – JESUS CUMPRIU TOTALMENTE A SUA MISSÃO
Jesus pagou totalmente o preço dos nossos pecados. Agora não precisamos fazer mais nada para sermos perdoados, exceto nos arrependermos e pedir perdão. Não precisamos fazer sacrifícios, novenas, caminhadas, procissões e promessas. Para sermos perdoados basta crer no Senhor e confessar a Ele os seus pecados. Parece fácil, simples demais? Pois saiba que não é simples e não fácil, custou a vida do Senhor!

4 – JESUS MORREU NOS BRAÇOS DE DEUS
Naquele último momento de vida o Senhor entregou-se aos braços do Pai!
Semelhantemente, quando chegar a nossa hora, iremos também nos entregar aos braços do nosso Pai, porque Deus é o dono do espírito do crente tanto na vida como na morte. Portanto após a nossa morte o nosso espírito não ficará em nenhum outro lugar, nem em algum tipo de sono espiritual, mas estaremos com o Senhor na Sua glória celestial.

5 - JESUS RESSUSCITOU E EM BREVE VOLTARÁ

A morte não poderia deter o Autor da Vida! Ao terceiro dia Ele ressuscitou, e em breve voltará! Em João 14:6 Jesus disse que foi preparar um lugar de habitação eterna para o crente, lugar esse que aguardamos conhecer e habitar. Ali estaremos para sempre com o Senhor! JESUS RESSUSCITOU! E assim como Ele ressuscitou, o crente também ressuscitará, e na semelhança da Sua ressurreição seremos glorificados.


Que possamos viver à sombra dessas grandiosas bênçãos que o Senhor Jesus conquistou por nós na cruz em Sua morte e ressurreição.

Material de apoio:
A Bíblia Anotada; Bíblia de Genebra; Pequene Enciclopédia Bíblica.


Leia também AS SETE PALAVRAS DA CRUZ DE CRISTO – 1ª, 2ª e 3ª PALAVRAS

SOLI DEO GLORIA!!!

Comentários

Postar um comentário

FIQUE A VONTADE, DEIXE SEUS COMENTÁRIOS!!!

Obs: comentários serão bem-vindos se forem educados e não usarem termos ofensivos. Podemos discordar, mas vamos procurar manter o nível da educação e do respeito. Obs.: ao comentar identifique-se, pois não publicamos comentários anônimos.

Best regards in Christ, God bless you!!!

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT