LOUCURAS EVANGÉLICAS - SHOFAR NA IGREJA

Por: Luiz Fernando R. de Souza

Puplico este artigo por entender que continua o processo judaizante da Igreja. Aquilo que Paulo combateu adentrou na Igreja pela porta da frente e somente descaracteriza o Evangelho.

Depois que vi este vídeo não posso deixar de tecer alguns comentários. Sugiro que você veja este vídeo e leia os comentários abaixo. 


O que está acontecendo com algumas Igrejas é algo estarrecedor. Existe uma prática consciente de abandonar o Novo Testamento como norma para o cristão e um abraçar exacerbado de práticas vétero-testamentárias como normas para os dias atuais. 

Temos como princípio distintivo doutrinário que o livro de norma prática de culto para o cristão é o Novo Testamento. Isso não nega a inspiração ou proveito do Antigo Testamento, nem que o Novo Testamento é um desenvolvimento do Antigo. Afirma, sem dúvida, que o Antigo Testamento, como um sistema típico, educativo e transitório, foi cumprido por Cristo, e como norma legal e caminho de vida foi cravado na Cruz de Cristo. Não devemos recorrer ao Antigo Testamento para encontrar Lei cristã ou instituições cristãs. Não é ali que encontramos a verdadeira idéia de Igreja Cristã, nem de seus oficiais, nem de suas ordenanças ou sacramentos, nem de seu culto, nem de sua missão, nem de seus rituais e nem de seu sacerdócio.
 
Muitas igrejas na consagração ao ministério pastoral praticam a unção com óleo. Isso deve ser para fazer referência ao ato de ungir com óleo o sacerdote no Antigo Testamento. No Novo Testamento a consagração ao ministério pastoral não é praticada com unção com óleo como símbolo do Espírito Santo. Mas em algumas denominações o erro continua.
 

Podemos perguntar: por que tocar shofar na Igreja e em seus cultos? Qual a lógica de se criar uma escola para ensino dessa prática? Somente há uma resposta: CONFUSÃO, pois essas são práticas judaicas (e judaizantes) totalmente estranhas ao que nos ensina o Novo Testamento.
 

Os irmãos que aparecem no vídeo abaixo afirmam algumas coisas e creio que não houve dolo da parte deles e até creio na sinceridade de suas intenções, mas um total desconhecimento de Teologia Bíblica, e da própria Bíblia Sagrada.



Gostaria de ponderar algumas afirmações feitas:

1 - Ao participar de um "ato profético" e ouvir o toque do shofar sentiu que era chamado por Deus.

Em primeiro lugar "ato profético" não é encontrado no Novo Testamento. Até hoje ninguém definiu teologicamente "ato profético". Creio ser uma interpretação ou modismo ou introdução de uma linguagem cristã
chula. Pensar que "ato profético" é fazer algo aqui na Terra que será realizado no Céu é no mínimo uma coisa infantil, para não dizer desprovida de intelectualidade bíblica e heresia. 

Pois bem, alguém ouvir outro tocar shofar e se sentir chamado é algo puramente subjetivo, emocional e não pode ser base para nada. Antes de qualquer coisa não existe chamado para se tocar shofar no Novo Testamento. Se o Novo Testamento é o princípio regulador para o cristão então este chamado é igual a nada. O senso que Deus falou conosco deve ser provado no crisol da Palavra, mas como isso levaria a uma grande frustração por parte daqueles que se sentem chamados, então eles desprezam a Palavra e firma-se nos sentimentos. Esse comportamento é puramente uma manifestação de carnalidade e expressão da pós-modernidade.

2 - O jovem disse que depois de aprender a tocar o shofar ele passou ter mais comunhão com Deus e as pessoas são tocadas pelo som do mesmo.

Isso é atribuir poderes miraculosos a um chifre de carneiro. Cheira a animismo. O desejo por maior comunhão com Deus não se dá através de sons de instrumentos, mas pelo simples fato de crermos em Deus, O amarmos, obedecermos, e querermos Sua companhia. Se o motivador é tocar shofar então podemos dizer que outros sons também motivam. Um chifre de carneiro tem tal poder assim? Só porque alguém consagrou tal shofar ele agora passou a ser especial e ungido a tal ponto de mudar comportamentos e influenciar pessoas? Isso é muita infantilidade, desprovido de racionalidade e base bíblica. 


Mas essa onda judaizante que entrou na Igreja está causando estragos irreparáveis. Pessoas serem tocadas pelo som do shofar é atrair atenção para si. É querer ser especial demais dentre muitos. Pelo que venho estudando a mais de 25 anos em teologia, Bíblia e história da Igreja, nada igual foi vivido pelos cristãos antes. 

3 - O "pastor" afirmou que nós sabemos, através de textos bíblicos, que a Igreja Primitiva usava o shofar em batalha espiritual.

De qual Novo Testamento foi tirada tal afirmação? É uma afirmação no mínimo desleixada ou feita a esmo e que induz ao erro. Não existe tal afirmação no Novo Testamento. Possuo várias versões da Bíblia e nunca vi nada igual. Nunca soube pela história da Igreja que isso foi utilizado pela mesma como meio de aproximação de Deus. Arma de Batalha espiritual? Isso é acrescentar ao texto sagrado o que ele não contém. As únicas armas que Paulo menciona no Novo Testamento estão em Ef 6:13-20 que transcrevo abaixo:
 

"13  Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes.
14  Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; 

15  E calçados os pés na preparação do Evangelho da paz; 
16  Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno.
17  Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus; 

18  Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos, 
19  E por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do Evangelho,
20 Pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar".

 

Não encontrei o shofar como arma de batalha espiritual, você encontrou?

4 - Foi afirmado que o toque do shofar aponta para o Messias, que lembra a Igreja que Ele está voltando, e que o toque do shofar anima a Igreja.

Todo tipo no Antigo Testamento apontava para o antítipo que era Cristo. Mas como diz o autor de Hebreus esses tipos eram sombras do que havia de vir e quando Cristo veio os tipos perderam os significados, pois, já temos o verdadeiro e as sombras passaram. Então este "pastor" cometeu um erro elementar de não saber Bíblia. Mas como um pastor pode deixar de conhecer a Bíblia, sendo ela seu principal instrumento de trabalho? Acredito que deva ser mais um daqueles "pastores ungidos e consagrados" que nunca se assentaram em um banco de faculdade de teologia, ou seminário livre e de boa procedência para estudar Teologia. Se esse for o caso fico a me perguntar: de quem é a culpa? Da igreja que irresponsavelmente consagrou tal pessoa? Ou da pessoa que ambicionando status aceita tal título irresponsavelmente? No fundo os dois são os culpados. Ambos negligenciaram os princípios da Palavra.
 

Afirmar que o toque do shofar lembra à Igreja que Cristo está voltando é no mínimo brincadeira de mau gosto. Onde está isso na Bíblia? E agora falo da Bíblia toda e não somente do Novo Testamento. Afirmar que isso anima a Igreja soa a criancice. O que deveria animar a Igreja é a pregação vigorosa da Palavra de Deus. Deveria ser uma exposição do texto bíblico com preparo em pesquisas, oração e unção do Espírito Santo e nunca o som de chifre de carneiro. Tal afirmação enjoa qualquer pessoa de intelectualidade mediana. 

5 - A repórter afirma que através de uma revelação de Deus nasceu a escola de shofar Brit.

Alguém disse que Deus falou e isso vira verdade. A questão que fica sem resposta é que o pastor disse que Deus não havia falado com ele, mas sua esposa volta de uma viagem a Israel e lhe traz uma revelação. Pergunto: quem é o cabeça nessa relação? É a mulher que ensina o homem ou deveria ser o contrário, segundo Paulo? Mesmo que minha mulher trouxesse uma nova revelação para mim, eu deveria provar isso à luz da Bíblia, antes de mais nada. Mas parece que o pastor aceitou tal revelação acriticamente, isto é, sem o mínino de apreciação bíblica. Isso é jogar no lixo toda forma de racionalidade em nome de uma espiritualidade doentia e mesmo evidencia a fraqueza e inadimplência de tal pastor diante da vida. Desde quando a mulher de pastor tem palavra autoritativa final na vida de pastor ou quem quer que seja? Ridículo!
 

Daí nasceu uma escola para ensinar tocar shofar... Só falta mesmo acreditar em papai noel e coelhinho da páscoa.

6 - O tal "pastor" afirma que conhecendo o shofar o chamado se evidencia.

Sempre entendi que quando existe um chamado de Deus ele parte de Deus e nunca de coisas materiais. Mas como os tempos mudaram, será que Deus mudou também o Seu modo de agir? De modo algum!!!

"Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus." Mateus 22:29.

CONCLUSÃO

Cabe a cada um de nós nos posicionarmos contra tais comportamentos e afirmações, mesmo que sejamos taxados de bitolados e retrógrados. Nosso eterno compromisso é com a Palavra e somente com Ela. Nada disso que está neste vídeo deve nos motivar, mas nos levar a rejeitar tais ensinos como erráticos e heréticos. Os resultados desses ensinos são: cristãos alienados, sentimentais e pouco racionais, igreja sempre menina e nunca madura, espiritualidade doentia e adoecedora e ridicularização por parte do mundo.

"O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro." Efésios 4:14.

Extraído e adaptado de Força Para Viver.
O autor é Pastor da Igreja Batista da Aliança em Belo Horizonte, formado em História e Teologia, Pós Graduado em ADM Financeira, conferencista e autor do livro "Ossos dos Meus Ossos e Carne da Minha Carne".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT