A IGREJA E MISSÕES - NOTÍCIAS DO SENEGAL

Rev. Everton - Senegal
Olá queridos (as) parceiros(as) do

Projeto Brasil-Mbour 


Est formidable! 

“...antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós...” 1 Pedro 3:15.

No último dia 19 de Julho demos entrada dos documentos na Polícia dos Estrangeiros em Thiés, para solicitar nosso visto de permanência. Desde o início da nossa estada aqui no Senegal sempre que possível respondemos à todos que nos pediram razão dos motivos da nossa estada aqui e o por quê. Mesmo debaixo de uma postura preocupada e alarmada de alguns missionários que nos dizem: “fiquem quietos, cuidado com o que falam, não diga o que vieram fazer aqui, etc...”. Nós assumimos uma postura de sermos zelosos do que é bom e de apontar o pecado e erro de um povo longe de Deus. Falamos sobre como o sistema de Talibês maltratam as crianças e que as esmolas dadas pelo povo não refletem bondade, nem espiritualidade, mas certa culpa. Inclusive falávamos sobre isso no interior da sede da Polícia dos Estrangeiros. Para nossa surpresa ao entrar na sala do comissário para a entrevista que permitiria ou não nossa permanência aqui. O comissário ao saber que éramos missionários exclamou: "Est formidable!" Que surpresa tivemos! Uma autoridade senegalesa impressionado com a presença de missionários evangélicos? Descobrimos que se tratava de um católico e que admirava o trabalho protestante e a presença de missionários para atuar em seu país. Por várias vezes ele repetiu a frase: "É formidável!" Foi nos dado o visto no mesmo dia, com valídade até janeiro, como de praxe e saímos fortalecidos da polícia, com a certeza de que não devemos nos amedrontar com as ameaças e nem ficar alarmados como nos ensina 1 Pedro 3:13-17. Sabemos que se um dia as portas se fecharem para nossa permanência aqui, será porque Deus fechou. E não levaremos na consciência o peso de que passamos anos aqui e não falamos ou vivemos como deveríamos falar e viver. Orem para que Deus nos fortaleça neste propósito e bom procedimento em Cristo.

Temos muito para contar. Este mês de julho foi muito abençoado!

Vamos por partes:

Família 

Estamos todos bem, gozando de boa saúde e festejamos bastante: 12 anos de casamento (10/07); aniversário de 4 anos do Samuel (15/07) e meu aniversário (25/07). Recebemos a visita da Tia Nilza (irmã do meu pai) e do Juninho (ambos crentes e de Barretos que ficarão conosco até o dia 14 de Agosto).

As crianças estão firmes nas aulas particulares de francês e estão recebendo elogios das professoras.

Nossa casa está toda arrumada e decorada com fotos das crianças e da família. Temos recebido as visitas de vários missionários e brasileiros que vieram dar um tempo de trabalho no campo missionário (equipe de dentistas e a família do Pr. Ricardo Gutierrez). Passamos bons momentos de almoço e lanches.

A Clarissa conseguiu passar roupas. (Rsss). E fizemos uma grade para a nossa cachorra emprestada (“Menina” – do Pr. Ronaldo, antigo morador aqui) ficar solta no quintal.

Trabalho na propriedade 

Assumimos a administração da propriedade em Sinthiou Mbadane – Mbour. Estamos com a construção da caixa D’água para o poço artesiano (recursos provindos da APMT-IPB); a primeira casa para meninos (oferta conseguida pelo Pr. José Dilson); adaptação da clínica odontológica, instalação de fossa séptica, escada e instalação d’água (investimento de parceiros do Projeto Brasil-Mbour) e manutenção geral da propriedade (rateio entre os missionários: Eu, Pr. José Dilson e Pr. Marco). Ao todo temos cerca de 12 pessoas diariamente trabalhando na propriedade. Já dá um trabalhinho e tanto, principalmente a comunicação (português, francês, pullar, crioulo, serere e wolof). Rsss...

Igreja em Sinthiou Mbadane 

Desde o primeiro domingo começamos os cultos em nossa casa. Mas, começamos a Igreja no segundo domingo de julho. Temos três convertidos freqüentes da aldeia serere (Adama, Alade e Ibou) e três novos convertidos, fruto do nosso trabalho (Tedhie, Omar e Rhamá - além da sua filha menor Dristy). Temos recebido visitas de outros missionários e pessoas que visitam o Senegal. Os cultos são em francês e eu tenho pregado. Obviamente não tão correto, mas com muito esforço e dedicação. A Igreja tem sido tolerante e ciente que nosso conhecimento teológico é muito superior ao do francês, mas que com a ajuda deles posso passar o que sei da Bíblia e da vida com Deus. Temos nos entendido! Alguns missionários nos consideram loucos, mas na verdade quem fala ao coração não é o meu francês correto, mas o Espírito de Deus. Então vamos pregando.

Já tivemos três cultos. Compramos 20 cadeiras e ganhamos mais 10 de oferta. Mandamos fazer um pequeno púlpito e ganhamos uma pequena mesa. Hoje contamos com a família da Judite (viúva crente vinda de Guiné-Bissau com seus 6 filhos pequenos), David (outro crente e pedreiro responsável pela construção da caixa d’água), os mencionados acima e nossa família. Ao todo somos 20 pessoas, sendo 10 adultos (4 professos) e 10 crianças (8 batizadas). Nossos cultos são aos domingos das 9h30m até 11h30m e estudo bíblico nas sextas-feiras das 15h00 às 16h30m.

Estamos programando um evangelismo na aldeia do Sr. Tedhie. Ore conosco para que dê certo.

Demais atividades 

Temos visitado instituições fraternas (orfanato, centros de saúde, etc.), feito visitas nas aldeias, dado consultoria a outros trabalhos em aldeias, mantido contato com pessoas chaves para o desenvolvimento do projeto. Inclusive em reunião com o Chefe da Aldeia conseguimos uma autorização formal para trabalhar com a clínica odontológica atendendo o povo da jurisdição. Temos conversado com várias pessoas, assistido com roupas, compra de remédios, alimentos e outras necessidades. Temos distribuído bíblias em Francês e orado por pessoas na aldeia.

Temos mantido relacionamento e recebido pessoas em casa para compartilhar da Palavra de Deus e passar o filme Jesus.

Testemunho 

Desde o primeiro mês a Clarissa tem saído de casa e aproveitado as oportunidades no comércio e no contato com os vizinhos e vendedoras da praia, pescadores e etc. Numa das suas saídas ela conheceu a Rhama. Uma jovem senhora mulçumana, cujo esposo trabalha em outra cidade. Ela perguntou quem era a Clarissa e o motivo da sua presença no Senegal. A Clá respondeu que era Missionária e que estava aqui para ajudar as crianças da rua e falar do amor de Deus para as pessoas. Para sua surpresa a Rhama procurou-a em particular e pediu uma Bíblia. Sua família é mulçumana e não aceitaria tal postura.

Demos a Bíblia com todo a prudência e discrição e convidamos a Rhama e sua filhinha para virem até nossa casa. Compartilhamos da Palavra de Deus e do plano de Salvação e convidamos ela para ir até a Igreja na propriedade em Sinthiou Mbadane. Ela aceitou, combinamos o horário e a levamos. Depois começamos o discipulado. Descobrimos que uma irmã dela se converteu ao cristianismo e freqüenta a Igreja Metodista no norte do Senegal. Seu pai a expulsou de casa e proibiu qualquer tipo de comunicação com esta irmã. Ela se casou com um Pastor Metodista e numa das poucas conversas que tiveram, a irmã disse: “Estarei orando para que Deus envie missionários para falar de Jesus e explicar a Bíblia para você”. Por isso, quando a Clarissa disse que era Missionária, a Rhama entendeu que Deus havia ouvido a oração de sua irmã e que ela precisava ouvir o que nós tínhamos para dizer. Deus é tremendo! Hoje estamos num processo de discipulado. Já passamos o filme Jesus para ela, demos um livro que fala das coisas básicas do cristianismo, ela tem vindo a nossa casa com freqüência e participado dos cultos. Ela ainda não expressou sua fé, explicou que tem medo que aconteça com ela o que aconteceu com sua irmã. Seu marido deve voltar para casa em setembro. Estamos fazendo a nossa parte. Convido você a orar conosco pela vida da Rhama. Não sabemos o que irá acontecer quando o esposo dela chegar, ou se descobrirem que ela está indo na Igreja e que tem uma Bíblia. Ore conosco. Cremos que um dos motivos da nossa vinda aqui é devido o plano de Deus na vida da Rhama. Ela é filha de um pai serere com uma mãe fulani. Ela fala wolof, serere, pullar e francês e seria muito útil na evangelização. Deus sabe!

Pedidos de Oração

- Por nossa família;

- Pelas crianças no estudo do Francês;

- Pelo trabalho na propriedade e pelas pessoas que estão trabalhando lá;

- Pelo término do trabalho na clínica e pelo início do atendimento;

- Pela vida dos novos convertidos (Tedhie, Omar e Rhama);

- Por recursos humanos e financeiros;

- Pela nossa saúde e ânimo;

- Pelos nossos familiares, Igrejas e amigos no Brasil que fielmente têm enviado a parceria e ofertas;

- Por novos frutos e fortalecimento da Igreja Presbiteriana de Sinthiou Mbadane;

- Pela conversão do chefe da aldeia (Galo Diá) e pela conversão da família da Rhama.

Despedida 

Queridos(as) obrigado pelo seu tempo e compromisso com o Projeto Brasil-Mbour. Muitas outras experiências nós temos para contar, talvez as fotos anexas sirvam para compartilhar. Deus tem sido maravilhoso e tem nos suprido em tudo.

Estamos no ramadã e os mulçumanos têm confessado sua fé de modo mais intrépido. Com sabedoria temos mostrado que Jesus Cristo já passou por todo o sofrimento em nosso lugar para que hoje tenhamos vida nEle. Estamos lidando com pessoas presas a uma escravidão espiritual tamanha. Precisamos da sua oração.

Todos os dias vemos crianças, senhoras e homens vivendo em condições subumanas. Onde um pouco já faria muita diferença para eles. Viúvas, órfãos e pessoas que tentam viver o dia, sem esperança e sem mantimento digno.

Precisamos da sua fidelidade e liberalidade para continuar nosso trabalho aqui. Precisamos do seu apoio e ânimo. Precisamos que você compartilhe nosso projeto e anime outros a colaborarem também.

Permaneçam conosco!

Um grande abraço.

NEle,

Pr. Everton Matheus, Clarissa, Duda, Helo e Samuel

Projeto Brasil-Mbour

Sinthiou Mbadane - Mbour - Senegal (06/08/11).



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

IPB EM FOCO - SIMONTON E AS BASES DO PRESBITERIANISMO NO BRASIL