ESTUDOS NO BREVE CATECISMO (8)

3ª IPB de Barretos / SP
Estudo Bíblico 25.08.11


EXECUÇÃO DO DECRETO

Pergunta 8 - Como Deus executa os Seus decretos?

Resposta: Deus executa os seus decretos nas obras da criação e da providência.

Ref.: Ap 4:11; Dn 4:35; Is 40:26; 14:26-27; 46:9-11; At 4:24.

(Os comentários abaixo são do Rev. Onézio Figueiredo)


EXECUTADO NA CRIAÇÃO

A doutrina credal: “Creio em Deus Pai, todo poderoso, Criador do céu e da terra” anuncia-nos três princípios consistentes de fé, embasadores da autêntica confissão cristã:

a- A crença num Deus Criador pessoal, inteligente, volitivo, cognitivo, acima e além da criação, que não se funde no cosmos e com ele não se confunde. A criação, pois, não é a identidade de Deus; ele não se identifica com ela ou nela se incorpora. O mundo físico, sem dúvida, é a manifestação visível de seu poder, majestade e glória. Não há lugar, no verdadeiro cristianismo, para o panteísmo cuja doutrina podemos sintetizar na frase: “Tudo é Deus, pois Deus é tudo”; e muito menos para o panenteismo, que admite a “evolução sapiencial de Deus.” Segundo essa corrente teológica, o conhecimento de Deus cresce com o crescimento do universo; mas “conhecer” para Deus é incorporar em si mesmo o objeto conhecido. Desta maneira, a identidade divina, própria, eterna, abstrata e essencial, dizem os panenteistas, existe na e pela realidade temporal concreta na qual se expressa e com a qual se identifica, pois a criatura é assimilada pelo Criador e o assimila. Deus, para o cristão reformado, é Criador de todas as coisas a partir do nada, e deve ser adorado em espírito, jamais por meio de ícones da natureza.

b- A crença num Deus onipotente, dominador das forças naturais e das potências espirituais, autor de todas as leis físicas, químicas e biológicas do universo; o único que pode suspendê-las ou alterá-las temporária ou finitivamente por meio de procedimento divinamente normal, a que chamamos “milagre.” Os nossos finitos olhos enxergam, geralmente, o universo e a humanidade num estado caótico e descontrolável. Isto porque a finitude em si é parcial, não podendo captar a globalidade e a essencialidade do conjunto universal da criação e das civilizações. Cremos, no entanto, que tudo está sob o governo e controle de Deus e em absoluta ordem.

c- Cremos na criação geral do universo e na criação especial do homem como descritas em Gênesis: “No princípio criou Deus os céus e a terra.” “E fez Deus os dois grandes luzeiros: O maior para governar o dia, e o menor para governar a noite; e fez também as estrelas.” “Assim, pois, foram acabados os céus e a terra, e todo o seu exército”( Gn 1.1; 1.16; 2.1). “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os repteis que rastejam pela terra. Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou, homem e mulher os criou”(Gn 1.26,27). “Então formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra, e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente”(Gn 2.7). O universo físico e biológico foi criado pela imperativa e construtiva Palavra de Deus. O homem, porém, ser especialíssima(Sl 8.4-8), é obra da ação direta, manual, do Criador. O propósito original e final era: O homem, por sua magnitude, dignidade e espiritualidade refletisse, como imagem, o seu Criador. Este objetivo foi prejudicado pela queda, mas restaurado em Jesus Cristo, o Filho do Homem, Deus conosco.

EXECUTADO NA PROVIDÊNCIA

O decreto de Deus tem duas dimensões distintas mas conexas: A da criação e a da providência. Providência significa que a criação está sob o domínio diretor, protetor e amparador de Deus. O Criador governa a criação e as criaturas, não importando a dimensão física de cada uma. Ao homem, um ser da terra(adamah), delegou poderes governamentais, regencias, descobridores, inventivos, criativos e artísticos. Nada, pois, acontece por acaso. Tudo que o homem é, faz e inventa procede da sapiente autoridade divina por ordenação ou por permissão. Pela providência o Criador continua criando tanto pela dinâmica vital da natureza como pela inteligência inquiridora e pesquisadora de sua imagem, embora distorcida, do ser humano. O mesmo decreto que trouxe à existência o sol, trouxe também o átomo e a molécula, fez aparecer a humanidade, e permite a emergência dos fenômenos naturais, históricos e sociais.


Clique aqui e leia o estudo anterior.
Conheça o Breve Catecismo de Westminster.
Clique aqui e baixe o Breve Catecismo comentado pelo Rev. Onézio Figueiredo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PASTORES VOADORES

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT