SEM OLIVAS, SEM AZEITE

“Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado; todavia eu me alegrarei no SENHOR; exultarei no Deus da minha salvação.” Habacuque 3:17-18.

As oliveiras são as árvores que produzem as olivas, no Brasil conhecidas como azeitonas, que são de onde se tira o azeite. A falta delas, portanto, poderia representar, simbolicamente, falta de unção, falta de resultado espiritual no ministério, falta de inspiração, e assim por diante.

Existem períodos de nossas vidas ministeriais em que parece que pregamos para as paredes, que evangelizamos botinas e que ministramos adoração para uma horta de abóboras. Nada acontece, ninguém se move, nem uma conversão, nada de cura, nem ao menos um “aleluia” se ouve. É como se a oração não passasse do teto. Já passei por isso e vejo tantos cristãos passando por isso. Posso dizer com propriedade: isso é só uma fase, isso passa, então persista. É só continuar orando, clamando por misericórdia e claro, pedir que Deus mostre o que foi que afastou o óleo de sua cabeça. É uma questão de tempo, de provação e de aperfeiçoamento.

Quando falta azeite falta tempero, tudo fica meio sem gosto. É o mesmo alimento de sempre, mas falta algo. Alguns conseguem (não imagino como) tocar toda uma vida inteira nessa falta de unção. Outros, por causa de um pouquinho de óleo, correm até quase perder as pernas. Outros se acomodam em fases alternadas de grande unção e grande vazio. O que deve ser constante é a busca por mais do Reino de Deus, mais do Pai Celestial.

A despeito do que quer que falte, o Senhor é nossa fonte de alegria e exultação, independentemente de nos sentirmos altamente ungidos ou desprivilegiados. O Senhor é quem nos restaura mediante a receitinha de sempre: "Se o Meu povo que se chama pelo Meu nome…" 2 Crônicas 7:14.

Nosso desafio é adorar, agradecer, alegra-se e exultar no nosso Deus em meio às situações e circunstâncias desfavoráveis.

“Senhor, não permita que eu me acomode entre um vácuo e outro, quero andar continuamente cheio do Teu óleo. Sei que o Senhor deseja isso, portanto eu peço, por favor, me ajude. Em Jesus, amém!”

Ichtus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

JOSIAS, UM REFORMADOR EM SEU TEMPO