A IDENTIDADE DE JESUS CRISTO

Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
3ª IPB de Barretos / SP
Culto Vespertino 06.03.11 - item 1


TEXTO BÁSICO – JOÃO 10:23-29
“23 Jesus passeava no templo, no Pórtico de Salomão. 24 Rodearam-no, pois, os judeus e o interpelaram: Até quando nos deixarás a mente em suspenso? Se tu és o Cristo, dize-o francamente. 25 Respondeu-lhes Jesus: Já vo-lo disse, e não credes. As obras que eu faço em nome de meu Pai testificam a meu respeito. 26 Mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas. 27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. 28 Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão. 29 Aquilo que meu Pai me deu é maior do que tudo; e da mão do Pai ninguém pode arrebatar.”

INTRODUÇÃO
Uma das figuras mais fortes usada para definir o ministério do Senhor Jesus e sua igreja é a figura do pastor das ovelhas e seu rebanho. Nesse sentido Ele é o pastor e nós as ovelhas. Essa figura é apresentada não só no NT, como nesse texto de João 10 e outros, mas já era usada no AT para falar do Senhor como o Deus que cuida, apascenta, o seu povo (Sl 23). Essa mentalidade estava presente na vida e no coração do povo judeu, que conhecia a palavra de Deus e essa tão importante figura bíblica. Portanto, todo judeu se considerava uma ovelha de Deus simplesmente por ser judeu de nascença. Mas o Senhor mostra aqui, respondendo a indagação dos judeus, que havia um diferencial entre as ovelhas e as “não ovelhas”. A genética não seria o fator determinante na distinção desse povo. Aqui o Senhor Jesus fala acerca da identidade das verdadeiras ovelhas.

Mas em sua resposta aos judeus, que questionavam se Ele era de fato o Cristo, o Senhor Jesus também fala acerca da sua identidade, como o Pastor das ovelhas. É sobre esse tema que iremos refletir nessa mensagem, onde enfatizaremos A IDENTIDADE DE JESUS CRISTO.

EXPLICAÇÃO
A questão levantada pelos judeus consistia na dúvida se Jesus era ou não o Cristo (Jesus Cristo = Salvador Ungido). Essa questão da identidade é tão premente que foi abordada diversas vezes durante o ministério do Senhor Jesus, e foi levantada novamente no seu julgamento, quando o sumo sacerdote considerou a resposta de Jesus como blasfêmia (Mt 26:63-65) condenando-O à morte. 

 
“63 Jesus, porém, guardou silêncio. E o sumo sacerdote lhe disse: Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus. 64 Respondeu-lhe Jesus: Tu o disseste; entretanto, eu vos declaro que, desde agora, vereis o Filho do Homem assentado à direita do Todo-Poderoso e vindo sobre as nuvens do céu. 65 Então, o sumo sacerdote rasgou as suas vestes, dizendo: Blasfemou! Que necessidade mais temos de testemunhas? Eis que ouvistes agora a blasfêmia!” Mateus 26:63-65.

Na verdade essa dúvida quanto a identidade do Senhor Jesus ainda é o que permeia a mente do povo judeu, e também paira na mente de todos os incrédulos declarados e ocultos, haja visto que muitos O confessam com os lábios mas O negam nos corações. O alerta de Deus também encontra-se em 2 Timóteo 3:5.
“...tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder. Foge também destes.” 

 
ARGUMENTAÇÃO
A grande questão apresentada aqui, então, é quanto à identidade de Jesus. Ele responde a indagação dos judeus expondo CINCO provas de que Ele é o Cristo, o Sumo Pastor das ovelhas de Deus, que veremos nessa mensagem.

1 – As obras de Jesus comprovam quem Ele é: DEUS ENCARNADO – vs 25a.
Que obras são essas, as quais o Senhor Jesus está se referindo?

1.1 – A obra da criação – Jesus estava presente na criação, tudo que existe foi feito por meio dEle e sem Ele nada do que foi feito se fez (Gn 1:26 “façamos”; Jo 1:1-3).
“Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra.” Gênesis 1:26.
“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dEle, e, sem Ele, nada do que foi feito se fez.” João 1:1-3.

1.2 – O seu nascimento virginal – Jesus foi concebido por obra do Espírito Santo, o seu nascimento foi profetizado pelo profeta Isaías cerca de 7 séculos antes da sua concepção e do seu nascimento.
“Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel.” Isaías 7:14.
“Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco).” Mateus 1:23.

1.3 – A sua santidade, sua vida – Jesus jamais pecou, o seu testemunho é incontestável, ele viveu de um modo totalmente puro e santo, a sua vida sempre foi marcada pela pureza, pela justiça e pelo amor, apesar de haver sido tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas SEM JAMAIS HAVER COMETIDO PECADO.
“Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado.” Hebreus 4:15.
“Com efeito, nos convinha um sumo sacerdote como este, santo, inculpável, sem mácula, separado dos pecadores e feito mais alto do que os céus.” Hebreus 7:26.

1.4 – O seu poder, os seus milagres e seus grandes feitos – Jamais houve nem jamais haverá alguém mais poderoso do que Jesus. Os milagres que Ele realizou são incontestáveis e comprovam o seu poder e a sua divindade. Diferentemente dos apóstolos ou dos profetas do AT, Jesus jamais pecou, e além disso havia uma profusão tão grande de sinais e prodígios que o apóstolo João descreve.
“Na verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.” João 20:30,31.
“Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez. Se todas elas fossem relatadas uma por uma, creio eu que nem no mundo inteiro caberiam os livros que seriam escritos.” João 21:25.

1.5 – A sua morte, ressurreição e ascensão – A sua morte expiatória, profetizada cerca de 700 anos antes pelo profeta Isaías, a sua ressurreição e a sua ascensão, são fatos inequívocos que comprovam que Ele é o Cristo, o Salvador Ungido de Deus.
Isaías 53:1-12
“1 Quem creu em nossa pregação? E a quem foi revelado o braço do SENHOR? 2 Porque foi subindo como renovo perante ele e como raiz de uma terra seca; não tinha aparência nem formosura; olhamo-lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse. 3 Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso. 4 Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. 5 Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. 6 Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos. 7 Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca. 8 Por juízo opressor foi arrebatado, e de sua linhagem, quem dela cogitou? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; por causa da transgressão do meu povo, foi ele ferido. 9 Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na sua morte, posto que nunca fez injustiça, nem dolo algum se achou em sua boca. 10 Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando der ele a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade e prolongará os seus dias; e a vontade do SENHOR prosperará nas suas mãos. 11 Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma e ficará satisfeito; o meu Servo, o Justo, com o seu conhecimento, justificará a muitos, porque as iniqüidades deles levará sobre si. 12 Por isso, eu lhe darei muitos como a sua parte, e com os poderosos repartirá ele o despojo, porquanto derramou a sua alma na morte; foi contado com os transgressores; contudo, levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu.”

Atos 8:30-35
“30 Correndo Filipe, ouviu-o ler o profeta Isaías e perguntou: Compreendes o que vens lendo? 31 Ele respondeu: Como poderei entender, se alguém não me explicar? E convidou Filipe a subir e a sentar-se junto a ele. 32 Ora, a passagem da Escritura que estava lendo era esta: Foi levado como ovelha ao matadouro; e, como um cordeiro mudo perante o seu tosquiador, assim ele não abriu a boca. 33 Na sua humilhação, lhe negaram justiça; quem lhe poderá descrever a geração? Porque da terra a sua vida é tirada. 34 Então, o eunuco disse a Filipe: Peço-te que me expliques a quem se refere o profeta. Fala de si mesmo ou de algum outro? 35 Então, Filipe explicou; e, começando por esta passagem da Escritura, anunciou-lhe a Jesus.”

Marcos 16:9-14
“9 Havendo Ele ressuscitado de manhã cedo no primeiro dia da semana, apareceu primeiro a Maria Madalena, da qual expelira sete demônios. 10 E, partindo ela, foi anunciá-lo àqueles que, tendo sido companheiros de Jesus, se achavam tristes e choravam. 11 Estes, ouvindo que ele vivia e que fora visto por ela, não acreditaram. 12 Depois disto, manifestou-se em outra forma a dois deles que estavam de caminho para o campo. 13 E, indo, eles o anunciaram aos demais, mas também a estes dois eles não deram crédito. 14 Finalmente, apareceu Jesus aos onze, quando estavam à mesa, e censurou-lhes a incredulidade e dureza de coração, porque não deram crédito aos que o tinham visto já ressuscitado.”

Atos dos Apóstolos 1:1-3
“1 Escrevi o primeiro livro, ó Teófilo, relatando todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar 2 até ao dia em que, depois de haver dado mandamentos por intermédio do Espírito Santo aos apóstolos que escolhera, foi elevado às alturas. 3 A estes também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas concernentes ao reino de Deus.”

Atos dos Apóstolos 1:9-11
“9 Ditas estas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos. 10 E, estando eles com os olhos fitos no céu, enquanto Jesus subia, eis que dois varões vestidos de branco se puseram ao lado deles 11 e lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes subir.”

Existe um ditado que diz que “contra fatos não há argumentos”. Os incrédulos não tinham, e hoje também NÃO TÊM, argumentação contra os fatos que comprovavam a divindade de Jesus.

2 – A presença e a voz de Jesus comprovam quem Ele é: o SUMO PASTOR, DEUS ONIPRESENTE – vs 27a.
Ele fala com as suas ovelhas, e suas ovelhas ouvem a sua voz (“As minhas ovelhas ouvem a minha voz”). Como foi dito no item anterior, Jesus ressuscitou, e porque Ele está vivo hoje, Ele pode se comunicar conosco, o seu rebanho, e Ele o faz. Podemos ouvir a sua voz em nossos corações todos os dias, todas as horas, nos momentos alegres e difíceis, nos momentos de riso e alegria, e também nos momentos de pranto e dor. Para ouvirmos a voz de Jesus, necessário é que tenhamos comunhão com Ele através da oração, da leitura e da reflexão na Bíblia Sagrada (a sua Palavra), com santidade e temor em nossos corações.

Para o crente essa verdade é de extrema grandeza, pois prova que o nosso Deus não está morto, inerte como são os ídolos, mas Ele é um Deus vivo, presente e atuante, ELE É UM DEUS QUE FALA!!! Você ouve Jesus falar contigo? Se a sua resposta for “não”, e se você deseja ouvi-Lo, busque-O de todo o seu coração através da oração e da leitura da Bíblia, santifique-se e freqüente as reuniões e cultos com assiduidade, obedeça aos mandamentos, AME de todo o seu coração, peça a Deus ajudar-te a ouvir a Sua voz, e certamente você ouvirá Deus falar contigo. Esse é o diferencial entre as ovelhas de Cristo e aqueles que não são ovelhas, conforme João 5:24. “Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida.”

“Ouve-se a voz do SENHOR sobre as águas; troveja o Deus da glória; o SENHOR está sobre as muitas águas.” Salmos 29:3.
“A ti, pois, ó filho do homem, te constituí por atalaia sobre a casa de Israel; tu, pois, ouvirás a palavra da minha boca e lhe darás aviso da minha parte.” Ezequiel 33:7.
“Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles.” Mateus 18:20.

Salmos 23
“1 O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará. 2 Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso; 3 refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. 4 Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. 5 Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda. 6 Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre.”

3 – O conhecimento de Jesus comprova quem Ele é: DEUS ONISCIENTE – vs 27b.
Jesus conhece as suas ovelhas de um modo singular, só Ele as conhece perfeitamente (“Eu as conheço”). Ele nos conhece melhor do que nossos familiares, nossa igreja, Ele nos conhece melhor do que nós mesmos nos conhecemos, pois o conhecimento que Ele tem de nós é perfeito. É reconfortante, para nós que cremos, sabermos que o Senhor conhece tudo que se passa conosco e em nós. Ele sempre está presente conosco, muitas vezes até nos esquecemos que Ele se faz presente, mas em todas as ocasiões, em todos os momentos de nossa existência, podemos crer e confiar que Ele nos conhece perfeitamente, conhece inclusive quais são as nossas necessidades, dificuldades e fraquezas, e tudo que se passa conosco. JESUS NOS CONHECE assim porque ele é ONISCIENTE! Ele sabe o que sentimos, sabe quando nos entristecemos e quando choramos, sabe quando necessitamos de algo e quando somos tentados. Ele sabe também dos nossos pecados, nosso temperamento e personalidade. E apesar de nos conhecer tão bem, o seu amor por nós não muda jamais, é perfeito, por isso Ele sempre nos ama e sempre quer nos abençoar.
 “1 SENHOR, tu me sondas e me conheces. 2 Sabes quando me assento e quando me levanto; de longe penetras os meus pensamentos. 3 Esquadrinhas o meu andar e o meu deitar e conheces todos os meus caminhos. 4 Ainda a palavra me não chegou à língua, e tu, SENHOR, já a conheces toda. 5 Tu me cercas por trás e por diante e sobre mim pões a mão. 6 Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim: é sobremodo elevado, não o posso atingir.” Salmos 139:1-6

 “14 Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim, 15 assim como o Pai me conhece a mim, e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas. 16 Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a mim me convém conduzi-las; elas ouvirão a minha voz; então, haverá um rebanho e um pastor. 17 Por isso, o Pai me ama, porque eu dou a minha vida para a reassumir. 18 Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la. Este mandato recebi de meu Pai.” João 10:14-18.

4 – A salvação e a vida eterna que Cristo dá, comprovam quem Ele é: o SALVADOR – vs 28a.
A vida eterna que Cristo nos deu foi conquistada pelo seu sacrifício na cruz do Calvário, por isso Ele pode nos dar a salvação e a vida eterna (“Eu lhes dou a vida eterna”). Ele é o nosso Salvador e Senhor. Ele conquistou a nossa salvação, por isso nEle temos confiança de que somos salvos da morte e do inferno, e que o preço dos nossos pecados já foi pago por Cristo na cruz do Calvário. Essa obra é uma obra exclusiva de Cristo, daí a sua autoridade sobre a nossa salvação – “Eu lhes dou”, isto é, não foi por nossos méritos que recebemos a salvação e a vida eterna, mas recebemos tais dádivas de graça das mãos marcadas do Senhor Jesus. A nossa salvação, portanto:
- é graciosa, pois nos é dada de graça por aqueEle que a conquistou;
- é soberana, pois o Senhor não foi nem é forçado por nada a nos salvar, Ele o fez espontaneamente, simplesmente porque assim quis fazer;
- é amorosa, pois o Senhor nos salvou por nos amar.

“Mas, se a nossa injustiça traz a lume a justiça de Deus, que diremos? Porventura, será Deus injusto por aplicar a sua ira?” Romanos 3:5.

“38 Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, 39 nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.” Romanos 8:38,39.

“Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.” Romanos 5:8.

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3:16.

“8 Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; 9 não de obras, para que ninguém se glorie.” Efésios 2:8,9.

5 – A segurança que Jesus dá comprova quem Ele é: DEUS ONIPOTENTE – vs 28b,29.
O Senhor Jesus dá segurança total de salvação para as suas ovelhas, ninguém nem nada pode nos arrancar de seus braços. Por isso que cremos que uma vez salvo, sempre salvo. Diferentemente dos ensinamentos de Jacobus Arminius, que afirmavam ser o homem o detentor da decisão e da escolha da salvação, e o mantenedor da mesma, visto que, afirmava ele, depender do homem permanecer ou não salvo, e que portanto, poderia perder a salvação. Nós presbiterianos (e grande parte dos protestantes) não aceitamos essa doutrina tão presente hoje em dia em várias igrejas e denominações, antes cremos na interpretação dada por João Calvino, e abraçada pela Reforma de Westminster, que afirma que o homem escolhido por Deus, não é o detentor da salvação, mas alvo do amor imensurável de Deus e, portanto, a salvação não depende do homem, mas de Deus. Deus é perfeito, e a obra de Deus é perfeita e infalível; nada nem ninguém poderá arrebatar aquele que foi salvo, das mãos de seu Salvador (Rm 8:38,39). Essa é a doutrina da PERSEVERANÇA DOS SANTOS que nos assegura que todo aquele que foi salvo jamais perderá a sua salvação, pois é o próprio Senhor Jesus quem nos dá essa certeza e segurança da nossa eterna redenção. Certamente isso não significa que o salvo está liberado para pecar, pois não perde a salvação, mas significa aquele que foi verdadeiramente salvo, não vive mais na prática do pecado, mas passou da morte para a vida.

“37 Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora. 39 E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia.” João 6:37,39.

“15 E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e sim da graça? De modo nenhum! 16 Não sabeis que daquele a quem vos ofereceis como servos para obediência, desse mesmo a quem obedeceis sois servos, seja do pecado para a morte ou da obediência para a justiça?” Romanos 6:15,16.

“Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar.” 1 Pedro 5:10.

“10 Por isso, irmãos, procurai, com diligência cada vez maior, confirmar a vossa vocação e eleição; porquanto, procedendo assim, não tropeçareis em tempo algum. 11 Pois desta maneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” 2 Pedro 1:10,11.

“6 Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu. 9 Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus.” 1 João 3:6,9.

“Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida.” João 5:24.

“Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos; aquele que não ama permanece na morte.” 1 João 3:14.

CONCLUSÃO
Foi William Shakespeare quem escreveu a famosa frase: “ser ou não ser, eis a questão”. Esse era o dilema daqueles judeus que duvidavam da divindade de Jesus. Nesse texto Senhor Jesus fala da sua identidade através desses 5 argumentos que nos ensinam quem Ele é, e nos falam acerca de seu ministério. E para você, QUEM É JESUS? Que você possa desfrutar sempre dessa real e doce comunhão com o Senhor Jesus, o Deus encarnado, onisciente, onipresente e onipotente, o Sumo Pastor e Salvador da Igreja.

Certamente essa frase de Shakespeare faz-nos pensar também em nossa identidade como ovelhas de Cristo: quem nós somos. Se Deus nos permitir, analisaremos essa parte na próxima mensagem.

S.D.G.

Material de apoio:
A Bíblia Anotada
Bíblia de Estudo de Genebra


Sermão pregado anteriormente em: 
13.09.09 - Culto Vespertino - IPB de Porecatu / PR
22.11.09 - Culto Vespertino - IPB de Porecatu / PR.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT