LIÇÕES DA CEIA DO SENHOR

Por: Rev. Hernandes Dias Lopes

O apóstolo Paulo, em sua Primeira Carta aos Coríntios, tratou de maneira objetiva sobre a Ceia do Senhor. Jesus mesmo instituiu esse Sacramento como um meio de graça para sua Igreja. Somente aqueles que foram remidos e lavados no Sangue do Cordeiro e confessam o nome do Senhor Jesus devem participar desse banquete da graça. Só aqueles que discernem o que Cristo fez na Cruz são chamados para participar desse Sacramento. À luz do texto bíblico (1 Co 11:23-34) queremos extrair quatro lições importantes:

1. Uma gloriosa mensagem é proclamada (1 Co 11:23-26)

A Ceia do Senhor foi instituída para que a Igreja pudesse recordar continuamente o sacrifício vicário de Cristo na Cruz em seu favor. Jesus fez grandes milagres e ofereceu à Igreja sublimes ensinamentos, mas instituiu um Sacramento para ser memorial da Sua morte. Todas as vezes que nos assentamos ao redor da mesa da comunhão, estamos proclamando que o corpo de Cristo foi partido e dado por nós e Seu Sangue foi vertido como símbolo da nova Aliança. A morte de Cristo é o eixo central do Evangelho. Fomos reconciliados com Deus pela morte de Cristo. É pela Sua morte que temos vida. Devemos anunciar a Sua morte até que Ele venha em glória.

2. Uma solene advertência é feita (1 Co 11:27)

Participar da Ceia do Senhor indignamente é um grave pecado. O indivíduo que assim procede torna-se réu do Corpo e do Sangue do Senhor. Como uma pessoa pode participar da Ceia de forma indigna? Fazendo-o sem discernimento espiritual, ou seja, sem crer no sacrifício vicário de Cristo. Não podemos nos aproximar da Mesa do Senhor de forma digna a menos que reconheçamos a hediondez dos nossos pecados e que foi por eles que Cristo verteu o Seu Sangue na Cruz. Não podemos participar da Ceia dignamente a não ser que tenhamos plena consciência da nossa indignidade. Essa participação não é um privilégio do mérito, mas uma oferta da graça.

3. Uma ordem clara é dada (1 Co 11:28,29)

Sempre que somos chamados à Mesa da Comunhão olhamos para o passado e contemplamos a Cruz. Olhamos para a frente e aguardamos a volta gloriosa de Cristo. Olhamos ao redor e acolhemos em amor os nossos irmãos. Mas, também, olhamos para dentro para examinarmo-nos a nós mesmos. Não somos chamados para examinar os outros, mas para examinar a nós mesmos. Se examinássemos detidamente os nossos próprios pecados, não teríamos tempo para ficar apontando os pecados dos outros. Um superficial exame do nosso próprio coração é que nos torna tão críticos e intolerantes com os outros.

4. Uma dolorosa realidade é constatada (1 Co 11:30-34)

A participação desatenta e descuidada da Ceia do Senhor produz resultados desastrosos. Em vez de edificação vem juízo. Em vez de deleite espiritual vem disciplina. Paulo menciona três níveis (físicos e espirituais) dessa disciplina: enfraquecimento, doença e morte. Entre os crentes de Corinto havia gente fraca, enferma e alguns haviam sido ceifados pela disciplina divina. O pecado sempre produz resultados desastrosos, sobretudo, na vida dos crentes.

A Ceia do Senhor é um momento de auto-exame e arrependimento, mas também de profunda gratidão e alegria. Devemos nos aproximar da Mesa do Senhor com santa reverência e santo temor e ao mesmo tempo com profunda gratidão e imensa alegria. Devemos celebrar essa festa não com o fermento da maldade e da malícia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade (1 Co 5:7,8).
 

Palavra da Verdade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

IPB EM FOCO - SIMONTON E AS BASES DO PRESBITERIANISMO NO BRASIL