CASADOS E FELIZES - Sabedoria, necessidade para um bom relacionamento (1)

"A sabedoria que vem do alto primeiramente é pura..." Tiago 3:17. 

Uma das características da sabedoria é a pureza. Isto quer dizer livre de mancha ou contaminação seja ela qual for. Quem no seu íntimo não é moralmente puro não começou ainda a ser sábio. Como podemos avaliar se as nossas atitudes estão sendo atitudes de sabedoria? Creio ser pelo exteriorizar, através de ações e reações, que temos na nossa conduta a característica da pureza. E assim como o óleo de baixa categoria, ou a gasolina misturada, leva você a questionar o desempenho de uma refinaria, os maus atos e os pensamentos impuros levam-nos a questionar a condição de nosso coração. Se as ações de uma pessoa são más, não basta mudar-lhe os hábitos, é preciso ir mais fundo. É necessário ir ao coração do problema, que é o problema do coração.

Toda pessoa que quer viver uma vida pura é rotulada como pessoa antiquada, careta, fora da realidade. Pessoas que vivem a pureza nas suas atitudes são aquelas que ocupam as suas mentes por pensamentos sadios, isto é ocupam as suas mentes com coisas que são puras, lindas, saudáveis e positivas, ao invés de coisas sedutoras, provocantes, sensuais e questionáveis.

Infelizmente quantas famílias estão vivendo a impureza nas suas relações, por não estarem atentos aos cuidados necessários para que a pureza seja cultivada em sua casa. Podemos evitar a impureza em família, por exemplo, quando tomamos cuidados com a maneira de nos vestirmos. Hoje em dia as mulheres estão se trajando com uma maneira sedutora, provocante, achando que o corpo bonito deve ser admirado. E o que mais nos admira é vermos até mesmo alguns maridos incentivando o uso desse tipo de traje, sentindo-se até orgulhosos por ser “o marido” (o dono?) de uma outra pessoa, que nesse caso, parece que até mesmo inconscientemente, deixa de ser uma pessoa e torna-se um objeto, que é exatamente a mentalidade do mundo acerca dessa questão. 


O apóstolo Pedro em sua primeira carta, no capítulo 3 versículo 4, fala sobre a verdadeira qualidade da mulher, e ele diz que o que valoriza a mulher não é a aparência exterior, mas sim a de um incorruptível traje interior de um espírito manso e humilde que é precioso diante de Deus. Como pode esta mulher estar demonstrando sabedoria na sua vida, se a característica da sabedoria que vem de Deus é pura, sem contaminação, sendo que atitudes como estas descritas não são compatíveis com a saúde espiritual esperada.

Que pena, vermos também maridos envolvidos em impurezas, comprando revistas que irão despertar pensamentos lascivos, contrários a toda a moralidade, como também alugando filmes pornográficos despertando assim desejos sexuais. Tudo isso demonstra falta da verdadeira sabedoria, pois a sabedoria que vem de Deus é limpa e livre de faltas, em comparação com a sabedoria do mundo. “Há aqueles que são puros a seus próprios olhos e que jamais foram lavados da sua imundícia” Provérbios 30:12.

Um dos elementos causadores de tantos divórcios é essa impureza sendo admitida no meio da família, nunca notada, até que a conclusão de todo este descontrole é visto através da traição que inevitavelmente virá. Muito temos que fazer para purificar as nossas relações. Temos que estar atentos aos menores desvios que possam estar acontecendo para não os alimentarmos. Precisam ser abolidos, antes que seja muito tarde. Quando o mal já estiver instalado, enraizado, mais difícil será a sua exclusão.

Nosso desejo é que você esteja buscando a verdadeira sabedoria para viver. Viver em família requer de cada um componente da mesma um desejo de que a sabedoria que vem do alto possa ser a que esteja permeando as atitudes tomadas, e assim trazendo louvor ao nosso Deus. Diga comigo: “No que depender de mim a minha família vai ser uma benção. Em nome de Jesus, amém!
 

Fonte Casados e Felizes.
Clique e confira o post anterior e o próximo post desta série.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ASSUMIR UMA POSIÇÃO DIANTE DE DEUS

PODE O CRENTE PARTICIPAR DA FESTA DO PEÃO?

INTRODUÇÃO GERAL AO NT (5) - A ORDEM DOS LIVROS DO NT